Sexta, 19 de julho de 2019
(86) 99915-1055
Receba notícias pelo WhatsApp WhatsApp
Inovance super banner
Brasil - Descoberta

Postada em 06/12/2018 ás 09h44 - atualizada em 06/12/2018 ás 10h50

Publicada por: Laurivânia Fernandes

Arqueólogos encontram ossadas da época da escravidão
As ossadas que pertenciam ao Cemitério dos Aflitos, em São Paulo.
Arqueólogos encontram ossadas da época da escravidão

Foto: Marcelo Brandt/G1

Um grupo de arqueólogos identificou resquícios do Cemitério dos Aflitos, o primeiro cemitério público da cidade de São Paulo, no bairro da Liberdade, sob os escombros de um edifício. De acordo com os pesquisadores, ao menos sete esqueletos da época da escravidão no Brasil, enterrados no período de 1775 a 1858, foram localizados entre outubro e dezembro de 2018.

A área localizada entre as ruas Galvão Bueno e dos Aflitos, atrás da Capela de Nossa Senhora dos Aflitos, é uma propriedade particular e até o início deste ano abrigava um prédio. A proprietária do espaço decidiu demolir o edifício por causa de problemas estruturais e construir um novo empreendimento comercial no local.

Esta é uma obra particular, mas por estar no entorno da capela, que é um bem tombado, está sob a regulamentação dos órgãos de preservação do patrimônio histórico e cultural”, explica Lúcia Juliani, diretora da empresa A Lasca, contratada pela proprietária do terreno para a consultoria arqueológica. "Por isso, antes de dar seguimento às obras, as instituições recomendaram uma pesquisa arqueológica para saber se havia evidências do antigo cemitério que historicamente sabia-se que existia aqui."

Três arqueólogos especialistas em sítios do tipo funerário identificaram sete esqueletos entre outubro e o início de dezembro deste ano na área de 400 m², cerca de um metro abaixo do nível da rua.

O último esqueleto foi encontrado na segunda-feira (3), então, de acordo com os pesquisadores, ainda não é possível identificar a origem dos indivíduos, a idade, a causa da morte, nem o sexo, mas significam a prova material do que estava documentado e com detalhes que não foram registrados.

“Os esqueletos não foram enterrados com pertences e pelo menos um deles usava um colar com contas de vidro, o que indica o pertencimento a alguma religião de matriz africana. Assim, no mínimo, a descoberta comprova que o primeiro cemitério de São Paulo era destinado às populações marginalizadas socialmente, aos escravizados, aos presos, aos pobres, às pessoas com doenças contagiosas, aos condenados à forca e àqueles que não possuíam família”, explica Sônia Cunha, arqueóloga coordenadora da pesquisa em campo.

A arqueóloga afirma que a identificação do sítio arqueológico na Liberdade ajuda a remontar a história de São Paulo, acrescentando informações aos documentos históricos, confirmando ou desmentindo-as.

"Esta identificação já ampliou o conhecimento que se tinha, pois acreditava-se que os restos mortais haviam sido transferidos para o Cemitério da Consolação, a segunda necrópole pública de São Paulo, e pudemos ver como era o procedimento – um dos esqueletos foi enterrado em cúbito lateral, como se dormisse de lado, com as mãos fechadas sob a cabeça. Isso denota um certo cuidado de quem o posicionou aqui”, diz Cunha.

Foto: Foto: Marcelo Brandt/G1

Fonte: G1

R10 no Facebook:
imprimir
Veja também
TV R10

»

Jornal Portal R10

»

Piracuruca Por Valdecir Lima & Larícia Castro

Culto marca posse do novo pastor da Igreja Mundial do Poder de Deus em Pira

São João do Arraial-PI Por Leônidas Silva

Promoções de aniversário do Armazém Paraíba de São João do Arraial

Demerval Lobão - PI Por Katia Cruz

Prova eliminatória da eleição para Conselheiro Tutelar acontece domingo

Oeiras Por Thainah Cortez

Prefeito de Oeiras viaja ao exterior e presidente da Câmara assume

São José do Piauí Por Renê Ferreira

Rondonistas visitam comunidade rural em São José

Mais lidas da semana

»

Municípios
© Copyright 2019 - Portal R10 - Todos os direitos reservados
R10 TV Municípios Colunas Anuncie Fale conosco
Site desenvolvido pela Lenium