Segunda, 03 de agosto de 2020
86 9 9834-2372
Receba notícias pelo WhatsApp WhatsApp
[email protected]
86 9 9834-2372
Radar Político

Radar Político

Radar Político Últimas notícias, entrevistas, reportagens e análises sobre o que acontece na política.

[email protected]

86 9 9834-2372

Política - Liminar

Postada em 01/11/2019 ás 09h32

Publicada por: Geysa Silva

Prefeito de Barro Duro terá mais de R$ 1 milhão em patrimônio bloqueados
Gestor teria omitido informações sobre pagamentos de títulos e está na mira do MP
Prefeito de Barro Duro terá mais de R$ 1 milhão em patrimônio bloqueados

Foto: Divulgação

O prefeito do município de Barro Duro, Deusdete Lopes da Silva, teve mais de R$ 1 milhão em bens bloqueados através de uma liminar da Justiça. É que a promotoria do município ajuizou cinco ações de improbidade administrativa em face do atual gestor, que teria omitido, de acordo com as denúncias, sobre o pagamento de títulos executivos emitidos pelo Tribunal de Contas do Estado. Cada uma das ações corresponde a um débito, com os valores de R$ 77.948,41, R$ 168.787,32, R$ 13.583,07, R$ 321.720,16 e R$ 420.368,88. Com isso, o gestor teria uma para com o erário municipal de R$ 1.002.407,84.

Para entender melhor, os títulos executivos são atos jurídicos que atestam a existência de um débito e legitimam a cobrança ao responsável. No caso de Barro Duro, o TCE analisou as contas municipais e decidiu que o gestor, enquanto pessoa física, teria a obrigação de pagar as quantias indicadas, ressarcindo-as aos cofres públicos. Mesmo após vários meses da recomendação do MP, nenhuma providencia foi tomada e assim sendo, o promotor de Justiça Ari Martins cita que a inércia do gestor configura ato de improbidade administrativa.

Decisões

Deusdete terá as contas bloqueadas. A juíza de Direito Tallita Cruz Sampaio, da Vara Única de Barro Duro, deferiu as medidas liminares, expedindo decisões-mandados que determinam o bloqueio de valores em contas bancárias e caso esses recursos não sejam suficientes para a cobertura das dívidas, deverá também ser efetivado o bloqueio dos bens móveis e imóveis.

O Ministério Público também requereu a condenação do prefeito às sanções previstas na Lei de Improbidade Administrativa: perda da função pública, ressarcimento do dano, suspensão dos direitos políticos, pagamento de multa civil e proibição de contratar com o Poder Público por tempo determinado.

Outro Lado

O R10 tentou contato com o gestor para comentar o assunto, mas não obteve sucesso. O espaço segue aberto.

O conteúdo divulgado aqui neste espaço através de fotos, textos, vídeos e/ou opiniões são de inteira responsabilidade de seus autores. O conteúdo divulgado não expressa e não mantém nenhuma relação com a linha editorial e a visão do PortalR10.
R10 no Facebook:
imprimir
Veja também
Jornal Portal R10
Últimas
Mais lidas da semana
TV R10
© Copyright 2020 - Portal R10 - Todos os direitos reservados
R10 TV Municípios Colunas Anuncie Fale conosco
Site desenvolvido pela Lenium