Quarta, 20 de novembro de 2019
(86) 98111-9939
Receba notícias pelo WhatsApp WhatsApp
Nova Comunicação
Tecnologia - Curioso

Postada em 15/10/2019 ás 08h56 - atualizada em 15/10/2019 ás 10h04

Publicada por: Marina Sousa

Saiba se as empresas de tecnologia te escutam para vender publicidade
Quem nunca se deparou com uma publicidade nas redes sociais sobre algo que tinha acabado de falar?
Saiba se as empresas de tecnologia te escutam para vender publicidade

Foto: Reprodução/ilustrativa

Quem nunca se deparou com uma publicidade no Instagram ou no Facebook sobre algo que tinha acabado de conversar com alguém? Às vezes, a coincidência é tão grande que tem gente que diz que pensou em algo e apareceu uma propaganda daquilo.

Depois que Google, Apple, Facebook e Microsoft foram pegos, recentemente, usando funcionários contratados para transcrever áudios de usuários, para muita gente essa foi a confirmação de uma teoria antiga: as gigantes de tecnologia estariam, secretamente, nos escutando para vender publicidade direcionada.

A resposta oficial, no entanto, é que elas não nos escutam sem permissão, segundo porta-vozes de Google e Facebook, as gigantes que dominam o segmento de marketing digital.

“Não fazemos isso. É fascinante que esse mito persista. Recebo essa pergunta o tempo todo", disse Steve Satterfield, vice-presidente de privacidade do Facebook.

Sobre os áudios gravados e transcritos, Facebook e Google dizem que o objetivo era melhorar o funcionamento de inteligências artificiais e aprendizado de máquina. E que as gravações só aconteciam se o usuário optasse por participar de programas de transcrição.

Mesmo assim, após pressão de autoridades e de consumidores, elas decidiram suspender a prática. Em breve, ela deve ser retomada pelo Google.

Dá pra acreditar na resposta oficial das companhias? Alguns testes tentaram "flagrar" uma suposta espionagem via áudio, sem sucesso (leia mais ao fim da reportagem).

Porém, a credibilidade das gigantes de tecnologia tem sido questionada por causa da pouca transparência em relação ao que fazem com o imenso volume de dados que circulam em seus sistemas. E esses dados podem ser a resposta para entender como elas conseguem ser tão eficazes na propaganda direcionada.

Elas precisam ouvir?

Ex-funcionários já negaram publicamente que as empresas estariam nos escutando em segundo plano (quando o microfone não está sendo usado). Justamente porque as companhias têm à disposição uma grande quantidade de dados para usar em publicidade.

Segundo Google e Facebook, é esse tipo de dado on-line — e não nossas conversas — que serve para fazer direcionamento de propaganda.

“Às vezes, é possível que você veja publicidade sobre algo que aconteceu na sua vida, mas é nosso trabalho. Estamos fornecendo publicidade relevante”, afirma Satterfield.

Essas gigantes já sabem qual celular usamos, a conexão que temos, onde vamos, o endereço de IP ao qual estamos conectados, etc. As empresas conhecem quem são nossos amigos mais próximos, com quem conversamos todos os dias, nossos gostos, quem está conectado na mesma rede Wi-Fi.

Este, aliás, é o negócio principal dessas empresas. Embora façam diversos produtos, é com publicidade que elas ganham dinheiro. E não é pouco. Em 2018, o Google faturou US$ 116,3 bilhões com a venda de propaganda direcionada; o Facebook fez US$ 55 bilhões.

Ainda segundo ex-funcionários, que já falaram sobre o assunto com jornais, espionar as conversas em áudio também implicaria em problemas técnicos. Seria necessário ouvir, armazenar e entender o contexto de conversas de 2 bilhões de usuários em centenas de idiomas.

Privacidade x negócios: o desafio das gigantes de tecnologia

Ainda segundo ex-funcionários, que já falaram sobre o assunto com jornais, espionar as conversas em áudio também implicaria em problemas técnicos. Seria necessário ouvir, armazenar e entender o contexto de conversas de 2 bilhões de usuários em centenas de idiomas.

Existem também razões legais para não escutar as pessoas em segundo plano, que podem deixar as empresas em apuros: esse tipo de coleta de informação não está nos termos de uso das plataformas e já houve negativas públicas, inclusive do próprio Mark Zuckerberg, no Congresso dos Estados Unidos.

Ao Congresso dos EUA em 2018, Zuckerberg negou que Facebook acessasse áudio de usuários

Isso também poderia ser um mau negócio. Segundo Fatemeh Khatibloo, analista da consultoria Forrester, uma das mais respeitadas dos EUA, se empresas como o Facebook estivessem escutando conversas secretamente, todo o mercado de publicidade seria prejudicado.

Para ela, consumidores iriam se sentir ameaçados e procurariam ferramentas para coibir publicidade, como bloqueadores de anúncio. “O ecossistema de publicidade digital só consegue aguentar um determinado número de violações de privacidade antes de entrar em colapso”, escreveu.

Rastros on-line

O fato é que compartilhamos mais informações com as empresas do que às vezes sabemos ou percebemos.

