Sexta, 14 de Junho de 2024
Portal R10
Sexta, 14 de Junho de 2024
86 9 98219621

Redação

Whatsapp / Sugestôes

(86) 99821-9621

Cristina

Publicidade

(86) 99911-2276

Marcelo Barradas

Expansão

(86) 99446-2372

Últimas notícias
Curiosidades
Curiosidades
Coluna de notícias curiosas.
Geral Geral
28/05/2024 09h31
Por: Bruna Dias

Mosca-do-caixão: espécie cava até 2 metros para se reproduzir em cadáveres humanos

A morte, apesar de ser um tema tabu e gerar inquietação em muitas pessoas, é um fenômeno natural que atinge toda e qualquer espécie da Terra, sem distinção. Contudo, há certos seres que se aproveitam do falecimento para desenvolver sua própria espécie. Esse é o caso das Conicera tibialis, mais conhecidas pelo perturbador nome de moscas-do-caixão. 

Esses pequenos insetos têm um papel fundamental na decomposição de cadáveres enterrados, um processo fascinante que combina ciência, natureza e um pouco de realidade macabra.

Foto: iStock
Foto: iStock

As moscas-do-caixão são verdadeiras especialistas em localizar e alcançar corpos enterrados. As fêmeas desta espécie possuem a incrível capacidade de cavar até dois metros de profundidade para depositar seus ovos em cadáveres. 

À primeira vista, este número pode parecer insignificante, porém, uma análise mais atenta revela que para nós, seres humanos, seria o equivalente a escavarmos uma profundidade de três quilômetros.

Para a espécie, essa façanha garante que seus ovos sejam depositados em um ambiente seguro e cheio de nutrientes: o tecido em decomposição dos cadáveres.

Invasoras de corpos

Os primeiros registros sobre a capacidade das moscas-do-caixão de se reproduzirem em cadáveres enterrados datam de muitos anos. Em 1954, por exemplo, observações feitas num jardim revelaram a existência de um intenso acasalamento dessas moscas, justamente onde um cachorro havia sido enterrado 18 meses antes. 

Essa observação foi um dos primeiros grandes insights sobre a vida subterrânea dessas moscas, que podem completar várias gerações sem emergir à superfície.

O ciclo de vida das Conicera tibialis é um exemplo impressionante de adaptação e sobrevivência. As fêmeas depositam seus ovos em cadáveres, e as larvas que eclodem se alimentam do tecido em decomposição, preferindo o tecido magro. Essa seletividade é uma característica interessante, já que outros insetos necrófagos, como certas espécies de besouros, preferem tecido adiposo. 

Uma vez completada a fase larval, as moscas adultas emergem, subindo pelo solo até a superfície, prontos para acasalar e repetir o ciclo.

Um caso notável foi registrado em um estudo de 2011, onde um cadáver humano enterrado há 18 anos na Espanha foi exumado e encontrado infestado de moscas-do-caixão. Essa descoberta mostra que essas moscas podem colonizar cadáveres muito tempo após o enterro. 

Pistas importantes

A habilidade dessas moscas em localizar e utilizar cadáveres humanos não é apenas um fenômeno macabro, mas também tem aplicações práticas na entomologia forense. Os ciclos de vida dos insetos, incluindo a Conicera tibialis, são usados para estimar o tempo de morte, ajudando em investigações criminais. 

A presença dessas moscas em cadáveres antigos pode levantar questões sobre o intervalo de tempo post-mortem, oferecendo pistas valiosas para os investigadores.

Embora a ideia de virarmos alimento para larvas de mosca possa parecer desagradável, é importante reconhecer o papel vital que esses insetos desempenham na decomposição e reciclagem da matéria orgânica. Sem eles, os corpos demorariam muito mais para se decompor, interrompendo o ciclo natural da vida.

 
Fonte: Mega Curioso
Veja também
Desenvolvido por: Lenium®
Nosso grupo do WhatsAppWhatsApp