Domingo, 16 de dezembro de 2018
(86) 99915-1055
Desk Propaganda
Política - Candidato

Postada em 22/08/2018 ás 11h03

Publicada por: Gustavo Miranda

STF julgará denúncia de racismo contra Bolsonaro
Os cinco ministros da Turma vão decidir se o parlamentar se torna réu ou não pelas acusações.
STF julgará denúncia de racismo contra Bolsonaro

Foto: Reuters / Adriano Machado

A Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) deve julgar no próximo dia 4 de setembro se aceita ou não denúncia por racismo contra o candidato à Presidência da República pelo PSL, deputado Jair Bolsonaro. O ministro Marco Aurélio Mello, que é relator do caso na Corte, liberou anteontem a denúncia para julgamento.

Os cinco ministros da Turma vão decidir se o parlamentar se torna réu ou não pelas acusações de ofensas praticadas contra quilombolas, indígenas, refugiados, mulheres e LGBTs. Além de Marco Aurélio, integram a Turma os ministros Alexandre de Moraes (presidente), Luiz Fux, Rosa Weber e Luís Roberto Barroso.

De acordo com denúncia apresentada em abril pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge, em uma palestra no Clube Hebraica do Rio de Janeiro, em 2017, o deputado federal, em pouco mais de uma hora de discurso, "usou expressões de cunho discriminatório, incitando o ódio e atingindo diretamente vários grupos sociais".

Na denúncia, Raquel avalia a conduta de Bolsonaro como ilícita, inaceitável e severamente reprovável. "A conduta do denunciado atingiu bem jurídico constitucionalmente protegido e que transcende a violação dos direitos constitucionais específicos dos grupos diretamente atingidos com suas manifestações de incitação ao ódio e à discriminação para revelar violação a interesse difuso de toda sociedade, constitucionalmente protegido", escreveu a procuradora.

Se Bolsonaro virar réu e no julgamento for condenado, ele poderá ter pena de reclusão de 1 a 3 anos. Não há prazo para um eventual julgamento do caso. Se a Primeira Turma entender que a denúncia não deve ser aceita, o caso pode ser arquivado.

Raquel pede ainda o pagamento mínimo de R$ 400 mil por danos morais coletivos. Em outubro de 2017, a juíza Frana Elizabeth Mendes, do Rio, condenou o deputado em ação civil pública ao pagamento de indenização no valor de R$ 50 mil por danos morais coletivos a comunidades quilombolas e à população negra.

Procurada, a assessoria de Bolsonaro não respondeu até a conclusão desta edição. Ao STF, a defesa do parlamentar afirmou que a denúncia é genérica e negou que no discurso tenha havido estímulo a práticas delituosas.

Em abril, após a denúncia da PGR, a assessoria informou que Bolsonaro considerava "lamentável assistir a ataques infundados, cujo objetivo precípuo é o de gerar notícias sensacionalistas, a fim de denegrir a imagem" do parlamentar. Segundo a nota, a assessoria dizia "que, mais uma vez, a PGR se presta a papel de viés político, não condizente com a sua função constitucional". "Como parlamentar, ele tem o direito, e o dever, de debater temas polêmicos que afligem o povo brasileiro e seu eleitorado."

Fonte: Estadão

R10 no Facebook:
imprimir
Veja também
TV R10

»

Revista ADV

»

São João da Serra Por Cosme Jales

Club Recanto dos Amigos vai realizar tradicional festa do churrasco

Campo Largo-PI Por Roberto Freitas

Entronização de novos coroinhas na paróquia de São José em Campo Largo-PI

São João do Arraial-PI Por Leônidas Silva

Veja fotos da colação de grau dos Doutores do ABC em São João do Arraial

São Gonçalo do Piauí Por Francisco Myller

Campeonato Municipal de Futebol de São Gonçalo iniciou nesse sábado

Valença Por Raul Soares

SEMAS realizou confraternização de Natal e Fim de Ano no CCI para os Idosos

Mais lidas da semana

»

Municípios
© Copyright 2018 - Portal R10 - Todos os direitos reservados
R10 TV Municípios Colunas Anuncie Fale conosco
Site desenvolvido pela Lenium