Segunda, 20 de agosto de 2018
(86) 99915-1055
CONPIALPER superbanner posição 3
Economia - Levantamento

Postada em 12/04/2018 ás 09h31 - atualizada em 12/04/2018 ás 10h06

Publicada por: Redação

Crise e desemprego fazem renda do brasileiro cair, diz IBGE
Em média, a população perdeu R$ 12 no rendimento mensal real.
Crise e desemprego fazem renda do brasileiro cair, diz IBGE

Foto: Reprodução

A crise no mercado de trabalho fez a renda do brasileiro encolher em 2017. Em média, a população perdeu R$ 12 no rendimento mensal real na comparação com o ano anterior - passou de R$ 2.124 para R$ 2.112, o que representa uma queda de 0,56%. Já o rendimento proveniente do trabalho caiu R$ 31 no mesmo período - de R$ 2.268 de R$ 2.237, um redução de 1,36%. É o que aponta um levantamento divulgado nessa quarta-feira (11) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE).

Com base na Pesquisa Mensal por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), o instituto constatou que 60,2% da população – o equivalente a 124,6 milhões de pessoas – tinham algum tipo de rendimento em 2017.

Dentre a população que tinha rendimento, 41,9% o recebia do trabalho e 24,1% de outras fontes - estas se dividem em aposentadoria ou pensão (14,1%); aluguel e arrendamento (1,9%); pensão alimentícia ou doação (2,4%) e outros rendimentos (7,5%), categoria que inclui, por exemplo, seguro-desemprego, programas sociais como o Bolsa Família e poupança, informou o G1.

1% mais rico ganha 36 vezes mais que os 50% mais pobres

Ao analisar a diferença na concentração de renda, o IBGE apontou as pessoas que faziam parte do 1% da população com os maiores rendimentos (R$ 27.213 mensais em média) ganhavam, em média, 36,1 vezes mais que a metade da população que detinha os menores rendimentos (R$ 754). No ano anterior, este grupo de 1% com maiores rendimentos ganhavam 36,3 vezes a média dos 50% com rendimentos mais baixos.

Proporção de domicílios com Bolsa Família cai

A pesquisa do IBGE mostrou, ainda, que caiu o percentual de domicílios que contavam com o Programa Bolsa Família na composição do rendimento familiar. Em 2016 este percentual era de 14,3% e caiu para 13,7% em 2017.

O maior percentual de domicílios que contavam com o benefício foi observado no Nordeste. Lá, 28,4% das famílias com algum tipo de rendimento contavam com o Bolsa Família. Em seguida, aparece a região Norte, com 25,8% dos domicílios com repasse da verba federal. No Centro-Oeste, este percentual foi de 8,5%, no Sudeste de 6,7% e no Sul de 4,6%.

O coordenador da pesquisa enfatizou que o rendimento médio domiciliar per captita nos domicílios que contavam com o Bolsa Família era de R$ 324, enquanto naqueles que não tinham o benefício era de R$ 1.489.

 

 

R10 no Facebook:
imprimir
Veja também
TV R10

»

Revista ADV

»

Joaquim Pires-PI Por João Victor

Secretaria Municipal de Saúde realiza dia D de vacinação contra Poliomielite e Sarampo

Gilbués-PI Por Henrique Guerra

Definidos os semifinalistas do Campeonato Municipal de Futebol de Gilbués

José de Freitas-PI Por Mikelson Deivid

Wellington Dias sofre grandes quedas em pesquisas eleitorais

Altos-PI Por Jair Fran

Crianças recebem imunização no "Dia D" de vacinação contra pólio e sarampo em Altos

Amarante-PI Por Notícias de Amarante

Prefeito Diego Teixeira recebe picape L200 para Saúde de Amarante

Mais lidas da semana

»

Municípios
© Copyright 2018 - Portal R10 - Todos os direitos reservados
TV R10 Municípios Colunas Anuncie Fale conosco
Site desenvolvido pela Lenium