Sábado, 24 de agosto de 2019
(86) 99915-1055
Receba notícias pelo WhatsApp WhatsApp
Equatorial - Energia
Esportes - Análise

Postada em 03/07/2019 ás 08h46

Publicada por: Bruna Sampaio

Brasil rompe padrões para bater a Argentina e ir à final da Copa América
Seleção brasileira enfrentará Chile ou Peru no domingo.
Brasil rompe padrões para bater a Argentina e ir à final da Copa América

Foto: Reuters

Um Brasil “flex” conquistou o direito de disputar a final da Copa América. Num grandíssimo jogo de futebol, a Seleção topou negociar alguns de seus mais marcantes paradigmas diante da atuação da Argentina, possivelmente superior até ao que os próprios argentinos imaginavam. Intensa, veloz, corajosa e regida pelo gênio dos gênios da bola: Lionel Messi.

O manual de conduta futebolística da Seleção de Tite tem, entre outros itens, saída pelo chão, posse de bola e finalizações.

A vitória por 2 a 0 sobre o maior rival começou a ser construída com a cartilha seguida à risca. Mesmo pressionado, o time girou a bola pela defesa até encontrar espaços e jogar. Também foi belíssimo o gol de Gabriel Jesus, num toque complementar a um ataque que teve início em Alisson e passou pelos pés de 10 jogadores – só Everton não participou – até ser finalizado com a brilhante jogada de Daniel Alves, o passe perfeito de Firmino e o primeiro gol de Jesus em copas.

A partir daí, em vantagem no placar e acuada pela atitude de Messi de colocar o jogo sob seus braços em busca do empate, a Seleção recuou linhas e posicionou 11 jogadores no campo de defesa, fez substituição no intervalo, ganhou minutos com atendimentos médicos e viu até Alisson bater um raríssimo tiro de meta longo.

O extraterrestre Messi, como bem disse Tite, chegou a buscar a bola com os zagueiros em determinados momentos, e conduziu ataques com tabelas e triangulações rápidas pelo meio, setor no qual o técnico Lionel Scaloni apostava ter superioridade, sobretudo pela presença do craque.

Os erros e ajustes criativos da Seleção ao longo do torneio só têm sido possíveis graças à força do sistema defensivo, ainda intacto depois de cinco jogos.

Só uma equipe com um goleiro fora de série, laterais, zagueiros e um volante dispostos o tempo todo a marcar muito, sem falar na colaboração coletiva dos mais ofensivos, poderia aceitar o risco de ser atacada por Messi, Aguero, Lautaro Martínez, Di Maria e companhia. Risco, inclusive, de não pressionar Paredes, iniciador de jogadas que teve liberdade para procurar seus perigosos companheiros do setor ofensivo.

A estratégia funcionou porque o Brasil venceu, e mereceu sim, como também não teria sido injusta a classificação da Argentina. Ela carimbou a trave em duas finalizações e viu uma bola correr por toda a pequena área. Além de uma pitadinha de sorte brasileira, mérito de uma defesa que atrapalha, incomoda, pressiona, não permite finalizações em liberdade.

A recuperação de Marquinhos para bloquear o chute de Agüero após arrancada de Messi foi cinematográfica. O zagueiro, aliás, é forte candidato a melhor jogador da Copa América.

De uma Seleção postada para o contra-ataque esperava-se mais encaixes. Houve erros individuais e falta de sincronia. Everton, o mais indicado para essa proposta, mostrou-se um tanto abaixo da necessidade do confronto. A entrada de Willian deu maior recomposição defensiva e saída apoiada também em seu lado – por esse combo ele foi convocado para o lugar de Neymar.

Houve sinais bem positivos na semifinal, além da irrepreensível defesa. O Brasil deixa de bom da semifinal o melhor entrosamento entre Gabriel Jesus e Firmino, cada um com uma assistência para o gol do outro. Eles criaram três chances claras de gol, a primeira desperdiçada por um domínio impreciso de Jesus, e as outras convertidas.

Casemiro teve sua melhor participação na Copa América, apesar de ter desperdiçado contra-ataques no segundo tempo – mais por culpa da falta de movimentação dos parceiros para receber o passe em velocidade. E Daniel Alves, minha nossa, exibiu-se no significado pleno de um jogador grande, enorme, vencedor, íntimo das glórias. Por uma noite, ele foi o Messi de amarelo no sentido de compreensão de seu papel e execução.

Falta apenas um jogo para o título que pode dar a Tite e sua comissão técnica tranquilidade para dar passos adiante na remontagem da Seleção, em que a busca de compensar o envelhecimento da fortíssima defesa com mais volume ofensivo será o grande desafio. Mas, por enquanto, no domingo, contra Chile ou Peru, é esse Brasil, organizado, sólido e eficiente, que tentará quebrar o tabu de seis anos sem conquistas.

Fonte: GE

R10 no Facebook:
imprimir
Veja também
TV R10

»

Jornal Portal R10

»

Demerval Lobão - PI Por Katia Cruz

DL | Campanha pedras de castelo, participe!

Campo Largo-PI Por Roberto Freitas

Pais e mestres participam de reunião na E. M. de Campo Largo

Amarante-PI Por Diogo Costa

Após o recesso das férias, Projeto Mirim Cidadão reinicia suas atividades

São João do Arraial-PI Por Leônidas Silva

Prefeita Vilma Lima participa de reunião com fornecedores de polpa de fruta

São Miguel do Tapuio Por Valter Lima

Emenda de Fábio Abreu garante pavimentação em povoados

Mais lidas da semana

»

Municípios
© Copyright 2019 - Portal R10 - Todos os direitos reservados
R10 TV Municípios Colunas Anuncie Fale conosco
Site desenvolvido pela Lenium