Terça, 14 de agosto de 2018
(86) 99915-1055
CONPIALPER superbanner posição 3
Geral - Justiça Federal

Postada em 09/08/2018 ás 15h31 - atualizada em 10/08/2018 ás 09h04

Publicada por: Bruna Dias

Fonte: MPF

Empresário é condenado por trabalho escravo no Piauí
Ao réu foi concedido o direito de recorrer da decisão em liberdade.
Empresário é condenado por trabalho escravo no Piauí

Foto: google maps

A pedido do Ministério Público Federal (MPF) no Piauí, a 3ª Vara da Justiça Federal condenou o empresário Ivan Reis de Vasconcelos – sócio-administrador da empresa Ferro Gusa Bela Vista (Fergubel) – pela prática prevista no artigo 149 do Código Penal, correspondente ao crime de redução à condição análoga à de escravo, no município de Porto Alegre do Piauí (PI). 

De acordo com a ação penal, no período de 12 a 19/6/2007, em fiscalização à carvoaria de responsabilidade da Fergubel, o Grupo Especial de Fiscalização Rural do Ministério do Trabalho e Emprego constatou a inobservância pela empresa das obrigações básicas referentes às garantias trabalhistas e previdenciárias, à preservação da integridade física e psíquica e ao respeito da dignidade do trabalhador enquanto pessoa humana, de trinta e cinco trabalhadores rurais.

Os auditores fiscais constataram irregularidades como: jornada diária exaustiva e sem qualquer mecanismo de controle; trabalho sem registro em Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS) e, portanto, à margem dos direitos trabalhistas e previdenciários garantidos pelo ordenamento jurídico; e não fornecimento de equipamentos de proteção individual, deixando os trabalhadores suscetíveis aos riscos ocupacionais imanentes à atividade rural desempenhada. 

O Juízo da 3ª Vara Federal julgou procedente o pedido do MPF e, com base no artigo 149, caput, do Código Penal, condenou o empresário Ivan Reis de Vasconcelos à pena de 2 anos e 9 meses de reclusão, a ser cumprida em regime inicial aberto e à pena de multa de 53 dias-multa, além disso, definiu o valor do dia-multa na fração de 1/10 do salário mínimo vigente à época dos fatos. 

A pena privativa de liberdade foi substituída por duas penas restritivas de direitos: prestação pecuniária, consistente no pagamento em dinheiro, fixado em R$ 9.540,00 valor hoje correspondente a dez salários mínimos, a ser pago em favor de entidade pública ou privada com destinação social e prestação de serviços à comunidade ou à entidade pública, a ser estabelecido pelo juízo. 

Ao réu foi concedido o direito de recorrer em liberdade. 

R10 no Facebook:
imprimir
Veja também
TV R10

»

Revista ADV

»

Batalha Por Naldo Voz

Acidente na BR 222 em Batalha deixa mulher ferida

Barra D'alcântara Por Cleiton Brito

Prefeitura de Barra D'Alcântara Realizará Audiência Pública no Plenário da Câmara Municipal

Altos-PI Por Jair Fran

Programa 'Saúde Mulher' em Altos supera marca de dois mil atendimentos

Nazária-PI Por R10 municípios

Prefeitura de Nazária realizou II Feira da Agricultura

Capitão de Campos Por Celso Oliveira

Capitão de Campos comemora dia do Evangélico sábado dia 18 de agosto

Mais lidas da semana

»

Municípios
© Copyright 2018 - Portal R10 - Todos os direitos reservados
TV R10 Municípios Colunas Anuncie Fale conosco
Site desenvolvido pela Lenium