Domingo, 21 de julho de 2019
(86) 99915-1055
Receba notícias pelo WhatsApp WhatsApp
Brasil - Decisão

Postada em 06/12/2018 ás 15h44 - atualizada em 06/12/2018 ás 15h55

Publicada por: Bruna Sampaio

TCU veta uso de dívidas da União para pagar salários de professores
Valores devem ser aplicados na manutenção e desenvolvimento do ensino.
TCU veta uso de dívidas da União para pagar salários de professores

Foto: André Dusek|Estadão

O Tribunal de Contas da União (TCU) decidiu nessa quarta-feira, 5, que as verbas que a União deve a Estados por ter deixado de completar recursos do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério (Fundef) — que podem chegar a R$ 95 bilhões — não podem ser utilizadas para pagamento de salários, dívidas trabalhistas ou bônus a professores ou servidores públicos.

O Fundef é o antecessor do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb). O período em que a União deixou de complementar os valores foi entre 1998 e 2006. O direito de os Estados receberem a verba do governo foi reconhecido em diversas decisões do Supremo Tribunal Federal (STF). O governo ainda tenta reversão em um recurso na Suprema Corte, em um processo paralelo ao que corre no TCU.

A Corte de Contas já havia suspendido em julho a possibilidade de pagamento a professores sob a argumentação de que, como a verba é indenizatória e extraordinária, não deveria haver uma vinculação de 60% do Fundeb que é prevista normalmente, para remuneração regular, a profissionais da educação. No julgamento de mérito nesta quarta-feira, 5, reafirmou o entendimento e frisou que os valores devem ser aplicados no na manutenção e desenvolvimento do ensino (MDE), em investimento na educação básica pública.

Essa limitação só diz respeito aos recursos do passado. Os valores novos que atualmente seguem ingressando no Fundeb continuam com a previsão de utilização de 60% para pagamento de professores. 

O julgamento manteve também a proibição de que os valores do Fundef sejam utilizados para pagamento de honorários advocatícios, o que já foi considerado inconstitucional em outro processo analisado pelo tribunal. Os diferentes processos dentro do TCU foram abertos diante de indícios de irregularidades na aplicação dos recursos — o que não foi discutido no julgamento do dia.

O TCU decidiu também recomendar aos Estados beneficiários dos precatórios do Fundef elaborem plano de aplicação dos recursos compatível com as diretrizes definidas pelo tribunal, com o Plano Nacional de Educação, com os objetivos básicos das instituições educacionais e com os respectivos planos estaduais e municiais de educação, especificando os valores envolvido nas ações que vierem a ser realizadas.

Em seu posicionamento, o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), que gere os recursos regulares do Fundeb, discordou do veto ao uso dos valores dos precatórios (pagamentos devidos pela União após condenação definitiva da Justiça) para pagamento de remuneração de professores, mas concordou com as outras restrições.

Um dos precedentes que o TCU levou em conta foi que o Supremo negou, recentemente, em decisão liminar (provisória) do ministro Luís Roberto Barroso, um pedido de um sindicato para que os precatórios fossem utilizado ao pagamento de professores.

Fonte: Estadão

R10 no Facebook:
imprimir
Veja também
TV R10

»

Jornal Portal R10

»

Conceição do Canindé-PI Por Roni Silva

Festa dos vaqueiros Conceição do Canindé

Campo Largo-PI Por Roberto Freitas

Festa de aniversário da debutante Yohhanna Vitória em Campo Largo-PI

Assunção do Piauí Por Valter Lima

Prefeito emite Nota de Pesar pela morte do ex-vereador Elias Rodrigues

Colônia do Gurgueia Por Geney Ribeiro

Carlos André e Tatyele o casamento do ano em Colônia do Gurgueia

São João do Arraial-PI Por Leônidas Silva

Dona Junina conquista o título de Campeã do III Festival julino do Dnocs

Mais lidas da semana

»

Municípios
© Copyright 2019 - Portal R10 - Todos os direitos reservados
R10 TV Municípios Colunas Anuncie Fale conosco
Site desenvolvido pela Lenium