Sábado, 23 de março de 2019
(86) 99915-1055
Brasil - Brumadinho-MG

Postada em 26/01/2019 ás 08h11 - atualizada em 26/01/2019 ás 10h15

Publicada por: Laurivânia Fernandes

"Desta vez é uma tragédia humana", diz presidente da Vale
Até a atualização desta matéria, 9 pessoas foram encontradas mortas e 350 estão desaparecidos.

Foto: Washington Alves/Reuters

O presidente da Vale, Fabio Schvartsman, disse em entrevista coletiva nesta sexta-feira (25), no Rio de Janeiro, que a barragem que se rompeu em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, estava inativa e sem receber rejeitos há três anos. Segundo ele, laudos apontavam um risco baixo de desabamento. Schvartsman afirmou crer que o desastre ambiental é "possivelmente menor" que o do rompimento da barragem de Mariana, há três anos, mas a "tragédia humana" é maior.

O acidente foi no início da tarde desta sexta. Até a última atualização desta reportagem, havia 9 mortos e entre 300 e 350 desaparecidos.

Dados encaminhados pela Vale informam que havia 427 pessoas no local, e 279 foram resgatadas vivas. Antes, na entrevista, Schvartsman havia dito que "mais de 300 pessoas" trabalhavam na hora do acidente. O porta-voz do Corpo de Bombeiros disse que mais 182 pessoas, entre moradores e funcionários da Vale, foram resgatadas com vida na saída da mina.

“A maioria dos atingidos são nossos próprios funcionários. Nós tínhamos, no momento do acidente, aproximadamente 300 funcionários, próprios e de terceiros, trabalhando naquele local. Nós não sabemos quantos foram acidentados porque houve um soterramento pelo produto vazado", disse Schvartsman.

Depois, o presidente da empresa afirmou que "aproximadamente 100 [funcionários] já apareceram com vida." Schvartsman afirmou, ainda, que laudos de auditorias externas atestavam um risco baixo de desabamento.

Principais pontos da entrevista:

- O rompimento foi na barragem da Mina Córrego do Feijão; outra barragem abaixo dela transbordou devido ao aumento repentido do volume;

- A barragem estava sem receber rejeitos há 3 anos, o que reduz o desastre ambiental;

- A tragédia humana será maior que a de Mariana (19 mortos);

não sabe se a sirene tocou e, mesmo que tivesse tocado, não teria dado tempo de os funcionários escaparem;

- 10 de janeiro foi feita última leitura monitores da barragem;

- O relatório de auditoria feita por uma empresa alemã foi feita em setembro e considerou a barragem estável.

Ao comparar com a tragédia de Mariana, há três anos, considerada o maior desastre ambiental do país, ele disse considerar que, desta vez, o número de vítimas deve ser maior. Na época, 19 pessoas morreram. Ao tomar posse após o acidente, em 2017, ele disse: "Mariana nunca mais".

"Desta vez é uma tragédia humana. Porque estamos falando de uma quantidade grande de vítimas. Possivelmente, o dano ambiental é menor.

A barragem que se rompeu foi a da Mina Córrego do Feijão. Uma outra, abaixo dela, transbordou devido ao aumento do volume. Segundo o presidente da Vale, vazaram 12 milhões de metros cúbicos.

"É também importante que a gente saiba que essa é uma barragem inativa. Não estava recebendo rejeitos de mineração", disse.

Schvartsman declarou que havia recebido relatórios da "estabilidade" da mina, feitos por uma empresa alemã, em setembro. "Daí a nossa surpresa, nosso desalento", disse.

O acidente

Uma barragem da mineradora Vale se rompeu em Brumadinho. Imagens aéreas mostram que um mar de lama destruiu casas da região do Córrego do Feijão.

O rompimento ocorreu no início da tarde. A Vale informou sobre o acidente à Secretaria do Estado de Meio Ambiente às 13h37. Os rejeitos atingiram a área administrativa da companhia e parte da comunidade da Vila Ferteco.

Os feridos estão sendo levados para o Hospital de Pronto-Socorro João XXIII.

A empresa diz que havia empregados no local e que há possibilidade de vítimas. Segundo os Bombeiros, um refeitório da empresa foi atingido. Ainda não há informação sobre a causa do rompimento (veja íntegra da nota da Vale ao final do texto).

O que se sabe até agora

- Rompimento ocorreu no início da tarde na Mina do Feijão, da Vale, em Brumadinho;

- Mar de lama destruiu casas;

- Havia empregados da Vale no local atingido pelo rompimento;

- Quatro vítimas com ferimentos foram resgatadas por helicóptero;

- O Corpo de Bombeiros diz que há entre 300 e 350 pessoas desaparecidas;

- Corpo de Bombeiros e Defesa Civil estão no local; helicópteros resgatam pessoas ilhadas em diversos pontos;

- Ao menos seis prefeituras emitiram alerta para que população se mantenha longe do leito do Rio Paraopeba, pois o nível pode subir. Às 15h50 de sexta, os rejeitos atingiram o rio;

- Rodovia estadual que leva a Brumadinho está fechada;

- Governo montou gabinete de crise, e 3 ministros estão a caminho; Bolsonaro também quer ir ao local.

- Por precaução, o Instituto Inhotim retirou funcionários e visitantes do local.

Íntegra da nota da Vale:

"A Vale informa que, no início desta tarde, ocorreu o rompimento da Barragem 1 da Mina Feijão, em Brumadinho (MG). A companhia lamenta profundamente o acidente e está empenhando todos os esforços no socorro e apoio aos atingidos.

Havia empregados na área administrativa, que foi atingida pelos rejeitos, indicando a possibilidade, ainda não confirmada, de vítimas. Parte da comunidade da Vila Ferteco também foi atingida.

O resgate e os atendimentos aos feridos estão sendo realizados no local pelo Corpo de Bombeiros e pela Defesa Civil. Ainda não há confirmação sobre a causa do acidente.

A prioridade máxima da empresa, neste momento, é apoiar nos resgates para ajudar a preservar e proteger a vida de empregados, próprios e terceiros, e das comunidades locais.

A Vale continuará fornecendo informações assim que confirmadas."

Fonte: G1

R10 no Facebook:
imprimir
Veja também
TV R10

»

Revista ADV

»

Água Branca-PI Por Lenno Oliveira

Água Branca: espetáculo teatral aborda problemas enfrentados pelos jovens.

Pau D'arco Por Carlos Eugênio

Prefeitura de Pau D’arco realiza mutirão contra a dengue

Olho D'água do Piauí Por Jô Mendes

Escola Municipal Olho D'água realiza ação em alusão ao Dia Mundial da Água

Colônia do Gurgueia Por Geney Ribeiro

Campanha de vacinação antirrábica em Colônia do Gurgueia

Campo Largo-PI Por Roberto Freitas

CITCOCAIS | Tem participação do prefeito Rômulo Aécio de Campo Largo-PI

Mais lidas da semana

»

Municípios
© Copyright 2019 - Portal R10 - Todos os direitos reservados
R10 TV Municípios Colunas Anuncie Fale conosco
Site desenvolvido pela Lenium