Sexta, 19 de outubro de 2018
(86) 99915-1055
Geral - Alerta

Postada em 26/01/2018 ás 16h54 - atualizada em 26/01/2018 ás 17h02

Publicada por: Bruna Dias

Veja dicas para proteção a crianças e adolescentes nas festas carnavalescas
As orientações são baseadas no Estatuto da Criança e do Adolescente.
Veja dicas para proteção a crianças e adolescentes nas festas carnavalescas

Foto: Ellyo Teixeira/G1

O Ministério Público do Estado do Piauí (MPPI), deu orientações, baseadas no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), à população para assegurar a proteção aos direitos de crianças e adolescentes durante o período carnavalesco. 

Confira: 

 1. Presença de crianças e adolescentes em bailes carnavalesco, marcha, corso, etc: De acordo com o artigo 149 do Estatuto da Criança e do Adolescente, a presença de crianças ou adolescentes quando desacompanhados de seus pais ou responsáveis pode ser regulamentada pela autoridade judiciária, como a imposição de limite de idade para participação em determinados eventos. Tem como objetivo a proteção do público infantojuvenil. Essa restrição dirige-se apenas para crianças ou adolescentes desacompanhados dos pais ou responsáveis. Caso esses se encontrem presentes, compete a eles a decisão da participação ou não de seu filho no evento.

2. Os responsáveis por estabelecimentos onde serão realizados bailes e outros eventos de carnaval devem coibir a venda e o fornecimento de bebidas alcoólicas ou outras substâncias que causem dependência física ou psíquica a crianças ou adolescentes sob pena de cometimento do crime previsto no art. 243 do Estatuto da Criança ou Adolescente, com pena de 2 a 4 anos de prisão e multa. Nesse caso deve ser acionada a Policia Militar ( 190) para adoção das providências legais, por meio da prisão em flagrante e encaminhamento à Delegacia de Policia.

3. Deve-se evitar a participação de crianças ou adolescentes em desfiles e bailes de ruas. Se isso ocorrer, no entanto, sugere-se colocar nas crianças um pulseira de identificação, com nome e contato dos responsáveis. Com adolescentes sugere-se marcar local de encontroa para chegada e saída. Evite estar próximos de grupos eufóricos e de carros de som ou alegóricos afim de se evitar acidentes.

4. Não constitui dever do Conselho Tutelar regular ou fiscalizar a entrada ou permanência de crianças ou adolescentes em bailes e eventos carnavalescos. É obrigação do responsável pelo evento. No entanto, o Conselho Tutelar pode a qualquer momento adentrar os espaços onde estão sendo realizados esses eventos afim de verificar se há crianças ou adolescentes em desrespeitos às normas legais. Os responsáveis que impedirem a atuação do Conselho Tutelar cometem o crime previsto no artigo 236 do Estatuto da Criança ou do Adolescente.

5. A participação de crianças ou adolescentes em concursos de beleza, como “rainha do carnaval”, desfiles de fantasia ou outros espetáculos públicos como integrantes só é possível mediante a solicitação de alvará judicial, por parte da organização do evento, ao Juízo da Infância ou Adolescentes, nos termos do art. 149, II do ECA.

6. No caso de desaparecimento de criança ou adolescente, o fato deve ser comunicado imediatamente à Delegacia de Policia para lavratura de Boletim de Ocorrência, sem a necessidade de se esperar 24 horas para o registro conforme previsto no §2º do artigo 208 do ECA. A autoridade policial deverá iniciar imediatamente as buscas, acionando os demais órgãos envolvidos. Importante também acionar o Conselho Tutelar.

7. Não compete ao Conselho Tutelar a averiguação de eventual prática de ato infracional por adolescente, devendo ser acionada a Policia Militar e a Policia Civil para realização do procedimento de apuração do ato infracional (art. 171 e seguintes do ECA).

8. É imprescindível uma atuação vigilante para se prevenir a violência e exploração sexual de crianças e adolescentes. Trata-se de crime hediondo, punido o violador e quem favorece a violência ou exploração sexual contra crianças e adolescentes. Os casos suspeitos ou confirmados devem ser imediatamente comunicados à Policia Civil, Polícia Militar, Conselho Tutelar e Ministério Público ou ainda pelo Disque 100.

9. Ressalta-se que a Constituição Federal proíbe a realização de qualquer trabalho para crianças e adolescentes menores de 16 anos, sendo permitindo apenas na forma de adolescente aprendiz, a partir dos 14 anos de idade. Dessa forma, não se pode permitir que crianças ou adolescentes trabalhem nesse período, particularmente na venda de bebidas, como flanelinhas, comércio ambulante, etc. Nesse caso deve ser acionado o Conselho Tutelar e o Serviço de Proteção Social do Município imediatamente para os encaminhamentos devidos.

R10 no Facebook:
imprimir
Veja também
TV R10

»

Revista ADV

»

Cristino Castro-PI Por Rai Lima

Secretaria de Assistência Social promove Curso de Culinária em Salgados

Água Branca-PI Por Lenno Oliveira

Adventure Viagens apresenta excursão para Beberibe – CE

Barra D'alcântara Por Cleiton Brito

Secretaria de Saúde de Barra D'Alcântara Recebe Nova Ambulância

Demerval Lobão - PI Por Katia Cruz

Estratégia Saúde da Família realiza ação com crianças

Lagoa do Piauí Por Tarcísio Oliveira

Secretaria de Saúde de Lagoa do Piauí realizou semana da criança

Mais lidas da semana

»

Municípios
© Copyright 2018 - Portal R10 - Todos os direitos reservados
R10 TV Municípios Colunas Anuncie Fale conosco
Site desenvolvido pela Lenium