Quinta, 19 de julho de 2018
(86) 99915-1055
[email protected]
86 998026952
Geleia Total

Geleia Total

Geleia Total Na coluna da Geleia Total, você vai poder conhecer mais sobre a cultura e a arte do Piauí. Aqui no Piauí você encontra artistas das mais diversas áreas e estilos, produzindo arte autoral com muito empenho, amor e brilho no olhar. Arte que nos orgulha, transforma nossas vidas e nos embebecem de esperança por um futuro cada vez melhor. Além de uma cultura, culinária, pontos turísticos, movimentos culturais e história fascinantes. Vamos celebrar a arte e cultura do Piauí.

[email protected]

86 998026952

Cultura - Patrimônio Piauiense

Postada em 26/03/2018 ás 11h48

Publicada por: Geleia Total

Fonte: www.geleiatotal.com.br

Madalena, por Alisson Carvalho
Texto do escritor Alisson Carvalho sobre Madalena, um retrato de uma Teresina esquecida
Madalena, por Alisson Carvalho

Foto: Thiago Furtado

Madalena é o retrato de uma Teresina esquecida, sua voz foi soterrada pelo descaso. Não tem o que dizer, é a nova queimada da “modernidade”. Teresina quer ser “muderna”, abandonar todos os traços do passado que acorrentam o seu avanço desesperado.

O nosso slogan progressista está no peito, na mente e no desejo de cada transeunte apático. Não é mais novidade a tal destruição justificada por toda a fortuna hospitalar conquistada pela “cidade verde”, a “cidade da saúde”, a cidade “muderna”, que esconde e enfraquece a sua própria história.

Madalena despenca lentamente e quando for diagnosticada inválida, a rainha será deposta, condenada a demolição. Queira eu estar enganado, mas o futuro do lugar por ela ocupado será mais uma clínica, farmácia ou, pior, estacionamento do patrão.

Teresina cresceu à contragosto do povo, empurrada goela abaixo. Tornou-se discurso respeitado, apartou o resto e maquiou o sangue queimado. As novas chamas estão disfarçadas, tentam remanejar sempre quem não tem voz. É a “mudernização” do aeroporto ou a ampliação do Lagoas do Norte. Seja o que for, o importante é ter que avançar.

Viva Madalena, que não verá as chamas da “mudernidade” consumindo a sua antiga residência, construída em 1938 na rua Félix Pacheco. Pouco adiantou os gritos estudantis e a vitória diante da violenta demolição. Acontece que tem uma certa parcela, bem pequena mesmo, que não chamarei de burguesia para não estigmatizar ninguém, mas que não se importa de burlar as leis, pois as regras são inaplicáveis para alguns bem-nascidos.

Uma multa aqui outra ali não fará falta. Esse abandono serve para camuflar a má vontade, a má fé e o descaso. É o assassinato da memória. Memória só serve se for compartilhada, se tiver uma relação direta com os vivos e uma função social. A nova fumaça no horizonte não tem chamas, é o indício da demolição. E todos calados observam a nova construção.

“Viva essa Teresina do futuro”

Autor: Alisson Carvalho

Livro: Rascunhos Líquidos (2018)

R10 no Facebook:
imprimir
Veja também
Revista ADV
Últimas
Mais lidas da semana
TV R10
Municípios
© Copyright 2018 - Portal R10 - Todos os direitos reservados
TV R10 Municípios Colunas Anuncie Fale conosco
Site desenvolvido pela Lenium