Terça, 15 de Junho de 2021
86 9 9821-9621

Redação

Whatsapp / Sugestôes

(86) 99821-9621

Cristina

Publicidade

(86) 98195-0154

33°

23° 33°

Teresina - PI

Últimas notícias
FOCO NA POLÍTICA - Direto de Brasília
FOCO NA POLÍTICA - Direto de Brasília
Jornalista, comunicador, árbitro judicial, consultor diplomático, cônsul honorário da Bielorrússia, editor da Revista VOX e Publisher da BrazilianNEWS.
Política Lula
26/06/2019 15h10 Atualizada há 2 anos
Por: Jornalista Milton Atanazio

Kakay: Celso de Mello sinalizou que tende a concordar com HC de Lula

Foto Agência Brasil
Foto Agência Brasil

Kakay: Celso de Mello sinalizou que tende a concordar com HC de Lula

"Para mim, houve uma sinalização de que ele tende a concordar, no mérito (...). Ele não concordou com a soltura, mas disse estar pronto para julgar o mérito do HC", disse Kakay

O advogado Antônio Carlos de Almeida Castro, conhecido como Kakay, disse à BBC Brasil que o julgamento de dois recursos de Lula, na terça (25), pela segunda turma do Supremo Tribunal Federal, não representou uma completa derrota para o ex-presidente.

Continua depois da publicidade

Ele destacou o voto de Celso de Mello, considerado decisivo para o futuro julgamento do HC de Lula que versa sobre a suspeição de Sergio Moro, e que deve ser apreciado no segundo semestre.

O ministro rejeitou a liberdade provisória do petista enquanto a nova data de julgamento não é estabelecida, e adiantou que, ao rejeitar esse pedido liminar, não estava antecipando o mérito sobre a parcialidade de Moro.

“Para mim, houve uma sinalização de que ele tende a concordar, no mérito (…). Ele não concordou com a soltura, mas disse estar pronto para julgar o mérito do HC”, disse Kakay à BBC.

Para o advogado, o HC tem potencial porque está recheado de elementos que atestam a falta de isenção de Moro. Além disso, “não trata da questão do Intercept, mas é óbvio que ela estará impregnada no julgamento. Não há como desvencilhar”.

Por 3 x 2, a segunda turma decidiu adiar o julgamento desse HC. O ministro Gilmar Mendes votou para conceder liberdade provisória a Lula, mas foi vencido.

Fonte: Estadão Conteúdo e GGN
Veja também
Desenvolvido por: Lenium®
Nosso grupo do WhatsAppWhatsApp