Domingo, 23 de fevereiro de 2020
86 9 9834-2372
Receba notícias pelo WhatsApp WhatsApp
CCOM - Campanha Cachoeiras do Piauí
Política - Presidente

Postada em 31/12/2018 ás 09h23 - atualizada em 31/12/2018 ás 11h44

Publicada por: Gustavo Henrique

Michel Temer decide não conceder indulto de Natal
Esse foi o ponto considerado mais controverso e que motivou questionamento da PGR.
Michel Temer decide não conceder indulto de Natal

Foto: Jorge William / Agência O Globo

A dois dias de deixar o cargo, o presidente Michel Temer decidiu não editar o decreto que concede indulto de Natal para pessoas condenadas ou submetidas à medida de segurança.

Trata-se de uma mudança em relação ao que fora anunciado na última semana pelo ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun. Em café da manhã com jornalistas, ele disse que o texto sairia até a última sexta (28).

A decisão foi antecipada pela Folha de S.Paulo.

Com isso, Temer deixa a cargo do presidente eleito, Jair Bolsonaro, a possibilidade de editar um texto após tomar posse na terça-feira (1º). Eleito com discurso de combate à corrupção, Bolsonaro tem dado declarações de que é contrário ao benefício.

A edição do indulto natalino foi tema de uma série de idas e vindas em meio a questionamentos feitos no STF em relação à versão publicada em 2017 por Temer.

Na véspera de Natal, na segunda-feira (24), o Planalto havia informado que não seria editado texto este ano com perdão a criminosos.

Temer havia manifestado anteriormente que não concederia indulto natalino após o pedido de vista do ministro Luiz Fux, do STF, sobre a constitucionalidade da medida editada no ano passado.

Em 2017, o decreto perdoava condenados por corrupção que tivessem cumprido um quinto da pena até 25 de dezembro de 2017.

Esse foi o ponto considerado mais controverso e que motivou questionamento da PGR (Procuradoria-Geral da República).

Em dezembro do ano passado, durante o recesso do Judiciário, a então presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, atendeu ao pedido da Procuradoria e suspendeu os trechos contestados.

O STF não chegou a concluir a análise do tema, já que na sessão do mês passado Fux pediu vista e suspendeu o julgamento. Já havia maioria pela constitucionalidade da iniciativa do presidente.

Para a maioria dos magistrados, o indulto é uma prerrogativa constitucional do presidente da República e o Judiciário não pode interferir em seu conteúdo.

Nas redes sociais, Bolsonaro afirmou, na ocasião do julgamento pelo Supremo, que caso houvesse o perdão neste fim de ano, ele não seria repetido em seu mandato.

"Garanto a vocês, se houver indulto para criminosos neste ano, certamente será o último", escreveu o presidente eleito em novembro.

Fonte: Folha de S.Paulo

R10 no Facebook:
imprimir
Veja também
TV R10

»

Jornal Portal R10

»

Água Branca-PI Por Lenno Oliveira

Carnaval agita a cidade de Água Branca em seu primeiro dia

Barro Duro Por João Paulo

Primeira noite de carnaval em Barro Duro com muita alegria

Floriano Por Ilizianny de Carvalho

"Arrastão" agita 35 mil pessoas na 1ª noite de carnaval em Floriano

São João dos Patos - MA Por Cleyton Luis

Entrevista com Tio Jardel que fala do carnaval 2020

Lagoinha do Piauí Por Mysael Santana

Bloco “Os Gela” arrasta foliões e marca o Carnaval de Lagoinha do Piauí

Mais lidas da semana

»

Municípios
© Copyright 2020 - Portal R10 - Todos os direitos reservados
R10 TV Municípios Colunas Anuncie Fale conosco
Site desenvolvido pela Lenium