Sábado, 19 de Junho de 2021
86 9 9821-9621

Redação

Whatsapp / Sugestôes

(86) 99821-9621

Cristina

Publicidade

(86) 98195-0154

31°

22° 34°

Teresina - PI

Últimas notícias
Política Julgamento
04/01/2018 17h23
Por: Bruna Sampaio

Prefeito pede apoio do Exército para julgamento do ex-presidente Lula

Ex-presidente Lula (Foto: SERGIO LIMA / AFP)
Ex-presidente Lula (Foto: SERGIO LIMA / AFP)

O prefeito de Porto Alegre, Nelson Marchezan Jr (PSDB), pediu apoio da Força Nacional e do Exército para atuarem na cidade no próximo dia 24 de janeiro, quando o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva será julgado na capital do Rio Grande do Sul. Numa conta na internet, Marchezan Jr. explica que a atitude visa "proteger o cidadão e o patrimônio público".

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), sediado em Porto Alegre, vai julgar a apelação criminal de Lula no caso do tríplex do Guarujá.

"Solicitei ao Presidente MichelTemer o apoio da Força Nacional e do Exército Brasileiro para atuarem no dia 24. Devido as manifestações de líderes políticos que convocam uma invasão em Porto Alegre, tomei essa medida para proteger o cidadão e o patrimônio público", escreveu o prefeito.

Continua depois da publicidade

A presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, foi ao Twitter e reagiu as declarações do prefeito. Gleisi também comentou decisão da Justiça Federal de Porto Alegre, que no final do ano passado acatou pedido do Ministério Público Federal (MPF) gaúcho e determinou a proibição de acampamentos do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) nas proximidades do tribunal. A medida já está em vigor e é válida até três dias após a decisão do Tribunal.

— Inacreditável ! É muito medo do povo. Primeiro, o MPF do RS e agora esse prefeito?!Força Nacional e Exército?! Quem está destruindo o patrimônio público e agredindo o cidadão é o governo golpista apoiado por vcs - disse a senadora na rede social.

Desde que a data do julgamento foi determinada pelo Tribunal, o PT vem convocando a militância para comparecer a Porto Alegre como forma de pressionar as autoridades. O ex-ministro José Dirceu chegou a chamar a data de "dia da revolta".

Em maio passado, durante o julgamento de Lula na Justiça Federal do Paraná, também foram proibidos acampamentos e montagens de estruturas em qualquer rua ou praça de Curitiba. O MST acabou montando acampamento numa área próxima à rodoviária, num terreno particular.

Fonte: O Globo
Veja também
Desenvolvido por: Lenium®
Nosso grupo do WhatsAppWhatsApp