Sexta, 21 de setembro de 2018
(86) 99915-1055
[email protected]
(86) 999558517
Oeiras

Oeiras

Thainah Cortez Correspondente do município.

[email protected]

(86) 999558517

Cidades -

Postada em 07/06/2018 ás 01h24

Publicada por: Thainah Cortez

Fonte: PMO

‘Seis e Meia’ une os sambistas Dudu Nobre e Arthur Espíndola no palco do Cine Teatro Oeiras
‘Seis e Meia’ une os sambistas Dudu Nobre e Arthur Espíndola no palco do Cine Teatro Oeiras

O projeto Seis e Meia vai reunir o sambista paraense Arthur Espíndola e o sambista carioca Dudu Nobre em um grande show no palco do Cine Teatro Oeiras, no dia 11 de junho. A apresentação terá um formato mais intimista, com os dois artistas interagindo no palco durante toda a apresentação, que tem no repertório sambas consagrados.

De Oeiras, o show segue para Corrente, Bom Jesus e Teresina.

O projeto Seis e Meia é uma realização do Governo do Estado, através da Secretaria de Estado da Cultura. Em Oeiras, a iniciativa conta com apoio da Prefeitura, através da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo.

Arthur Espíndola

 

Compositor, intérprete, multi-instrumentista e produtor, Arthur Espíndola, faz parte da nova geração de artistas paraenses que vem há algum tempo conquistando seu espaço na cena musical brasileira. Dono de um talento e sensibilidade musical, Arthur transborda carisma e personalidade em suas apresentações, cada vez mais procuradas e aplaudidas pelo público.

Arthur Espíndola dialoga com o samba e a música amazônica, promovendo o encontro rítmico do samba com pitadas de carimbó, lundu, síria, samba de cacete, guitarrada, merengue, marabaixo, boi bumbá e outros ritmos regionais.

Essa mistura inusitada de ritmos se dá em grande parte pela fusão de instrumentos como o curimbó, banjo regional, barrica, caixa de marabaixo e a maraca, unidos ao instrumental tradicional de samba, como cavaquinho, pandeiro, surdo, tamborim, que traz uma forma bastante particular de fazer samba que alguns importantes jornalistas especializados em música chegaram a chamar de “Samba Amazônico”.

Dudu Nobre

 

Dudu Nobre dispensa apresentações. Sambista de raiz, ele foi apadrinhado por grandes nomes do samba – tocou com Guineto, Dicró, Pedrinho da Flor e Zeca Pagodinho, que acabou sendo fundamental para consagrar o garoto como um dos mais bem dotados versadores da praça. É da lavra de Dudu, por exemplo, clássicos na voz de Pagodinho como “Posso até me apaixonar”, “Água da Minha Sede”, “Vou botar teu nome na macumba”, este em parceria com Zeca.

Dudu iniciou-se na carreira fonográfica com Dudu Nobre (1999), um discaço de estreia, com maravilhas como “Feliz da Vida”, em parceria com Nei Lopes, “São José de Madureira” (Beto Sem Braço e Zeca Pagodinho), “Quebro, Não Envergo” (Dudu), Reverendo Blá Blá (Luiz Grande – Barbeirinho do Jacarezinho – Marcos Diniz) e “No Mexe Mexe, No Bole, Bole”, entre outras.

Em 2001, foi a vez de Moleque Dudu, com a regravação “A Grande Família” (Dito e Tom), que serve até hoje de música tema do seriado da TV Globo, “Bom pra nós dois, enfim” (parceria com Zeca), “Pro amor render” (com Roque Ferreira) “O meu amor quer sambar” (com Arlindo Cruz). Regravou “Goiabada Cascão”, velho partido de Wilson Moreira e Nei Lopes, sucesso na voz da madrinha Beth Carvalho lá nos idos de 80. A música entrou como bônus no CD e acabou voltando ao topo das paradas com a boa interpretação de Dudu, que não nasceu no berço, mas no trono esplêndido do samba.

 

 

O conteúdo divulgado aqui neste espaço através de fotos, textos, vídeos e/ou opiniões são de inteira responsabilidade de seus autores. O conteúdo divulgado não expressa e não mantém nenhuma relação com a linha editorial e a visão do PortalR10.
R10 no Facebook:
imprimir
Veja também
Revista ADV
Últimas
Mais lidas da semana
TV R10
Municípios
© Copyright 2018 - Portal R10 - Todos os direitos reservados
TV R10 Municípios Colunas Anuncie Fale conosco
Site desenvolvido pela Lenium