Terça, 11 de dezembro de 2018
(86) 99915-1055
Desk Propaganda
Brasil - Paralisação

Postada em 27/11/2018 ás 09h08 - atualizada em 27/11/2018 ás 17h15

Publicada por: Bruna Dias

Caminhoneiros já articulam nova greve por tabela de frete
O motivo é a insatisfação com a falta de fiscalização contra empresas que descumprem a tabela.
Caminhoneiros já articulam nova greve por tabela de frete

Foto: Reprodução-Metro Jornal

Caminhoneiros podem fazer uma nova paralisação a qualquer momento. O assunto vem sendo discutido por líderes da categoria há algum tempo. O motivo é a insatisfação com a falta de fiscalização contra empresas que descumprem a tabela do frete mínimo.

A tabela do preço mínimo do frete foi aprovada pela gestão Michel Temer para encerrar a greve da categoria, que parou o país por onze dias em maio deste ano. Apesar de o governo ter cedido nessa questão, várias entidades de representação da agricultura e indústria reagiram contra o tabelamento e foram ao Supremo Tribunal Federal (STF) para pedir a inconstitucionalidade da medida.

Ivar Luiz Schmidt, representante do Comando Nacional do Transporte, diz que o governo não está cumprindo a promessa. “Estão todos [os caminhoneiros] revoltados. A questão do piso mínimo foi só uma jogada para parar a greve. Ninguém está cumprindo, e o governo não fiscaliza e tampouco multa”, afirma ele.

Segundo Schmidt, não existe uma data marcada para a nova paralisação. “Penso que o governo tem opções que podem ser utilizadas para evitar isso. Não existe data. Pode acontecer a qualquer momento e em qualquer lugar.”

O representante da categoria afirma que existem leis que protegem os caminhoneiros, mas que nunca foram cumpridas – ele cita o caso da lei que prevê a jornada máxima de trabalho dos caminhoneiros. “Nenhuma outra solução será tão eficaz e definitiva quanto essa. A lei já existe, já está sancionada e publicada. Basta o governo fazer cumprir.”

Pela lei, a jornada dos motoristas profissionais é de oito horas diárias, sendo permitidas até duas horas extras. Em caso de medida acertada em convenção ou acordo coletivo, o total de horas extras pode subir para quatro por dia.

“Hoje, todos trabalham em média dezesseis horas diárias. Alguns rodam três ou quatro dias seguidos sem dormir, pois acham que a solução da baixa rentabilidade é trabalhar mais. Daí que ocorrem os acidentes. Imagina como está no final do dia um profissional que trabalhou dezesseis horas?”, questiona Schmidt.

Fonte: Veja

R10 no Facebook:
imprimir
Veja também
TV R10

»

Revista ADV

»

Colônia do Gurgueia Por Geney Ribeiro

Audiência pública para apresentação de relatório fiscal de gestão

Simplício Mendes Por Francisvaldo da Silva Rocha

É APROVADO PROJETO DE INCENTIVO ÃOS ACS E ACE.

Água Branca-PI Por Lenno Oliveira

Evento nacional sobre os 25 anos da Lei Orgânica da Assistência Social

Matias Olímpio-PI Por Ilson Filho

Criança morre eletrocutado na zona rural de Matias Olímpio

Floriano Por Ilizianny de Carvalho

Joel assina contratos para as obras da Beira-Rio e mais calçamentos

Mais lidas da semana

»

Municípios
© Copyright 2018 - Portal R10 - Todos os direitos reservados
R10 TV Municípios Colunas Anuncie Fale conosco
Site desenvolvido pela Lenium