Quarta, 20 de junho de 2018
(86) 99915-1055
Geral - Estudo

Postada em 12/03/2018 ás 12h36 - atualizada em 12/03/2018 ás 12h40

Publicada por: Bruna Dias

Fonte: CNM

Governo federal deve mais de R$ 37 bilhões aos municípios
O dado foi revelado através de um estudo da Confederação Nacional de Municípios.
Governo federal deve mais de R$ 37 bilhões aos municípios

Foto: Reprodução

Obras paradas e abandonadas são realidade em todas as regiões brasileiras, e um problema para os governantes e para a população. Frequentemente nos jornais, principalmente creches e unidades de saúde, essas construções são exemplos de desperdício de dinheiro público. Mas qual a origem do problema? Um estudo da Confederação Nacional de Municípios (CNM) mostra que, só em 2017, o governo federal deixou de repassar mais de R$ 37 bilhões para investimento nessas construções em todo o país.

Ao analisar os dados da CNM, conclui-se que os chamados Restos a Pagar (RAPs) – recursos prometidos para desenvolvimento de projetos nos Municípios e não repassadas – são responsáveis por grande parte do atual de cenário de obras sem conclusão. Soma-se a isso, a burocracia e a ineficiência dos órgãos que atuam diretamente no processo. O estudo traz, na primeira página, a seguinte explicação: “os RAPS são despesas empenhadas, mas não pagas até 31 de dezembro de cada ano”.

Por meio do um fluxograma, o levantamento apresenta o processo que envolve os estágios da despesa pública, representados pelo empenho, liquidação e pagamento. Só nos primeiros meses deste ano, um relatório da Secretaria do Tesouro Nacional (STN) indica um total de R$ 155 bilhões de Restos a Pagar inscritos no Orçamento Geral da União (OGU). O que soma mais de mais de R$ 6,8 bilhões e indica aumento de 4,6%, em relação a 2017.

“Um crescimento decorrente do volume de despesas empenhadas em 2017 e não pagas no próprio ano, em comparação ao observado em 2016, explica a entidade. Além da redução de pagamento, o estudo sinaliza que o valor de 2018 foi influenciado pela diminuição dos cancelamentos, causada por dois fenômenos: melhora na gestão e menos cancelamento de empenho e/ou postergação dos cancelamentos sem avaliação do governo federal.

Problema

Diante dos novos números apresentados, a CNM aponta para um problema estrutural e preocupante, que apesar de ser visto pela população em seus devidos Municípios, envolve outras estâncias do poder público federal. “Há casos em que a despesa já foi liquidada e o governo posterga o pagamento, o que aumenta o RAP processado. Há também casos em que um ordenador de despesa não reconhece um serviço já prestado ou investimento já executado, o que também aumenta o RAP não processado”, mostra o estudo.

 

R10 no Facebook:
imprimir
Veja também
TV R10

»

Revista R10

»

São Gonçalo do Gurguéia Por Lucas Sena

Cetec oferece cursos de pós graduação em São Gonçalo do Gurguéia

Demerval Lobão - PI Por Katia Cruz

Demerval Lobão | secretário Ricardo Melo desenvolve um trabalho de excelência junto às finanças

Barro Duro Por João Paulo

Quadrilha Junina Lumiar Barrodurense encanta no VI FestQuadrilhas Barro Duro

Inhuma-PI Por Juerismar Luis

Avenida Duque de Caxias ganha nova iluminação

Amarante-PI Por Diogo Costa

Prefeitura Municipal de Amarante convida todos os jovens para participar do NUCA

Mais lidas da semana

»

© Copyright 2018 - Portal R10 - Todos os direitos reservados
TV R10 Municípios Colunas Anuncie Fale conosco
Site desenvolvido pela Lenium