Quarta, 19 de Janeiro de 2022
86 9 98219621

Redação

Whatsapp / Sugestôes

(86) 99821-9621

Cristina

Publicidade

(86) 99800-8359

25°

22° 33°

Teresina - PI

Últimas notícias
Brasil Dados
25/07/2018 16h41 Atualizada há 3 anos
Por: Bruna Dias

Brasil terá mais idosos que crianças em 21 anos, diz IBGE

Dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) projetam que, a partir de 2039, o Brasil terá, em média, mais pessoas idosas (65 anos ou mais) do que crianças de até 14 anos. O estudo "Projeção de População", divulgado nesta quarta-feira (25), indica que o primeiro estado a atingir essa inversão será o Rio Grande do Sul. 

A projeção é feita com base no índice de envelhecimento da população, que é a relação entre os dois grupos etários. Atualmente, o indicador é de 43,2 pessoas com 65 anos ou mais para cada cem crianças de até 14 anos. Daqui a 21 anos, na média nacional, a estatística ultrapassaria cem. Ou seja teríamos mais de um idoso para cada criança brasileira.

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Em 2040, a relação entre os dois grupos alcançaria aproximadamente 104. A previsão do instituto é que haja um ritmo de elevação acelerado, chegando a 173 ao fim de 2060.

População começa a cair a partir de 2047 

A "Projeção de População" revela que o país tem, neste ano, 208.494.900 milhões de habitantes. Os pesquisadores calculam que o contingente continuará a crescer até 2047, quando deverá chegar a 233,2 milhões de pessoas. Nos anos seguintes, estima o IBGE, a população começará a cair de forma gradual, até os 228,3 milhões em 2060.

Daqui a 42 anos, de acordo com a projeção, um quarto dos brasileiros (25,5%) deverá ter mais de 65 anos --atualmente, os idosos representam pouco mais de 9% da população. Em 2060, o país teria 67,2% de cidadãos considerados dependentes (acima dos 65 ou abaixo dos 15 anos) para cada cem pessoas em idade de trabalhar. A razão de dependência hoje é de 44%. 

Expectativa de vida

Santa Catarina, que hoje tem a maior expectativa de vida ao nascer para ambos os sexos (79,7 anos), deverá manter a liderança, chegando aos 84,5 anos em 2060. 

No outro extremo, o Maranhão (71,1 anos) tem a menor esperança de vida ao nascer em 2018, condição que deverá ser ocupada pelo Piauí em 2060 (77 anos). Já em relação ao país, a expectativa de vida atual é de 76,2 anos na média entre homens e mulheres e poderá chegar a 81 anos em 2060. 

O estudo indica que as mulheres continuarão vivendo mais do que os homens. O indicador feminino, atualmente em 79,8 anos, chegaria a 84,2 anos; já o sexo oposto passaria de 72,7, em 2018, para 77,9, em 2060.

Fonte: UOL
Veja também
Desenvolvido por: Lenium®
Nosso grupo do WhatsAppWhatsApp