Terça, 16 de julho de 2019
(86) 99915-1055
Receba notícias pelo WhatsApp WhatsApp
Polo Sustentavel Posição 1
Brasil - Incêndio

Postada em 03/09/2018 ás 11h12 - atualizada em 03/09/2018 ás 20h02

Publicada por: Gustavo Miranda

Fóssil mais antigo do Brasil era guardado no Museu Nacional
O Museu foi consumido pelas chamas nesse domingo (03) e grande parte do acervo foi perdida.
Fóssil mais antigo do Brasil era guardado no Museu Nacional

Foto: Reprodução/TV Globo

Uma das maiores referências em Minas Gerais em paleontologia, Cástor Cartelle, 80 anos, se emocionou ao ver as chamas que consumiam o Museu Nacional no Rio de Janeiro. Ele disse não ter qualquer esperança sobre a preservação do acervo.

O prédio, na Quinta da Boa Vista, abriga cerca de 20 milhões de itens, dentre eles o fóssil de Luzia, descoberto em Minas Gerais e considerado o mais antigo encontrado nas Américas. “As cinzas da ciência”, definiu.

Cartelle é curador da coleção de Paleontologia do Museu de Ciências Naturais da PUC Minas e tem forte relação com o Museu Nacional. Nascido na Espanha, ele veio para o Brasil em 1957 e estudou no prédio, sobre o qual diz conhecer cada canto.

Na década de 70, o fóssil humano foi encontrado na cidade de Pedro Leopoldo, na gruta Lapa Vermelha, localizada na região arqueológica de Lagoa Santa, pela francesa Annette Laming-Emperaire. Luzia é considerada por pesquisadores como o mais antigo fóssil humano já achado nas Américas, com cerca de 11.500 anos.

Segundo o estudioso, em Minas Gerais, há uma réplica em 3 D de Luzia, a qual foi entregue pela curadoria do Museu Nacional à Prefeitura de Pedro Leopoldo há cerca de dois meses. Ele também havia pleiteado uma cópia para uma exposição sobre evolução que está sendo preparada na PUC Minas, mas não chegou a recebê-la.

Cartelle classificou o incêndio como uma “tragédia anunciada” por causa da necessidade de manutenções no imóvel. Segundo ele, o teto e o piso de madeira favoreceram a propagação das chamas. “É pólvora, vai estourar tudo”, disse, temendo a possibilidade de desabamento.

O arqueólogo André Strauss, professor do Museu de Arqueologia e Etnologia na Universidade de São Paulo (USP), falou sobre a importância do fóssil e de todo o acervo do Museu Nacional.

“Um dos esqueletos considerado como mais antigo da América. A última vez que tive que estudar o crânio, há cerca de quatro anos, estava muito bem guardado em um case especial”, disse. Segundo ele, uma réplica ficava para exposição e o original na reserva técnica.

 

Fonte: G1

R10 no Facebook:
imprimir
Veja também
TV R10

»

Jornal Portal R10

»

Colônia do Gurgueia Por Geney Ribeiro

Prefeita Doquinha em reunião com Governador Wellington Dias e lideres do PT

Assunção do Piauí Por Valter Lima

PSD municipal reúne lideranças para filiações e estratégia na política 2020

Esperantina-PI Por Francisco Menezes

Presidente Themístocles entrega computadores de doação da Assembleia ao HGV

Olho D'água do Piauí Por Jô Mendes

Procissão, missa e show em praça encerram o festejo de Olho D'água

Oeiras Por Thainah Cortez

Prefeito inaugura praça e anuncia novas obras no Bairro Várzea em Oeiras

Mais lidas da semana

»

Municípios
© Copyright 2019 - Portal R10 - Todos os direitos reservados
R10 TV Municípios Colunas Anuncie Fale conosco
Site desenvolvido pela Lenium