Quarta, 20 de Janeiro de 2021
86 9 9821-9621

Redação

Whatsapp / Sugestôes

(86) 99821-9621

Cristina

Publicidade

(86) 98195-0154

24°

22° 30°

Teresina - PI

Últimas notícias
Sexo e Prazer
Sexo e Prazer
Tudo sobre o universo sexual.
Geral Sexo e prazer
25/11/2019 10h10 Atualizada há 1 ano
Por: Bruna Sampaio

Expressões 'safadas' podem aumentar o prazer no sexo; saiba como usar

Especialista dá dicas de como apostar no vocabulário na hora H.

Foto: reprodução
Foto: reprodução

Segundo a máxima popular, mais importante que o que falar é como falar. Se a premissa vale para praticamente qualquer situação, no sexo as expressões que usamos e como as reproduzimos são determinantes: podem tanto apimentar a transa quanto quebrar o clima. A questão é: como evitar a segunda situação?

Para o sexólogo e psicoterapeuta André Almeida, tudo é questão de diálogo. “Quando há intimidade na relação é possível perguntar abertamente sobre as preferências sexuais do parceiro(a), inclusive se tratando de dirty talk”, explica.

Já quando a transa é casual e não sobra muito tempo para apresentações, vale ponderar alguns termos que podem ofender a pessoa. “Em vez de chamar a parceira de ‘safada’, por exemplo, pode-se elogiar o corpo dela, dizer o que gostaria que ela fizesse. O mesmo funciona para os homens.”

Continua depois da publicidade

O que excita

A rede social adulta Sexlog ouviu 550 usuárias sobre o tema e descobriu que 84% delas adoram ouvir palavras realmente “sacanas” entre quatro paredes – incluindo alguns xingamentos –, enquanto 16% preferem receber elogios e declarações românticas. Apenas 10% das participantes afirmaram gostar de sexo em silêncio.

Outro estudo, do jornal britânico Daily Star, focado no público masculino, revelou que eles também adoram um diálogo picante.

Continua depois da publicidade

Para 30% dos participantes, ouvir algo como “vamos mais forte” aumenta o tesão. Logo em seguida na preferência, com 27%, estão expressões que soam como “eu quero você agora”; outros 23% revelaram gostar de ouvir “estou sentindo você bem forte”. Por fim, eles também apreciam elogios sobre o tamanho do pênis e outras partes do corpo.

Falar com jeitinho

E se a timidez bater? Enquanto falar sacanagem na hora H é bastante apreciado por homens e mulheres, um comportamento silencioso pode ser interpretado como falta de empolgação. Mas sem neuras, para tudo há solução.

Continua depois da publicidade

“Além da combinação das palavras, a forma como elas são ditas e o estado de espírito da pessoa têm muita influência em como aquela comunicação será recebida”, comenta o especialista.

A orientação mais importante é: “aja naturalmente”. Afinal, não adianta nada seguir um repertório com o qual você não se identifica. Lembre-se: “como” é mais importante que “o quê”.

Romance?

Frases que parecem inocentes, como “adoro a sensação da sua boca na minha pele”, podem ser o suficiente para despertar a imaginação do parceiro(a). Se ainda assim as palavras sumirem no calor da emoção, utilize os sentidos: gemer e sussurrar algo no ouvido, por exemplo, pode ser incrivelmente estimulante.

Quer apostar no romance? Sem problemas também. “É importante entender se a declaração vale para o contexto e se aquilo seria excitante para o momento. Em ambientes propícios, o ‘eu te amo’ tem o seu valor”, esclarece Almeida.

Diga o que quer e como está se sentindo

Uma forma de elevar o sexo para outro nível é dizer o que deseja. Além de praticar o glossário indecente, a iniciativa ajuda o outro a entender como proporcionar prazer, para que ambos cheguem ao orgasmo. A dica é expor como quer ser tocado, em que intensidade ou um fetiche que pensa em realizar.

Se os envolvidos curtirem o clima de dominação, ordenar pode ser ainda mais interessante – tanto para quem manda quanto para quem obedece. Narrar o seu ponto de vista da cena e revelar como seu corpo está reagindo ao estímulo sexual também pode levar o parceiro à loucura.

E o tapinha? Dói?

Se ambos estiverem com vontade, se o gesto não machucar e a intenção for cobrir o outro com carícias logo em seguida, os tapinhas não vão doer. Pelo contrário, podem ser um fetiche poderoso. O cuidado, aqui, é na dose e no respeito. “Considere as vivências e construções sociais do outro e tenha cautela ao reproduzir comportamentos com vieses pornográficos.”

Dúvidas esclarecidas? É falar para gozar e ser feliz.

Fonte: Metrópoles
Veja também
Desenvolvido por: Lenium®