Domingo, 01 de Agosto de 2021
86 9 9821-9621

Redação

Whatsapp / Sugestôes

(86) 99821-9621

Cristina

Publicidade

(86) 98195-0154

33°

22° 35°

Teresina - PI

Últimas notícias
R10 municípios
R10 municípios Redação do Portal R10 / Equipe R10 Municípios
Cidades História Marcante
26/06/2018 04h56
Por: Diogo Costa

Emília da Paixão Costa, a popular 'Bizinha' deixa história marcante em Amarante; veja!

EMÍLIA DA PAIXÃO COSTA, a popular BIZINHA, nasceu em 22-05-1929, cidade de Regeneração (PI) e há mais de 60 anos residia em Amarante onde recebeu o título de cidadã amarantina. Faleceu em 10-03-2015 (Teresina). Sepultada no Cemitério de São Gonçalo (Amarante). Era tetraneta materno de Jozé da Costa Veloso que foi detentor da Carta de Data e Sesmaria das terras da então Vila de São Gonçalo de Amarante e Freguesia do Porto. Escritora, poeta e historiadora de primeira categoria; acadêmica da Academia de Letras do Médio Parnaíba. Portadora de um riquíssimo acervo cultural. Gostava de estender a mão amiga. Solidária, generosa e sempre presente nos grandes acontecimentos que envolvem Amarante. Convidada especial para palestras, seminários e outros encontros cultuais e educacionais. Era uma apaixonada pela história popular e intelectual do povo amarantino. Escritora renomada no Piauí e estava prestes a lançar seu novo livro; vereadora e prefeita de Amarante (1977 a 1983). Bateu recorde em trabalho. Criou a Banda Nova Euterpe Amarantina, Os Geniais (Carlos Gomes) e Os Naturais; instituiu os símbolos municipais de Amarante e da Ordem do Mérito da Saudade; construiu o Jardim Velho Monge, o Largo da Saudade e várias ruas, avenidas e postos de Saúde.

Vale esclarecer que a memorável Bizinha tinha uma missão na terra: frequentar a todos os velórios ao seu alcance. Não se sabe ao certo: uns, atribuem promessa, outros, cumprimento de humanidade e dos mandamentos de Deus. Ela ficava muito sentida por não saber de gente falecida, não importava a distância do velório. Bizinha era prestativa nos momentos ruins de nossos semelhantes, especialmente na solidariedade com as famílias de enfermos e mortos. Ela não dava importância para quem lhe chama de Papa Defunto, “Veloreira” e “Difunteira”. O que se sabe também é que a inesquecível Bizinha era uma mulher corajosa. Recentemente, na sua residência (Amarante), ela matou várias cobras (Jararaca do rabo de osso), com seu próprio bastão.

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Continua depois da publicidade
Fonte: Luiz Alberto
Veja também
Desenvolvido por: Lenium®
Nosso grupo do WhatsAppWhatsApp