Além dos dados que coletam, elas conseguem informações submetidas por anunciantes. Se você se cadastrou em um serviço para receber benefícios de uma empresa, isso vai para uma base de dados — que pode ser inserida no Facebook, por exemplo, para direcionar publicidade para você.

De acordo com o Facebook, isso acontece sem que os anunciantes saibam quem você é.

Sabe quando você está procurando por um tênis e depois ele aparece em todos os sites que você acessa?

É por causa de ferramentas como o Adsense, do Google, e Pixel, do Facebook, que mapeiam nossos passos on-line, cliques e até compras.

"O Google não coleta conversas por meio de microfones de dispositivos para fins publicitários", declarou a empresa em nota. "O Assistente apenas envia o áudio para o Google depois que o dispositivo detectar que você iniciou uma interação. Por exemplo, ao dizer 'Ok Google' ou ao ativar manualmente o Assistente".

“[Usamos] as páginas que você segue, as informações que você coloca em seu perfil, e os posts e anúncios com os quais você interage, por exemplo, além do público para o qual o anunciante quer que os seus anúncios sejam mostrados", disse o Facebook ao G1.

As empresas pode saber até como nos movimentamos. No exterior, o Uber, por exemplo, tem um sistema que mede as informações disponibilizadas pelo GPS, acelerômetro, giroscópio e outros sensores dos smartphones do passageiro e do motorista para detectar uma freada brusca e possível batida.

Nesses casos, envia uma notificação que, entre várias opções, permite até ligar para a polícia. O Google está trabalhando em uma funcionalidade semelhante.

Falta transparência

Se você se surpreendeu com o tanto que as empresas sabem sobre a sua vida, saiba que a sensação é compreensível. Para André Ferraz, presidente da InLoco, empresa brasileira que trabalha com dados de geolocalização para publicidade e segurança, falta transparência para que o usuário saiba exatamente quais informações são coletadas e como são utilizadas.

“Como nós criamos mecanismos em que a sociedade consiga auditar os dados coletados e para onde ele está sendo enviado? É muito difícil para o consumidor fazer isso”, disse.

É por isso que os dados coletados são, ao mesmo tempo, os principais ativos e os principais riscos, segundo Rohit Ghai, presidente da empresa de segurança digital RSA, subsidiária da Dell.

"Ser transparente com os dados é obrigatório para as empresas hoje. É uma questão complicada, o consentimento precisa conviver com um consumidor bem informado”, afirmou Ghai.

O que as empresas sabem?

Mark Zuckerberg no evento anual do Facebook na Califórnia, quando mudou os rumos da rede social, focando em grupos privados em vez de postagens públicas.

Stephen Lam/Reuters

O Facebook conta com uma página com informações de preferências de anúncios, que mostra o que a plataforma sabe sobre o usuário.

Para acessar, clique no menu do Facebook:

Depois, clique em "configurações";

E então em "anúncios".

O Google também disponibiliza informações sobre dados coletados na página de configurações da conta.

Nessa página do Google é possível:

Fazer o check-up de privacidade e decidir quais dados você quer que o Google colete;

Ver as configurações de "Privacidade e personalização" e também o "Controle de atividade". Nessa aba é possível ter acesso aos históricos de dados coletados;

Acessar a "Personalização de anúncios", que mostra os interesses que o Google já mapeou e uma opção para desativar essa configuração.

Testes com áudios

Sem confiar nas declarações de Google e Facebook, pessoas e empresas já fizeram testes para tentar aferir se existe alguma escuta escondida.

A companhia britânica de segurança digital Wandera, especializada em gerenciamento de dados em celulares, fez um teste com rigor científico usando smartphones.

Dois aparelhos foram isolados em uma sala e submetidos a uma playlist de vídeos sobre alimentos para animais de estimação. Outros dois eram mantidos em silêncio, numa outra sala.

No fim, a Wandera acessou redes sociais nesses aparelhos e não encontrou publicidade sobre o tema dos áudios. Os aplicativos não estavam ativando os microfones sozinhos e não foram encontrados indícios de consumo maior de dados, nem de bateria.

Resultado semelhante foi encontrado pela analista da consultoria Forrester, Fatemeh Khatibloo. Após receber reclamações de mais de 20 colegas de trabalho sobre supostas escutas, ela também mediu tráfego de dados em aparelhos com permissão de acesso ao microfone e não encontrou mudanças na quantidade de dados.

Fonte: G1

R10 no Facebook:
imprimir
Veja também
TV R10

»

Jornal Portal R10

»

Brasileira Por Giva Ferreira

Vice-Prefeita Patrícia Pimentel recebe engenheiros da SAF

Blog do Lucão (Timon e Região dos Cocais) Por Lucas Stefano

Civil/Timon prende acusado de receptação e tráfico no 'Pedro Patrício'

Cocal Por Redação

Cocal | Vereadores querem devolver direitos a professores

São João da Varjota Por R10 municípios

Saúde de São João da Varjota realiza ação do Novembro Azul

Dom Expedito Lopes Por Ironete Dantas

Educação de Dom Expedito Lopes realiza o 1º Ciclo de Formação

Mais lidas da semana

»

Municípios
© Copyright 2019 - Portal R10 - Todos os direitos reservados
R10 TV Municípios Colunas Anuncie Fale conosco
Site desenvolvido pela Lenium