Segunda, 30 de março de 2020
86 9 9834-2372
Receba notícias pelo WhatsApp WhatsApp
Governo Full Banner Cachoeiras
[email protected]
86 9 9834-2372
Esportes

Esportes

Esportes R10 Tudo sobre esportes no Piauí, Brasil e no Mundo.

[email protected]

86 9 9834-2372

Esportes - Acordo

Postada em 19/02/2020 ás 10h00

Publicada por: Geysa Silva

Acordo do Vasco com Romário tem como garantia receita do Sócio Torcedor
Clube conseguiu reduzir dívida com o ex-jogador, mas teve de apresentar garantias de pagamento
Acordo do Vasco com Romário tem como garantia receita do Sócio Torcedor

Foto: Agência Getty Images

Dono da maior mobilização feita por uma torcida em termos associativos, o Vasco já faz planos e tem destino certo para o dinheiro que espera receber na próxima onda de associação em massa. Vascaínos que contribuírem com o clube estarão pagando por ídolos. Mas não necessariamente do presente. Estarão colaborando para pagar, entre outras dívidas, a que o clube tem com Romário. A verba do sócio torcedor futuro foi dada como garantia de pagamento do acordo que o Vasco fez com o ex-centroavante em dezembro.

O blog teve acesso aos termos do contrato e, nele, consta que Romário aceitou fazer uma redução no valor total da dívida, caindo de pouco mais de R$ 15 milhões para cerca de R$ 12 milhões. Em dezembro, no ato da assinatura, o ex-jogador recebeu R$ 1,8 milhão à vista e concordou em receber o restante parcelado em cerca de 40 vezes (parcelas entre R$ 250 e R$ 300 mil). Com verbas bloqueadas neste início de ano, o clube pediu ao ex-atacante que lhe desse uma carência de alguns meses para o início do pagamento parcelado. Romário aceitou, mas pediu que lhe fossem apresentadas garantias de pagamento.

Foi aí que o Vasco, então, colocou como garantia a verba do sócio torcedor, a partir de junho, pois é nesta data que, possivelmente, os sócios que se associaram em novembro começarão a pagar pelos próximos seis meses.

"É óbvio que todo torcedor quer um time forte e ele participa do sócio torcedor pra ter um time forte, mas o torcedor vascaíno sabe que pra ter um time forte tem que ter um clube com as finanças saudáveis, precisa resolver o endividamento, se não, não paga salário, não traz jogador, não investe na base, então o vascaíno quando vai no sócio torcedor e contribui, e participa, ele sabe qual é a realidade do clube, ele sabe o que tá fazendo em benefício do clube", explicou o presidente Alexandre Campello, sem entrar em detalhes sobre o acordo, que está resguardado por sigilo entre as partes.

A dívida com Romário se arrasta há 12 anos, desde 2008, ano da saída do então jogador do clube, e refere-se a indenizações trabalhistas e verbas rescisórias.

O blog também conversou com os advogados de Romário que confirmaram a existência do acordo.

O que já foi feito com o dinheiro do Sócio Torcedor:

Se a próxima campanha de associação conseguir manter o número de sócios, o clube terá, de fato, um boa receita para pagar dívidas. No fim do ano passado, o torcedor vascaíno promoveu a maior adesão em massa de um clube de futebol. Em cerca de 15 dias, saiu de pouco mais de 32 mil sócios para mais de 180 mil.

O dinheiro, que entrou em novembro, já foi todo gasto. Sendo mais preciso, dos cerca de R$ 22 milhões recebidos, sobraram apenas R$ 79 mil.

Eles foram gastos da seguinte forma:

- R$ 1 milhão para a empresa que administra o programa (Fëng Brasil);

- R$ 1,5 milhão para fazer e entregar as novas carteirinhas, além da comunicação com os sócios

- Cerca de R$ 8 milhões foram para pagar salários

Os cerca de R$ 10 milhões restantes, foram para as parcelas em atraso do Profut. folha de funcionários e contas de consumo:

"Esses R$ 10 milhões foram utilizados para pagar R$ 2,9 milhões de Profut, folha salarial, acho que R$ 150 mil de energia, Light, mais outros pequenos gastos com operação do clube e no final sobravam cerca de R$ 79 mil reais que ficou como caixa do clube", explicou Campello.

Edmundo não aceitou acordo

Além de Romário, o clube tentou acordo com outro credor, Edmundo. As dívidas com eles estavam "penduradas" no contrato de direitos de televisão do clube e, dessa forma, impediam que o Vasco recebesse esta receita.

Edmundo, no entanto, não aceitou fazer acordo reduzindo o montante. E o clube teve de depositar, em dezembro, o valor total devido ao ex-atacante. O depósito foi feito em juízo, isto é, à Justiça para que após a disputa judicial seja encaminhado ao vencedor da ação.

Como está a situação de Edmundo:

- R$ 3.390.710,85 era o total devido ao ex-jogador. - O clube já havia sido penhorado em R$ 491.016,53- Em dezembro, o Vasco depositou R$ 2.899.694,32 em juízo

O blog não conseguiu falar com o advogado do ex-atacante para saber os motivos da negativa do acordo.

 

Fonte: Globo Esporte

O conteúdo divulgado aqui neste espaço através de fotos, textos, vídeos e/ou opiniões são de inteira responsabilidade de seus autores. O conteúdo divulgado não expressa e não mantém nenhuma relação com a linha editorial e a visão do PortalR10.
R10 no Facebook:
imprimir
Veja também
Jornal Portal R10
Últimas
Mais lidas da semana
TV R10
Municípios
© Copyright 2020 - Portal R10 - Todos os direitos reservados
R10 TV Municípios Colunas Anuncie Fale conosco
Site desenvolvido pela Lenium