Segunda, 27 de janeiro de 2020
86 9 9834-2372
Receba notícias pelo WhatsApp WhatsApp
Política - Reajuste

Postada em 08/11/2018 ás 07h45 - atualizada em 08/11/2018 ás 11h16

Publicada por: Gustavo Henrique

Senado contraria presidente eleito e aumenta salário do Judiciário
Os projetos já tinham sido aprovados na Câmara em 2016.
Senado contraria presidente eleito e aumenta salário do Judiciário

Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

O Senado aprovou, no início da noite dessa quarta-feira (7), um reajuste de 16% nos salários dos ministros do Supremo Tribunal Federal e da procuradora-geral da República.

Os projetos já tinham sido aprovados na Câmara em 2016, reajustando os salários dos ministros do Supremo Tribunal Federal e da procuradora-geral da República para R$ 39,2 mil. Desde então, estavam parados no Senado e foram aprovados nesta quarta. Mais cedo, o presidente eleito, Jair Bolsonaro, chegou a fazer um apelo para que os projetos não fossem aprovados.

“Obviamente que não é o momento. Estamos terminando o ano com déficit, vamos começar com outro déficit. Quando se fala em reforma da Previdência, sempre exige sacrifício. Por mais que alguns digam o contrário. Mas todos têm que colaborar para que o Brasil saia dessa crise. E o Poder Judiciário, no meu entender, num gesto de grandeza, com toda certeza não fará tanta pressão assim por esse aumento de despesas agora, no meu entender”, afirmou.

O apelo não adiantou, e o aumento não vale apenas para os salários dos ministros do Supremo e da procuradora-geral da República, já que quando o salário deles aumenta, sobem também os salários dos magistrados federais do país e dos integrantes do Ministério Público. Além disso, tem o chamado efeito cascata, já que os salários dos ministros do Supremo valem como teto para os salários de todo o funcionalismo público nas esferas federal, estadual e municipal.

O reajuste também abre brecha para os próprios parlamentares possam reajustar seus salários, além dos vencimentos do presidente da República e de ministros de estado. Técnicos da Comissão de Orçamento do Congresso calculam que o impacto desse aumento, apenas no ano que vem, pode chegar a cerca de R$ 4 bilhões para os cofres públicos.

O presidente do Supremo, ministro Dias Toffoli, deve entregar relatório para a equipe de transição do presidente eleito, Jair Bolsonaro, com dados sobre o reajuste. A ideia é tentar vencer resistências, já que todo impacto desse reajuste será no ano que vem, já no governo de Jair Bolsonaro. Toffoli pretende, também, tentar acelerar o julgamento sobre a legalidade do auxílio-moradia para magistrados, já que o fim desse benefício compensaria o impacto do reajuste.

Os projetos seguem agora para a sanção do presidente Michel Temer.

Fonte: G1

R10 no Facebook:
imprimir
Veja também
TV R10

»

Jornal Portal R10

»

Simplício Mendes Por Renato Pereira da Silva

Simplício Mendes | SMS e CAPS realizam ações em alusão ao 'Janeiro Branco'

Oeiras Por Thainah Cortez

Zé Raimundo destaca avanços do município de Oeiras durante solenidades

Alto Longá Por R. Bezerra

Equipe da TV Clube visita pontos turístico de Alto Longá

Pau D'arco Por Carlos Eugênio

Prefeito de Pau D'arco do PI aguarda indicação de emendas parlamentares

Monsenhor Gil Por Alberto Junior

Prefeitura de Monsenhor Gil adquire aparelhagens novas para Hospital

Mais lidas da semana

»

Municípios
© Copyright 2020 - Portal R10 - Todos os direitos reservados
R10 TV Municípios Colunas Anuncie Fale conosco
Site desenvolvido pela Lenium