Quarta, 11 de dezembro de 2019
(86) 98111-9939
Receba notícias pelo WhatsApp WhatsApp
[email protected]
(86) 99915-1055
Saúde

Saúde

Saúde é vida Tudo sobre saúde!

[email protected]

(86) 99915-1055

Saúde - Ócio sem culpa

Postada em 05/11/2019 ás 15h00

Publicada por: Bruna Sampaio

Pesquisas indicam que preguiça faz bem para a saúde
Estudo indica que pouca atividade pode fazer com que cérebro trabalhe mais.
Pesquisas indicam que preguiça faz bem para a saúde

Lucy diz que o ócio aumenta a criatividade

Lucy Gransbury se autointitula preguiçosa e diz que "tem orgulho disso".

"A gente não gosta de fazer drama porque tem preguiça de lidar com isso", diz Lucy, se referindo a ela mesma e outras pessoas que ela conhece.

Se você é mais propenso à preguiça — a aversão a se exaurir — pode ser que se sinta culpado por seu comportamento.

Mas Lucy, uma atriz de Melbourne, na Austrália, argumenta que ser preguiçoso não é tão ruim quanto parece – e pesquisas na verdade corroboram essa teoria dela.

Ócio criativo

Lucy diz que muitas invenções são motivadas pela preguiça, ou seja, o desejo de fazer menos esforço.

"A roda foi uma. Eles a inventaram porque era muito difícil arrastar as coisas para todo lugar... Invenções na verdade são uma forma de ter conveniência — como o telefone. Demorava muito para ir até a casa do vizinho e dizer oi."

E ela não é a única com esse pensamento.

O criador da Microsoft Bill Gates já disse que ele escolheria uma pessoa preguiçosa para fazer um trabalho difícil porque ela descobriria o jeito mais rápido de fazê-lo.

Preguiça faz o cérebro trabalhar mais

Será que existem bases científicas para isso?

O pesquisador da Universidade de Oxford Masud Husain afirma que ser preguiçoso pode fazer com o que cérebro trabalhe mais.

Ele fez um experimento para ver se há diferenças entre os cérebros das pessoas preguiçosas e das pessoas não preguiçosas.

Seus pacientes foram divididos em categorias (motivados, apáticos e meio-termo) com base em um questionário. Depois foram testados.

"O teste perguntava se diferentes recompensas valiam o esforço físico", explica ele. "Variávamos a recompensa e o esforço exigido para consegui-la. O esforço era que eles tinham que apertar com as mãos para conseguir a recompensa."

O resultado foi que, para surpresa de ninguém, o grupo preguiçoso era menos propenso a fazer muito esforço para obter uma recompensa. Mas as tomografias revelaram algo interessante.

"Os cérebros das pessoas apáticas era diferente do cérebro das pessoas mais motivadas, não em termos de estrutura, mas em termos do nível de atividade que eles exibiam quando estavam tomando decisões", diz Husain, que é professor de Neurociência Cognitiva em Oxford.

"Surpreendentemente descobiramos que os cérebros das pessoas apáticas era na verdade mais ativo que o cérebro das pessoas motivadas", afirma.

"É como se fosse mais difícil para eles tomar aquela decisão. E havia um custo mais alto para seus cérebros em termos de tentar avaliar se algo era válido ou não."

Ou seja, diz ele, seus cérebros trabalhavam mais. "E, claro, atividade mental vem com um custo. Você gasta combustível, queima energia no cérebro para tomar essas decisões – quando os neurônios estão ativos, eles estão consumindo energia."

Fonte: BBC

O conteúdo divulgado aqui neste espaço através de fotos, textos, vídeos e/ou opiniões são de inteira responsabilidade de seus autores. O conteúdo divulgado não expressa e não mantém nenhuma relação com a linha editorial e a visão do PortalR10.
R10 no Facebook:
imprimir
Veja também
Jornal Portal R10
Últimas
Mais lidas da semana
TV R10
Municípios
© Copyright 2019 - Portal R10 - Todos os direitos reservados
R10 TV Municípios Colunas Anuncie Fale conosco
Site desenvolvido pela Lenium