Sexta, 21 de fevereiro de 2020
86 9 9834-2372
Receba notícias pelo WhatsApp WhatsApp
CCOM - Campanha Cachoeiras do Piauí
Saúde - Contaminação

Postada em 18/01/2020 ás 09h20 - atualizada em 18/01/2020 ás 09h31

Publicada por: Francine Dutra

Anvisa interdita todas cervejas produzidas pela Backer
A população não deve consumir lotes de cervejas da Backer com validade igual ou posterior a agosto
Anvisa interdita todas cervejas produzidas pela Backer

Foto: Divulgação/Backer

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) interditou todas as cervejas produzidas pela Backer cuja data de validade seja igual ou posterior a agosto de 2020. A medida foi anunciada nesta sexta (17) pela autarquia. A decisão foi tomada após os resultados laboratoriais divulgados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) revelarem a presença das substâncias dietilenoglicol e monoetilenoglicol em seis outras marcas de cervejas produzidas pela Backer, além da marca Belorizontina.

Inicialmente, as duas substâncias foram encontradas na Belorizontina, que é vendida como Capixaba no Espírito Santo. Quatro mortes por intoxicação após o consumo da cerveja foram confirmadas. Mais 14 pessoas estão internadas.

Segundo a Anvisa, exames podem mostrar que a fonte de contaminação nas cervejas da marca pode ser sistêmica e não apenas pontual. Considerando que outros lotes de produtos da Backer podem estar comprometidos, a agência decidiu pela medida, em caráter cautelar.

Assim, os lotes de cerveja da empresa Backer com validade igual ou posterior a agosto de 2020 não podem ser entregues ao consumidor. A orientação é para que estas cervejas não sejam consumidas caso já tenham sido adquiridas. Os comerciantes devem retirar o produto das prateleiras. No início da semana, o Ministério da Agricultura havia determinado o recolhimento de todas as cervejas da Backer das prateleiras.

O dietilenoglicol é uma substância tóxica e que não pode entrar em contato com alimentos e bebidas. A presença da substância na cerveja está associada à ocorrência de óbitos e intoxicações em Minas Gerais. O monoetilenoglicol, embora de menor toxicidade, também tem a presença em bebidas vedada por não fazer parte da composição destas.

O monoetilenoglicol é usado para refrigerar a água usada no preparo da cerveja, mas não deve entrar em contato direto com ela. A Polícia Civil de Minas Gerais e o Ministério da Agricultura investigam como a contaminação ocorreu.

Fonte: Agência Brasil

R10 no Facebook:
imprimir
Veja também
TV R10

»

Jornal Portal R10

»

Francinópolis Por Odair Morais

Educação de Francinópolis conquista o Selo de Qualidade da Undime

São João dos Patos - MA Por Cleyton Luis

Entrevista com a secretaria da sendelcjuv Elziane Miranda fala do carnaval

Miguel Leão Por Edverton de Oliveira Monte

Prefeito Robertinho assina contrato para construção de praça em Miguel Leão

Blog do Lucão (Timon e Região dos Cocais) Por Lucas Stefano

Com12,84% de reajuste professores de Timon receberão acima do piso nacional

Oeiras Por R10 municípios

Secretaria de Assistência Social realiza blitz educativa em Oeiras

Mais lidas da semana

»

Municípios
© Copyright 2020 - Portal R10 - Todos os direitos reservados
R10 TV Municípios Colunas Anuncie Fale conosco
Site desenvolvido pela Lenium