Terça, 14 de julho de 2020
86 9 9834-2372
Receba notícias pelo WhatsApp WhatsApp
Piauí - Ação civil

Postada em 26/09/2019 ás 15h52 - atualizada em 26/09/2019 ás 17h12

Publicada por: Bruna Sampaio

Empresas são investigadas por venda enganosa de consórcios em Teresina
Requereu-se, portanto, a suspensão das atividades comerciais das empresas.
Empresas são investigadas por venda enganosa de consórcios em Teresina

Foto: Gustavo Miranda

O Programa Estadual de Proteção e Defesa do Consumidor – PROCON/MPPI ajuizou ação civil pública contra a empresa Multimarcas Administradora de Consórcios e suas representantes em Teresina e Timon, Ramalho Promoções de Vendas e Eternity Representações. A ação foi motivada por denúncias de publicidade enganosa e irregularidades nos contratos.

 

Em maio de 2018, o PROCON instaurou Procedimento Administrativo para investigar o caso, após diversos consumidores relatarem que a Ramalho Promoções de Vendas e a Eternity Representações ofertavam empréstimos facilitados e, após a adesão e pagamento de taxas, eram induzidos aceitar a mudança do contrato para consórcio. Assim, não recebiam o valor contratado do empréstimo, devendo aguardar uma futura contemplação no consórcio. Além disso, assumiam a obrigação de pagar as parcelas sem ter recebido valor algum até então.

 

Outra modalidade denunciada pelos consumidores é a oferta de contratos de consórcio com a promessa de contemplação imediata. A prática é expressamente vedada pelo Banco Central. Em um dos casos, o cliente relata que lhe foi assegurado pelo vendedor que, com o pagamento de lance fixo de 44% da cota, sua carta seria contemplada. No entanto, a cota contemplada na assembleia foi outra, tendo ofertado apenas 30%.

 

Na ação civil pública ajuizada, o PROCON reúne algumas denúncias feitas no site Reclame Aqui em face da Multimarcas, a administradora dos consórcios, nas quais se identifica as mesmas práticas em outras unidades da federação, como Maranhão, Ceará e Distrito Federal. Assim, desenhou-se um padrão na abordagem pelas representantes em todos o Brasil. O órgão entende que há indícios que a orientação da venda enganosa é repassada pela administradora para suas credenciadas.

 

Requereu-se, portanto, a suspensão das atividades comerciais das empresas e de qualquer publicidade, sob pena de multa de R$ 2 mil por dia de descumprimento. O PROCON também requer que sejam declarados nulos os contratos oriundos da venda enganosa, com ressarcimento integral dos valores pagos pelos consumidores e pagamento de R$ 500 mil em danos morais coletivos.

Fonte: MPPI

R10 no Facebook:
imprimir
Veja também
TV R10

»

Jornal Portal R10

»

Blog do Lucão (Timon e Região dos Cocais) Por Lucas Stefano

ANS derruba na Justiça liminar que obriga planos a cobrirem o teste covid19

Floriano Por Ilizianny de Carvalho

Wellington Dias e Joel assinam ordem de serviço para retomada de obras

Gilbués-PI Por Lucas Oliveira

Prefeitura municipal de Gilbués recebe EPI's para o programa Busca Ativa

Brasileira Por Giva Ferreira

Carreta derruba fios no centro de Brasileira e interdita a BR 343

Pau D'Arco do Piauí Por Carlos Eugênio

Prefeito Nilton Bacelar garante título de posse de terra a assentados

Mais lidas da semana

»

© Copyright 2020 - Portal R10 - Todos os direitos reservados
R10 TV Municípios Colunas Anuncie Fale conosco
Site desenvolvido pela Lenium