Segunda, 18 de fevereiro de 2019
(86) 99915-1055
Desk Propaganda
Brasil - Levantamento

Postada em 03/10/2018 ás 08h23

Publicada por: Gustavo Miranda

Brasileiros investem no próprio negócio para fugir do desemprego
As micro e pequenas empresas são responsáveis por cerca de 54% dos empregos formais no país.
Brasileiros investem no próprio negócio para fugir do desemprego

Foto: Divulgação/Uol Economia

Em tempos de crise econômica e alto número de desempregados cerca de 12,7 milhões de trabalhadores abrir o próprio negócio tem sido o caminho de muitos brasileiros. Segundo dados do Sebrae, 48 milhões pessoas entre 18 e 64 anos têm um negócio próprio ou estão envolvidos na criação de um. Desse total, 51,5% são mulheres. As micro e pequenas empresas são responsáveis por cerca de 54% dos empregos formais no país e por 44% da massa salarial, conforme levantamento do Sebrae.

O número de microempreenderores individuais (MEI) vem crescendo, desde o lançamento desta categoria em 2009. Em 2013, atingiu 3,6 milhões, superando o total tanto de micro como de pequenas empresas. No ano passado os MEIs chegaram a 7,7 milhões. A projeção é que em 2022 sejam 11,7 milhões, embora no início deste ano tenham sido cancelados 1 milhão de inscrições de MEIs inadimplentes.

Após 20 anos de dedicação à carreira de gestora de negócios, construída em grandes instituições, a pernambucana Nelly Cardozzo se viu desempregada e com sérias dificuldades de recolocação em um mercado cada vez mais competitivo. Separou a verba da rescisão contratual em duas partes: uma para as despesas correntes e outra para garantir a educação dos três filhos.

Os meses de desemprego foram passando e o dinheiro encurtando, até que uma colega de faculdade convidou Nelly para abrir um café, plano que as duas haviam construído nas salas do curso de Administração de Empresas. “Naquele momento, minhas economias eram R$ 50, sem contar o dinheiro para a educação dos meus filhos, que era sagrado”, lembrou.

Nelly disse à amiga que não tinha recursos para investir no negócio. A proposta da colega foi contratá-la para administrar as finanças do café. Nelly foi buscar orientação profissional. Na agência do Sebrae, o que chamou a atenção não foi o plano de abrir mais um café no Recife, mas as pulseiras de macramê que enfeitavam seus braços.

Segundo Nelly, o consultor perguntou onde ela havia comprado as pulseiras que usava. As bijuterias eram obras de Nelly, a pedido da filha Daniella Rafael. A sugestão do consultor foi que Nelly usasse os R$ 50 para produzir mais pulseiras. Em um mês ela voltou com cerca de 100 unidades em uma caixa que guarda até hoje como um amuleto. “Eu falei para ele que tinha feito 100 pulseiras, mas minha filha tinha vendido algumas na escola. Ele respondeu que esse era o caminho”, relatou a artesã.

Fonte: Agência Brasil

R10 no Facebook:
imprimir
Veja também
TV R10

»

Revista ADV

»

Landri Sales-PI Por Gustavo Rodrigues

Prefeitura de Landri Sales reforma chafariz do Bairro São Francisco

Campo Largo-PI Por Roberto Freitas

ATENÇÃO! | Está Chegando a Jornada Pedagógica 2019 em Campo Largo-PI

São Gonçalo do Piauí Por Francisco Myller

Nathan Sousa é eleito Diretor de Comunicação e Marketing da ACAPP

Amarante-PI Por Diogo Costa

Prefeitura de Amarante realizou o maior Zé Pereira de todos os tempos

Blog do Lucão (Timon e Região dos Cocais) Por Lucas Stefano

Alegria e segurança marcam primeira noite do Zé Pereira de Timon

Mais lidas da semana

»

Municípios
© Copyright 2019 - Portal R10 - Todos os direitos reservados
R10 TV Municípios Colunas Anuncie Fale conosco
Site desenvolvido pela Lenium