Domingo, 20 de outubro de 2019
(86) 98111-9939
Receba notícias pelo WhatsApp WhatsApp
Equatorial - Energia
[email protected]
(86) 99915-1055
Curiosidades

Curiosidades

Curiosidades Coluna de notícias curiosas.

[email protected]

(86) 99915-1055

Geral - Estudo

Postada em 17/09/2019 ás 10h09 - atualizada em 17/09/2019 ás 11h10

Publicada por: Bruna Sampaio

Cadáveres continuam se mexendo por mais de 1 ano após a morte
A movimentação é restrita, resultado da decomposição do corpo.
Cadáveres continuam se mexendo por mais de 1 ano após a morte

(KatarzynaBialasiewicz/Getty Images)

Não precisa se imaginar no cenário de The Walking Dead, mas fique sabendo que os mortos não descansam tão em paz assim. Um estudo feito por pesquisadores forenses da Universidade Central de Queensland, na Austrália, revelou que os cadáveres podem se mover significativamente por meses após o início da decomposição.

Os movimentos não são suficientes para fazer um defunto sair andando, claro, mas podem fazer diferença para o estudo forense. Os pesquisadores acompanharam e fotografaram cadáveres ao longo de 17 meses para verificar a evolução dos movimentos. Em um dos casos, o corpo iniciou a decomposição com os braços colados ao corpo e, ao fim do período, ele já estava de braços abertos. 

Para não perder nenhum detalhe, os cientistas tiraram uma foto do corpo a cada 30 minutos durante mais de um ano. No final, eles reuniram as fotos em um time-lapse e puderam ver claramente a movimentação.

O estudo ocorreu na única “fazenda de cadáveres” do hemisfério sul do planeta, localizada nos arredores de Sydney. Trata-se de um ambiente a céu aberto recheado de cadáveres, onde os cientistas podem estudar de perto a decomposição do organismo humano. A Instalação Australiana para Pesquisa Tafonômica Experimental (AFTER, em inglês) abriga 70 cadáveres em decomposição.

Em entrevista à ABC News, a pesquisadora Alyson Wilson, autora do estudo, disse que imaginava ver alguns movimentos no início do processo, mas não esperava que esse processo continuasse por 17 meses.

Segundo ela, a movimentação está relacionada ao processo de mumificação natural e aos ligamentos do corpo, que acabam ressecando ao longo do tempo. De acordo com a pesquisadora Maiken Ueland, diretora da fazenda, alguns movimentos também podem ser causados por insetos e gases presentes no corpo.

O estudo é relevante principalmente para investigações policiais. Ao analisar uma cena de morte, os investigadores prestam atenção na posição em que a vítima se encontra para tirar algumas conclusões. Entender como e por quanto tempo o cadáver se mexe pode ajudar a determinar a causa da morte e evitar interpretações erradas.

O estudo completo ainda será divulgado, mas é continuação de uma pesquisa publicado na Forensic Science International: Synergy, que acompanhou os cadáveres do mesmo instituto ao longo de seis meses.

Fonte: Superinteressante

O conteúdo divulgado aqui neste espaço através de fotos, textos, vídeos e/ou opiniões são de inteira responsabilidade de seus autores. O conteúdo divulgado não expressa e não mantém nenhuma relação com a linha editorial e a visão do PortalR10.
R10 no Facebook:
imprimir
Veja também
Jornal Portal R10
Últimas
Mais lidas da semana
TV R10
Municípios
© Copyright 2019 - Portal R10 - Todos os direitos reservados
R10 TV Municípios Colunas Anuncie Fale conosco
Site desenvolvido pela Lenium