Segunda, 10 de agosto de 2020
86 9 9834-2372
Receba notícias pelo WhatsApp WhatsApp
Esportes - Entenda

Postada em 09/07/2019 ás 11h37

Publicada por: Bruna Sampaio

Camisa verde e amarela da Adidas configura concorrência desleal com a Nike
Especialista avalia que quem paga pela exclusividade é a Nike, mas Adidas foi autorizada a usar.
Camisa verde e amarela da Adidas configura concorrência desleal com a Nike

Foto: Reprodução

Foi equivocada a decisão da 4ª Vara Empresarial do TJ-RJ (Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro) de permitir que a Adidas continue a produzir, divulgar e distribuir a sua versão da camisa verde e amarela, com alusão a seleção brasileira, que é patrocinada pela Nike.

O entendimento é do advogado especialista em propriedade intelectual Luciano Andrade Pinheiro, do Corrêa da Veiga Advogados. Segundo ele, no momento em que um concorrente coloca a venda uma camisa amarela com disposição idêntica às da seleção brasileira, da Nike , está sim em ato de concorrência desleal com a instituição licenciada. 

Na ação movida contra a Adidas, a CBF argumenta que a marca vem imitando as camisas "amarelinhas" utilizadas pela seleção brasileira e que a parceria com a Nike garante o privilégio à empresa de ser a única fornecedora de material esportivo para a seleção.

Luciano explica que, apesar de não existir o monopólio das cores verde e amarela pela CBF, quem paga pela exclusividade de uso é a empresa Nike.

“A Nike paga a CBF para ter exclusividade no uso desse símbolo do esporte, o que gera, naturalmente, um aumento no custo do produto ao consumidor. A Adidas não paga nada, pode vender mais barato, atraindo a clientela que seria naturalmente da Nike.

O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro já tem jurisprudência assente no sentido de que a "camisa amarela de mangas curtas e calção azul real” está, na mente de todos os brasileiros, indissoluvelmente vinculado à seleção de futebol”, afirma.

Na decisão, o juiz Paulo Estefan explicou que a camisa amarela com gola verde remete àquela usada pela seleção brasileira de futebol. No entanto, ele ressalta que isso não é o suficiente para comprovar que houve ofensa aos direitos da autora. Para ele, é preciso que haja outros sinais claros que evidenciem a utilização dos símbolos protegidos, como o escudo e o nome, por exemplo.

Para o especialista em propriedade intelectual, é muito comum essa confusão entre símbolo do esporte e marca de produto. Ele ressalta que a marca é protegida pela Lei de Propriedade Intelectual e os símbolos do esporte pela Lei Pelé.

"A Lei Pelé tem uma proteção bem mais ampla, ela fala em símbolo, que pode ser, a rigor, muitos signos, inclusive as cores do uniforme. Também por esse ângulo a decisão é equivocada", explica Luciano sobre o caso Adidas x Nike .

Fonte: Ig Esporte

R10 no Facebook:
imprimir
Veja também
TV R10

»

Jornal Portal R10

»

Beneditinos Por Cascatinha Pessoa

Policiais do GPM de Beneditinos capturam foragido da Justiça

São João do Arraial-PI Por Leônidas Silva

Prefeitura de São João do Arraial entrega UBS na localidade Centro

Batalha Por Naldo Voz

Decreto prevê retorno de atividades econômicas em Batalha

São Gonçalo do Gurgueia Por R10 municípios

Idosos do SCFV de São Gonçalo do Gurgueia ganham festa em casa

Buriti dos Lopes Por R10 municípios

Prefeito Buriti dos Lopes anuncia construção de praça no Morro da Mala

Mais lidas da semana

»

© Copyright 2020 - Portal R10 - Todos os direitos reservados
R10 TV Municípios Colunas Anuncie Fale conosco
Site desenvolvido pela Lenium