Segunda, 23 de setembro de 2019
(86) 98111-9939
Receba notícias pelo WhatsApp WhatsApp
Equatorial - Energia
[email protected]
(61) 98191-9906
FOCO NA POLÍTICA - Direto de Brasília

FOCO NA POLÍTICA - Direto de Brasília

Jornalista Milton Atanazio Jornalista, comunicador, árbitro judicial, consultor diplomático, cônsul honorário da Bielorrússia, editor da Revista VOX e Publisher da BrazilianNEWS.

[email protected]

(61) 98191-9906

Política - Venezuela

Postada em 06/05/2019 ás 15h13

Publicada por: Jornalista Milton Atanazio

Saída virá de fora da Venezuela
Queda de Maduro depende da pressão sobre dois atores externos: Rússia e Cuba
Saída virá de fora da Venezuela

O movimento para derrubar Maduro continua

Queda de Maduro depende da pressão sobre dois atores externos: Rússia e CubaMaduro (ao centro) e ministro da Defesa, Vladimir Padrino (esq.) em marcha militar — Foto: Divulgação/ Ministério Defesa da VenezuelaMaduro (ao centro) e ministro da Defesa, Vladimir Padrino (esq.) em marcha militar — Foto: Divulgação/ Ministério Defesa da Venezuela

Maduro (ao centro) e ministro da Defesa, Vladimir Padrino (esq.) em marcha militar — Foto: Divulgação/ Ministério Defesa da Venezuela

O fracasso do movimento pela derrubada do ditador Nicolás Maduro deixou clara a importância dos atores externos para a saída da crise Venezuelana. Maduro não sairá do poder enquanto a Rússia continuar a garantir a compra do petróleo venezuelano, enquanto Cuba continuar a lhe prestar assessoria na inteligência.

O governo americano subestimou a influência cubana sobre as Forças Armadas venezuelanas, ao acreditar que haveria deserção maciça graças à anistia oferecida pelo presidente interino, Juan Guaidó. Também ignorou o tempo necessário para que as novas sanções impostas ao petróleo venezuelano surtam efeito sobre a cúpula da ditadura comandada por Maduro.

A libertação do líder oposicionista Leopoldo López, com o beneplácito dos Serviço Bolivariano de Inteligência Nacional (Sebin), criou a ilusão que levou a inteligência americana a desprezar o apoio que Maduro ainda tinha entre os militares. A avaliação americana funcionou como sinal verde para que Guaidó agisse – e fracassasse.

Embora ele tenha sido derrotado, e Maduro tenha conseguido manter o poder, os eventos desta semana demonstraram pontos de fragilidade que deverão ser explorados. O principal: a permanência de Maduro depende essencialmente dos generais, liderados pelo ministro da Defesa, Vladimir Padrino. Será preciso convencê-los a romper com o ditador para derrubá-lo.

É aí que entram em cena dois atores externos que mantêm relações históricas com os militares venezuelanos, Cuba e Rússia (a China tem interesse econômico, não militar). Na inteligência, Cuba atua como uma espécie de consultoria para Maduro, além de manter tropas no país (segundo relatos, importantes para evitar deserções depois do chamado de Guaidó). A Rússia fornece armas e garante a força dos militares.

Nenhum desses dois países tem ilusões. Se a situação evoluir para o pior cenário – um conflito armado ou guerra civil com intervenção externa –, nem russos nem cubanos terão chance contra os americanos. É, contudo, um cenário que não interessa a ninguém.

Por isso mesmo, é preciso manter atenção às negociações que prosseguem nos bastidores diplomáticos. Na semana que vem, o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, se encontrara na Finlândia com o chanceler russo, Sergey Lavrov. Não se sabe com que tipo de argumento tentará convencê-lo a abandonar Maduro.

Desde o início do ano, o presidente russo, Vladimir Putin, tem adotado uma atitude ambígua em relação à Venezuela. Publicamente, a Rússia continua a apoiar Maduro e a lhe fornecer armas. Mas é o país que mais perde com as sanções americanas, pois a petrolífera estatal Rosneft é sócia da venezuelana PDVSA em iniciativas de exploração e, como garantia, recebeu uma participação na distribuidora Citgo, que atua nos Estados Unidos e é hoje comandada por executivos leais a Guaidó.

Putin não tem outro interesse na Venezuela, além de irritar os americanos no próprio “quintal”. O contencioso entre os dois países inclui temas mais espinhosos, como Síria ou Ucrânia. Como não quer guerra na Venezuela, é provável que Pompeo acene aos russos com concessões em algum desses outros tabuleiros.

O movimento para derrubar Maduro continua. Ficou clara a divisão entre os militares, apesar da lealdade aparente ao ditador. Para explorá-la, deverá haver pressão externa. Não necessariamente intervenção, mas a negociação de alguma saída que lhes assegure protagonismo no regime pós-Maduro. A oferta de anistia apenas é insuficiente.

Quanto à Rússia, a situação é mais complexa. Não adianta garantir a Putin, como aos chineses, que seus ativos serão preservados. Ele quer mais que isso. Mostrou, na Síria, que sabe explorar os erros americanos para fincar suas estacas. É provável que queira o mesmo na América Latina. A Venezuela já lhe ofereceu uma porta de entrada.

Fonte: g1

O conteúdo divulgado aqui neste espaço através de fotos, textos, vídeos e/ou opiniões são de inteira responsabilidade de seus autores. O conteúdo divulgado não expressa e não mantém nenhuma relação com a linha editorial e a visão do PortalR10.
R10 no Facebook:
imprimir
Veja também
Jornal Portal R10
Últimas
Mais lidas da semana
TV R10
Municípios
© Copyright 2019 - Portal R10 - Todos os direitos reservados
R10 TV Municípios Colunas Anuncie Fale conosco
Site desenvolvido pela Lenium