Sexta, 15 de novembro de 2019
(86) 98111-9939
Receba notícias pelo WhatsApp WhatsApp
Política - Crise no PSL

Postada em 24/10/2019 ás 15h15

Publicada por: Geysa Silva

Joice usa recurso público de gabinete em guerra digital
A deputada teria usado sua cota parlamentar para pagar uma empresa que gerencia suas redes sociais
Joice usa recurso público de gabinete em guerra digital

Foto: Divulgação

Ex-líder do governo no Congresso, a deputada federal Joice Hasselmann (PSL-SP) utiliza dinheiro de sua cota parlamentar para pagar uma empresa que gerencia suas redes sociais, usadas como armas na guerra digital que trava com os filhos do presidente Jair Bolsonaro.

A EG Consult, sediada no Rio de Janeiro, recebe R$ 2.500 mensais da verba pública para, entre outras tarefas, administrar um grupo de Whats-App em que a deputada rebate acusações de traição e critica adversários.

Joice tem denunciado o uso de uma estrutura sediada no Palácio do Planalto para coordenar "milícias digitais" usadas contra desafetos do governo. Ela afirma que essa rede, que passou a tê-la como alvo e seria chefiada pelos filhos de Bolsonaro, teria 20 perfis no Instagram alimentando uma rede de cerca de 1.500 páginas.

A proprietária da EG Consult, Elisa Gomes de Oliveira de Morais, é administradora e criadora do grupo de WhatsApp "Joice, eu apoio!", parte da estrutura de comunicação da deputada.

Mensagens enviadas para o grupo são respondidas de forma automática com a assinatura "Atendimento JH".

Esse serviço não aparece discriminado nas notas fiscais emitidas até o mês passado pela EG Consult para receber o dinheiro da cota da deputada. As notas citam "geração de materiais de ordem gráfica e multimídia, gerenciamento, atendimento e suporte aos usuários das plataformas de comunicação utilizadas pela deputada federal", e mencionam Facebook, Instagram, YouTube e Twitter.

A cota parlamentar é uma verba da Câmara criada para custear despesas do mandato. Entre os gastos previstos está "divulgação da atividade parlamentar", segundo ato da Mesa Diretora da Câmara de 2009, que regulamentou o uso dos recursos.

O conteúdo das redes sociais de Joice, no entanto, inclui mais do que a exposição de sua atividade como deputada federal. Textos e vídeos com ataques a opositores são frequentes.

O mesmo ocorre com o grupo de WhatsApp gerenciado por Morais. Nos dias seguintes à destituição de Joice do cargo de líder do governo, a administradora postou: "Joice nunca traiu o governo. Isso é discurso de quem é membro do Gabinete do Ódio".

A referência é a uma estrutura com três assessores da Presidência -Tercio Arnaud Thomaz, 31, José Matheus Salles Gomes, 26, e Mateus Matos Diniz, 25- que seriam parte da chamada "milícia digital".

Em outro diálogo, Morais reage a um membro do grupo que chama Joice de "traidora disfarçada de justiceira".

"Não existe nenhuma traidora aqui. Que saiam [do grupo] todos os fakes e MAVs", disse ela, em referência à sigla para Militância em Ambientes Virtuais.

A administradora também postou um banner com texto em que Joice diz: "Os filhos dele [Bolsonaro] estão induzindo ele ao erro constante e enterrando o governo. Vou proteger o presidente até mesmo dos próprios filhos. Sigo lutando pelo Brasil".

O contrato com a Eg Consult foi assinado no mês de junho. Segundo a deputada, a razão foi a necessidade de prestar contas do mandato e ouvir as pessoas que a procuram.

OUTRO LADO

"São milhões de seguidores e cidadãos que precisam ser atendidos, de modo que eu, sozinha, infelizmente não tenho condições de atender a todos", afirmou a deputada federal Joice Hasselmann, por meio de nota.

Segundo a parlamentar, as postagens em redes sociais que são ataques a adversários são de sua responsabilidade. "Se eu for atacada, irei rebater. A empresa não tem nada a ver com esse tipo de conteúdo", declarou.

Isso não se aplica ao grupo de WhatsApp, porém, em que os textos são de responsabilidade da proprietária da EG Consult, de acordo com registros obtidos pela reportagem.

Segundo a parlamentar, a ação da empresa contratada por seu gabinete não tem semelhança com a milícia virtual que ela denuncia.

"Estamos falando de uma empresa regulamentada que presta serviços, que tem CNPJ, que emite notas fiscais. [...] A milícia digital atua por baixo dos panos, são perfis fakes que fingem não estar vinculados a determinadas pessoas e que espalham discurso de ódio", afirma.

A reportagem não conseguiu contato com Elisa Morais, dona da EG Consult.

Fonte: Folhapress

R10 no Facebook:
imprimir
Veja também
TV R10

»

Jornal Portal R10

»

Blog do Lucão (Timon e Região dos Cocais) Por Lucas Stefano

Colégio Militar 2 de Julho divulga locais de prova para processo seletivo

Sigefredo Pacheco Por Neto Soares

Investimento em formação

Conceição do Canindé-PI Por Roni Silva

Secretária Social promove dia de laser com crianças do município

São João do Arraial-PI Por Leônidas Silva

Prefeitura realiza reunião para tratar sobre o Pelotão Mirim Municipal

São João da Serra Por Cosme Jales

Acompanhado da família, vereador Carlos Cezar participa de culto gospel

Mais lidas da semana

»

Municípios
© Copyright 2019 - Portal R10 - Todos os direitos reservados
R10 TV Municípios Colunas Anuncie Fale conosco
Site desenvolvido pela Lenium