Terça, 20 de Abril de 2021
86 9 9821-9621

Redação

Whatsapp / Sugestôes

(86) 99821-9621

Cristina

Publicidade

(86) 98195-0154

32°

23° 31°

Teresina - PI

Últimas notícias
Famosos
Famosos
Tudo sobre o mundo das celebridades.
Entretenimento Apresentador
30/12/2019 17h22
Por: Bruna Sampaio

Laudo médico da morte de Gugu Liberato é divulgado; veja detalhes

Foto Divulgação
Foto Divulgação

O

laudo do médico perito relativo à morte de Gugu Liberato foi liberado ao público pelo Estado da Flórida no último dia 27, pouco mais de um mês após a morte do apresentador, que sofreu um acidente ao cair do sótão de sua casa em Orlando, nos Estados Unidos.

Segundo o documento, solicitado pelo E+ e recebido neste mês de dezembro, a data oficial da morte de Gugu Liberato é indicada como 21 de novembro de 2019, um dia antes do anúncio da morte feito pela assessoria do apresentador. 

Continua depois da publicidade

Foram constatadas "contusões na cabeça e pescoço, com equimose periorbital à direita. Hemorragia subaracnóide, fraturas do osso parietal direito, fraturas na têmpora direita, hematomas subdurais bilaterais".

Na região do torso, "contusões na parte superior direita do tórax, parte lateral direita do tórax, parte superior esquerda do tórax e parte lateral esquerda do tórax e centro do tórax".

Também são citadas "fratura na primeira vértebra lombar" e "contusões na coxa anterior esquerda“.

"Em consideração às circunstâncias que cercam sua morte, e após examinação do corpo, análise toxicológica e revisão da avaliação dos registros médicos, é minha opinião que a morte de Antonio Liberato, homem branco de 60 anos, que caiu através do teto de seu sotão para o chão e foi transportado para o hospital na sequência, é resultado de um traumatismo craniano", concluiu Joshua D. Stephany, médico perito responsável por analisar o caso de Gugu. A morte também é declarada como "acidente".

O exame toxicológico de Gugu Liberato indicou negativo para substâncias como etanol, acetona, metanol, isopropanol, anfetaminas, barbitúricos, benzodiazepinicos, buprenorfina, canabióides, opioides, metabolito de cocaína e fentanil.

Fonte: Estadão
Veja também
Desenvolvido por: Lenium®