Domingo, 05 de abril de 2020
86 9 9834-2372
Receba notícias pelo WhatsApp WhatsApp
Campanha CCOM coronavírus
[email protected]
86 9 9834-2372
R10 Policial

R10 Policial

R10 Policial Tudo sobre notícias policiais do Brasil e do mundo.

[email protected]

86 9 9834-2372

Polícia - Crime

Postada em 23/02/2020 ás 10h25 - atualizada em 23/02/2020 ás 11h19

Publicada por: Francine Dutra

Exame confirma que babá dopava criança de 3 anos com Rivotril
Letícia Diz Ramos Queiroz Leoni foi indiciada por tentativa de homicídio.
Exame confirma que babá dopava criança de 3 anos com Rivotril

Remédios apreendidos na casa da babá - Foto: Reprodução

Relatórios do atendimento médico de uma criança, de 3 anos, comprovaram sua intoxicação por Clonazepan, o princípio ativo do Rivotril — remédio usado por adultos no tratamento de ansiedade, convulsão e epilepsia. A menina teria sido dopada por sua babá, Letícia Diz Ramos Queiroz Leoni, de 43 anos, que está presa temporariamente acusada de tentativa de homicídio.

De acordo com a delegada Renata Ribeiro, da Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente de Minas Gerais, a mãe da vítima contratou Leoni há cerca de dois meses para trabalhar como folguista, nos fins de semana, na casa da família. Ela teria notado que a filha estaria demonstrando sonolência, dentre outros sintomas.

"Em uma das ocasiões, a mãe da criança flagrou a babá colocando o Clonazepan em um suco. Questionada, ela teria dito que se tratava apenas de um fitoterápico para acalmar a menina", contou a delegada. A mulher então acionou o Samu e levou a menina para o hospital, onde ela ficou internada por dois dias.

"O uso desse e de outros remédios psiquiátricos poderia ter causado danos irreversíveis a criança, levando até mesmo a sua morte. Nosso apelo, então, é para que as pessoas tenham cuidado ao contratar profissionais para cuidar de nossos bens mais preciosos — os fllhos", alertou a delegada.

Leoni é bacharel em Direito, fala dois idiomas e tem antecedentes criminais por furto a estabelecimentos comerciais. Na casa dela, foram encontrados diversos medicamentos de uso restito. Em depoimento, ela negou todas as acusações e disse que os remédios são para uso próprio.

"Solicitamos ao aplicativo que intermediou a contratação [da babá] todos os possíveis contatos que a investigada possa ter feito com outras famílias, e vamos verificar se outras crianças que estiveram sob os cuidados dela não foram intoxicadas também", informou a também delegada Elenice Cristine Batista Ferreira, chefe da Divisão Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente.

Fonte: Época

O conteúdo divulgado aqui neste espaço através de fotos, textos, vídeos e/ou opiniões são de inteira responsabilidade de seus autores. O conteúdo divulgado não expressa e não mantém nenhuma relação com a linha editorial e a visão do PortalR10.
R10 no Facebook:
imprimir
Veja também
Jornal Portal R10
Últimas
Mais lidas da semana
TV R10
Municípios
© Copyright 2020 - Portal R10 - Todos os direitos reservados
R10 TV Municípios Colunas Anuncie Fale conosco
Site desenvolvido pela Lenium