Quinta, 15 de novembro de 2018
(86) 99915-1055
Desk Propaganda
Brasil - Orçamento

Postada em 29/11/2017 ás 15h36 - atualizada em 30/11/2017 ás 11h37

Publicada por: Bruna Dias

Para cumprir teto, investimento público cairá em 2018
Essa redução terá que ser de pelo menos R$ 14 bilhões em relação a 2017.
Para cumprir teto, investimento público cairá em 2018

Foto: Divulgação

Para cumprir a regra do teto de gastos, o Brasil terá que comprimir ainda mais, no ano que vem, seus gastos com investimentos e custeio da máquina pública, que já estão no pior nível desde 2009.

Essa redução terá que ser de pelo menos R$ 14 bilhões em relação a 2017, uma queda de mais de 11% em relação aos R$ 122 bilhões que estão projetados para este ano.

Essa queda pode ser ainda maior (R$ 21,4 bilhões) se duas medidas de contenção de gastos não passarem pelo Congresso: adiamento do reajuste dos servidores e ressarcimento pela desoneração da folha de pagamento.

Os números foram divulgados nesta terça-feira (28) pelo Tesouro Nacional.

De acordo com o órgão, isso acontecerá porque o teto de gastos, que foi aprovado no ano passado, prevê que as despesas podem crescer limitadas à inflação do ano anterior –o Tesouro estima que a variação será de 3%.

Mas as despesas batizadas de obrigatórias, sobre as quais o governo não tem controle, como aposentadorias (que são 41% de todo o gasto) e pessoal, crescerão mais de 6% no ano que vem.

Para conseguir cumprir o teto, restam as despesas nas quais a União pode mexer, que se compõe de investimentos e despesas com o funcionamento da máquina.

De acordo com especialistas em contas públicas, mesmo se a reforma da Previdência for aprovada neste ano, o impacto sobre os gastos obrigatórios seria baixo em 2018, aumentando somente nos anos seguintes.

A estimativa da Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira da Câmara dos Deputados é que, se as novas regras passarem pelo Congresso, a redução nos gastos no ano que vem será de apenas R$ 2,5 bilhões.

Em outras palavras, os investimentos e gastos com custeio terão que diminuir ainda mais em qualquer cenário.

"O nosso talvez seja o Orçamento mais engessado do mundo", disse a secretária do Tesouro, Ana Paula Vescovi.

"Temos um deficit estrutural, que se agrava nos próximos anos", lembrou, ressaltando a importância de reformas como a das regras das aposentadorias.

Ela destacou ainda a necessidade de devolução de recursos do BNDES aos cofres do Tesouro em 2018 para que o governo não descumpra a chamada "regra de ouro", que proíbe a União de emitir dívida em um volume superior aos investimentos.

O objetivo é evitar que o Estado se endivide demais para pagar despesas correntes (gasto com pessoal, por exemplo) empurrando a conta para outros governos.

Fonte: Folha de S. Paulo

R10 no Facebook:
imprimir
Veja também
TV R10

»

Revista ADV

»

Antônio Almeida Por Leonardo Soares

Novas Diretrizes do Ensino Médio inclui Ensino à Distância.

Prata do Piauí Por Wilton Alencar

Prefeitura de Prata do Piaui faz entrega de material esportivo

Floriano Por Ilizianny de Carvalho

James Rodrigues apresenta projeto de alienação de imóveis ao Rotary Club

Água Branca-PI Por Lenno Oliveira

Prefeitura de Água Branca lança Campanha IPTU Premiado 2018

Inhuma-PI Por Juerismar Luis

Solenidade de um ano do Programa Criança Feliz

Mais lidas da semana

»

Municípios
© Copyright 2018 - Portal R10 - Todos os direitos reservados
R10 TV Municípios Colunas Anuncie Fale conosco
Site desenvolvido pela Lenium