Segunda, 19 de fevereiro de 2018
(86) 99915-1055
Economia

Postada em 25/11/2017 ás 12h19

Publicada por: Redação

Fonte: Folhapress

Gasto com aposentadoria supera dívida pública nos Estados e Municípios
O número ilustra a dificuldade que os entes subnacionais terão para honrar esses compromissos
Gasto com aposentadoria supera dívida pública nos Estados e Municípios

Foto:divulgação

Fora da reforma da Previdência apresentada pelo governo, Estados e municípios já têm contratadas despesas com aposentadoria de servidores e pagamento de pensionistas equivalentes a 85% do PIB –patamar elevado e que supera a dívida pública no mercado, de 73% do PIB.

 O cálculo, do economista Paulo Tafner, especialista em Previdência, foi apresentado pelo presidente do Insper, Marcos Lisboa, a aliados de Michel Temer em jantar na quarta (22), no Alvorada.

A cifra é superior a R$ 5 trilhões e considera as despesas que Estados e municípios terão nos próximos 75 anos, segundo as regras atuais de acesso a aposentadoria e pensão. O número ilustra a dificuldade que os entes subnacionais terão para honrar esses compromissos.

O deficit orçamentário dos Estados, observa Lisboa, está sendo agravado pelo rápido envelhecimento dos servidores, levando a gastos crescentes dos regimes próprios. "O Rio tem servidores mais 'velhos', e por isso está sentindo os efeitos antes dos demais. Mas é só o primeiro da fila."

O Rio deixou de pagar a aposentados por alguns meses neste ano, problema que ronda os servidores de Rio Grande do Sul, Minas e DF.

Para o economista, sem alterar a tendência de aumento de gastos com a Previdência, a crise se espalhará em 2018 e 2019 para mais Estados e outros servidores poderão ficar sem receber.

O governo decidiu retirar os funcionários estaduais da reforma temendo a reação adversa de governadores.

Como paliativo, incluiu na proposta a obrigação para Estados e municípios fazerem suas próprias mudanças em seis meses. Senão, seus regimes de Previdência passarão a seguir as regras federais. Isso, porém, não é o bastante para ajudar os Estados, na avaliação dos economistas.

Tafner diz que a estratégia é arriscada e limita a ação dos governadores. E pode suscitar dúvidas jurídicas e ações judiciais de descontentes.

Para ele, o governo deveria considerar incluir na proposta a possibilidade de governadores cobrarem uma contribuição extra temporária para bancar deficit previdenciários. Mesmo com deficit de R$ 12 bilhões na Previdência, o Rio teve dificuldades em aprovar um reajuste de 11% para 14% na contribuição de servidores. O percentual necessário para bancar as aposentadorias e pensões, porém, alcançava 20%.

"Fundos de pensão já preveem esse tipo de solução. Petros e Funcef, neste momento, estão cobrando de seus beneficiários. Não é justo que todos paguem pelo deficit de um regime que atende a poucos". 

R10 no Facebook:
imprimir
Veja também
TV R10

»

Revista R10

»

Amarante-PI Por Diogo Costa

Prefeito Diego Teixeira participa de inauguração de posto policial no Mimoso-MA

Floriano Por Ilizianny de Carvalho

Aplicada prova de seleção do Programa de Residência de Medicina de Família e Comunidade

Água Branca-PI Por Lenno Oliveira

Carnaval de Água Branca reúne 60 mil pessoas

Nazaré do Piauí Por Douglas Franco

Francisco Costa visita o município de Nazaré do Piauí

Lagoinha do Piauí Por Mysael Santana

Força Tática do 18º BPM captura três dos seis presos que fugiram do DP de Água Branca

Mais lidas da semana

»

© Copyright 2018 - Portal R10 - Todos os direitos reservados
TV R10 Municípios Colunas Anuncie Fale conosco
Site desenvolvido pela Lenium