Sexta, 20 de julho de 2018
(86) 99915-1055
Geral - Ação civil

Postada em 23/11/2017 ás 14h50 - atualizada em 23/11/2017 ás 17h03

Publicada por: Bruna Dias

Fonte: MP-PI

Prefeitura do Piauí é investigada por contratar escritórios sem licitação
O Ministério Público alega que o município contratou serviços de contabilidade, no valor de pouco mais de R$ 100 mil reais.
Prefeitura do Piauí é investigada por contratar escritórios sem licitação

A 3ª Promotoria de Justiça de Campo Maior ingressou com ação civil pública contra o município de Sigefredo Pacheco pela contratação de serviços de contabilidade por inexigibilidade de processo licitatório, sob a justificativa dos serviços serem “de notória especialidade para atuação em objeto específico”.

 

Na ação, o promotor de Justiça Maurício Gomes, titular da 3ª PJ de Campo Maior, relata que o município de Sigefredo Pacheco contratou serviços de contabilidade, no valor de pouco mais de R$ 100 mil reais. A prática se repetiu em 2015, quando a prefeitura contratou duas empresas: a CAP Contabilidade, para prestação de serviços de assessoria em contabilidade pública, no valor de R$ 51.220,00 reais; e a Pública Consultoria, Contabilidade e Projeto, para consultoria e acompanhamento de sistemas dos governos federal e estadual, por R$ 54 mil reais. Em 2016, a gestão municipal renovou contrato com a CAP Contabilidade por R$ 57 mil reais.

 

Neste ano, Sigefredo Pacheco celebrou contrato com a R. de A. Chaves Neto Eirelli para assessoria e consultoria técnica especializada em contabilidade pública, a nível municipal, para o cumprimento das obrigações municipais de prestação de contas da prefeitura, no valor global de R$114 mil reais.

 

Para o representante do Ministério Público Estadual, as atividades contratadas pela prefeitura poderiam ser desempenhadas por um contador, tendo em vista que os serviços podem ser considerados ordinários.

 

Na ação, o promotor de Justiça requereu ao Poder Judiciário a concessão de liminar para que seja considerado nulo o contrato firmado entre a prefeitura municipal de Sigefredo Pacheco e o escritório de contabilidade. O Ministério Público ainda solicita que seja determinado à gestão municipal que realize processo licitatório para contratação dos serviços de natureza contábil; caso não seja possível promover essa primeira opção imediatamente, a gestão municipal poderá fazer um procedimento seletivo simplificado.

 

Por último, o órgão ministerial pede a determinação para que Sigefredo Pacheco não mais utilize a inexibilidade para dispensar o regular processo de licitação para contratação de serviços de assessoria ou consultoria contábil não singulares, cujo contrato deverá especificar direitos, obrigações e responsabilidades do contratado, carga horária e horário de expediente, prazo da contratação e valor mensal do contrato. O município ainda deverá ser obrigado a realizar concurso público para provimento do cargo de contador.

 

Outro lado

                                                                                                                        

Procurado pelo portal R10, o prefeito do município de Sigefredo Pacheco, Oscar Bandeira (PP) não foi localizado para comentar a ação. O R10 está aberto para esclarecimentos.

R10 no Facebook:
imprimir
Veja também
TV R10

»

Revista ADV

»

Amarante-PI Por Diogo Costa

Prefeito Diego Teixeira participa de apresentação do Rally Piocerá Bike

São Gonçalo do Gurguéia Por Lucas Sena

1ª igreja Batista comemora 02 anos de organização com uma programação especial

Brasileira Por Giva Ferreira

Shows na Praça Zacarias Ferreira no Bairro Estação animarão o aniversário de Brasileira

Água Branca-PI Por Lenno Oliveira

Prefeitura de Água Branca apoia realização da IV Copa Água Branca Nordeste de Futebol de Base

Campo Largo-PI Por Roberto Freitas

Quadrilha Junina Sertaneja é vice-campeã do Festival Cultural em Campo Largo-PI

Mais lidas da semana

»

Municípios
© Copyright 2018 - Portal R10 - Todos os direitos reservados
TV R10 Municípios Colunas Anuncie Fale conosco
Site desenvolvido pela Lenium