Domingo, 19 de janeiro de 2020
86 9 9834-2372
Receba notícias pelo WhatsApp WhatsApp
Nova Comunicação 2 Natal
Esportes - Campeão

Postada em 10/12/2018 ás 09h22 - atualizada em 10/12/2018 ás 09h41

Publicada por: Laurivânia Fernandes

Com gols na prorrogação, River vence Boca e conquista a Libertadores
Santiago Bernabéu serviu de palco para a decisão, que teve virada e tempo extra.
Com gols na prorrogação, River vence Boca e conquista a Libertadores

Foto: Javier Soriano / AFP

Duas semanas depois de protagonizarem um fiasco com repercussão mundial, e desta vez bem longe de Buenos Aires, os rivais argentinos finalmente se enfrentaram. Em Madri, na Espanha - como determinou a Conmebol -, o River Plate venceu seu rival Boca Juniors  por 3 a 1 na prorrogação, com gols de Quintero e Pity Martínez, e conquistou sua quarta taça continental. No tempo normal, empate em 1 a 1, com gols de Benedetto e Pratto.

Desta vez, o ônibus do Boca Juniors chegou sem sobressaltos ao estádio. Bem diferente daquele 24 de novembro, quando torcedores do River Plate arremessaram pedras e garrafas contra a delegação rival e adiaram o jogo. Também pudera, ninguém se arriscaria a enfrentar a verdadeira operação de guerra montada pelo governo espanhol ao redor do Santiago Bernabéu.

Ao todo, foram 4 mil policiais (sendo mais da metade deles enviada da Argentina), espalhados em viaturas, tanques, helicópteros ou guiando cães farejadores pelas ruas. Outros agentes estavam posicionados com escudos e coletes à prova de balas entre os jogadores, no corredor de acesso ao gramado. Para os europeus, o cenário pode ter assustado, pois se tratava apenas de uma partida de futebol. Acontece que para nós, sul-americanos, tratava-se de um dos maiores clássicos, valendo a taça mais importante do continente. E lá estavam nossos representantes, como animais enjaulados em um circo, sendo expostos aos "civilizados europeus".

Para assistir a esta exótica final de Libertadores, atletas que já foram exportados há mais tempo para Europa compareceram para matar a saudade do futebol tipicamente argentino: Messi, do Barcelona e Dybala, da Juventus, por exemplo. O francês Griezmann, do Atlético de Madrid, vestindo camisa do Boca, também se fez presente em um dos camarotes para acompanhar o jogo.

Dentro de campo, um duelo completamente diferente do que o torcedor do Real Madrid se acostumou a ver: cheio de ligações diretas, disputado fisicamente e nervoso. Tanto que, aos nove, o placar quase foi aberto em favor do Boca quando o zagueiro Maidana tentou cortar cruzamento da direita e, de canela, por pouco não marcou contra. Os lances começavam a ficar violentos. Mais do que ganhar, ninguém queria perder. A bola parada ditava as chances de gol. Aos 29, após cobrança de falta que bateu na barreira, o capitão do Boca, Pablo Pérez, dominou sozinho dentro da área, mas viu seu chute desviar e sair para fora. Apesar de ter a posse, o River não conseguia transpor a marcação rival. Assim, levou um contra-ataque mortal aos 44 minutos. Lançado, o carrasco palmeirense Benedetto limpou a marcação e tocou na saída do goleiro Armani: 1 a 0, para a loucura dos torcedores do Boca presentes na capital espanhola.

O River voltou sedento após o intervalo. É verdade, se sobressaía muito mais na base da imposição física do que da técnica. Em um destes lances, o goleiro Andrada ficou caído na área após choque de cabeça. Mas, quando tocou a bola, chegou ao gol de empate de maneira espetacular. Aos 22, Lucas Pratto apenas concluiu para o fundo das redes uma troca envolvente de passes que deixou a defesa rival paralisada: 1 a 1. O Boca poderia ter matado a partida ainda nos 90 minutos, se Olaza não tivesse carimbado a barreira do River em cobrança de dois toques dentro da área.

Com a expulsão do volante Barrios logo no primeiro minuto de prorrogação, o Boca recuou e, aos poucos, viu o arquirrival tomar conta da partida. Após longa pressão, e com um jogador a mais, o River chegou ao gol do título com Quintero, acertando um belo chute no ângulo de Andrada: 2 a 1. Nem a entrada do experiente Tévez mudou o rumo da final mais inusitada da história da Libertadores. Pelo contrário, completamente exposto, o Boca ainda sofreu o terceiro gol em arrancada de Pity Martínez.

Fonte: Zero Hora

R10 no Facebook:
imprimir
Veja também
TV R10

»

Jornal Portal R10

»

Blog do Lucão (Timon e Região dos Cocais) Por Lucas Stefano

DIVA sagra-se Campeão da XVI 'Copa Timon 50'

Piracuruca Por Valdecir Lima & Larícia Castro

North Acqua Park Resort, o melhor lazer de Piracuruca

São João do Arraial-PI Por Leônidas Silva

Estudante de São João do Arraial tira 960 pontos na redação do Enem

Cabeceiras do Piauí Por Francisco Rocha

Alunos da U. E. Venância Lages Veloso são destaque na redação do Enem 2019

Francinópolis Por Odair Morais

Prefeitura de Francinópolis oferece serviços de emissão de RG

Mais lidas da semana

»

Municípios
© Copyright 2020 - Portal R10 - Todos os direitos reservados
R10 TV Municípios Colunas Anuncie Fale conosco
Site desenvolvido pela Lenium