Quarta, 11 de dezembro de 2019
(86) 98111-9939
Receba notícias pelo WhatsApp WhatsApp
Nova Comunicação 1
[email protected]
(86) 99915-1055
Sexo e Prazer

Sexo e Prazer

Prazerosos Tudo sobre o universo sexual.

[email protected]

(86) 99915-1055

Geral - Inglaterra

Postada em 19/11/2019 ás 14h36

Publicada por: Bruna Sampaio

Primeiro Museu da Vagina é inaugurado; entrada é gratuita
O objetivo do museu é educar e desbancar mitos sobre a anatomia e saúde feminina.
Primeiro Museu da Vagina é inaugurado; entrada é gratuita

(LoulouVonGlup/Getty Images)

Depois do museu do pênis, chegou a hora da vagina ganhar um espaço só pra ela. No último final de semana (16), foi inaugurado o primeiro museu dedicado exclusivamente à anatomia ginecológica feminina. O Museu da Vagina fica localizado no Mercado de Camden, em Londres, e pretende esclarecer informações sobre o órgão, um assunto que ainda é tratado como tabu na sociedade.

A inspiração para a criação do museu da vagina veio justamente do seu equivalente masculino: o museu do pênis, chamado oficialmente de Museu Falológico Islandês. Ele fica em Reykjavík, capital da Islândia. O acervo conta com mais de 280 órgãos retirados de diversas espécies e foca nos aspectos anatômicos e científicos do pênis.

“Eu percebi que não havia um equivalente feminino ao museu do pênis e decidi criar um”, disse a diretora Florence Schechter em entrevista ao The Guardian. Mas não espere encontrar centenas de vaginas e clitóris conservados em vidros. A finalidade do museu não é só focar na anatomia feminina, mas também abordá-la por um viés social por meio da história e o que ela representa atualmente.

A primeira exposição do museu trata de mitos populares sobre a vagina, incluindo aparência, limpeza, menstruação e sexo. Os “produtos vaginais” encontrados em farmácias — como desodorantes, cremes e géis que prometem acabar com o cheirinho desagradável — também são alvo de crítica da exposição. “Não há como criar um produto único para todas as vaginas porque cada uma tem uma microbiota muito delicada e particular” diz a diretora.

O museu nasceu graças a uma campanha de arrecadação que recebeu 50 mil libras (R$272 mil) de mais de mil doadores. A entrada é gratuita, mas o museu ainda aceita doações de visitantes e vende dezenas de produtos relacionados à vagina, incluindo esse peculiar pingente em forma de vulva.

Além das exposições, o museu também conta com performances, eventos e workshops no mínimo interessantes. Um deles ensina os visitantes a fazer uma vulva ou clitóris de tricô, enquanto outro testa os conhecimentos do público com um quiz sobre as partes femininas.

Fonte: Superinteressante

O conteúdo divulgado aqui neste espaço através de fotos, textos, vídeos e/ou opiniões são de inteira responsabilidade de seus autores. O conteúdo divulgado não expressa e não mantém nenhuma relação com a linha editorial e a visão do PortalR10.
R10 no Facebook:
imprimir
Veja também
Jornal Portal R10
Últimas
Mais lidas da semana
TV R10
Municípios
© Copyright 2019 - Portal R10 - Todos os direitos reservados
R10 TV Municípios Colunas Anuncie Fale conosco
Site desenvolvido pela Lenium