Quinta, 05 de Agosto de 2021
86 9 9821-9621

Redação

Whatsapp / Sugestôes

(86) 99821-9621

Cristina

Publicidade

(86) 98195-0154

31°

22° 35°

Teresina - PI

Últimas notícias
Esportes CBF
03/06/2019 11h54 Atualizada há 2 anos
Por: Bruno Paz

Fifa libera R$137 milhões para CBF após saída de Del Nero

Cinco anos depois da Copa do Mundo de 2014, o Brasil começa a receber o dinheiro prometido pela Fifa como parte de um plano de legado pela organização do evento. Desde o início do ano, a CBF já recebeu R$ 137 milhões da entidade em Zurique, dinheiro usado para programas de treinamento e projetos específicos aprovados pela Fifa.

Em 2014, o então-presidente da entidade, Joseph Blatter, havia feito uma promessa de doação de US$ 100 milhões para o desenvolvimento do futebol brasileiro. O "Fundo do Legado", porém, representava apenas 2% da receita obtida pela Fifa na Copa.

Foto: Pedro Ivo Almeida/UOL - Sede da CBF no Rio de Janeiro.
Foto: Pedro Ivo Almeida/UOL - Sede da CBF no Rio de Janeiro.

Projetos começaram a se desenhados. Mas, em 2015, a eclosão dos escândalos de corrupção e o envolvimento direto dos dirigentes brasileiros levou a Fifa a congelar todos os repasses ao Brasil. O temor dos advogados era de que a Fifa fosse vista pela Justiça americana como tendo relações financeiras com um dos indiciados, no caso Marco Polo Del Nero.

Foi necessário que o cartola fosse afastado do futebol para que, finalmente, a Fifa voltasse a negociar a liberação dos recursos com a CBF. No final de 2018, um acordo foi fechado e, a partir do início do ano, o dinheiro começou a ser autorizado.

No total, fontes da CBF estimam que projetos no valor de US$ 35 milhões já foram aprovados. Pelo acordo, os gastos precisam ser justificados e o departamentos de compliance da Fifa e da CBF dão uma chancela para o uso do dinheiro.

Em 2014, a CBF havia declaro que usaria o dinheiro para investir no futebol de regiões que tinham ficado fora da Copa do Mundo. Tocantins, por exemplo, chegou a comprar um terreno para a construção de um centro. Durante a Copa, José Maria Marin e Jerome Valcke, então secretário-geral da Fifa, foram inaugurar outro centro em Belém. Ambos estão banidos do futebol.

Fonte: FOX SPORTS
Veja também
Desenvolvido por: Lenium®
Nosso grupo do WhatsAppWhatsApp