Sexta, 10 de julho de 2020
86 9 9834-2372
Receba notícias pelo WhatsApp WhatsApp
Banner Governo Junho
[email protected]
86 9 9834-2372
Saúde

Saúde

R10 Saúde Encontre aqui notícias sobre saúde e bem-estar.

[email protected]

86 9 9834-2372

Geral - Coronavírus

Postada em 20/04/2020 ás 17h02

Publicada por: Geysa Silva

Organização Mundial de Saúde compara pandemia à "gripe espanhola"
Tedros Adhanom insistiu na periculosidade do vírus, admitiu que o pior ainda possa estar por vir
Organização Mundial de Saúde compara pandemia à

Foto: Reprodução

O diretor-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, comparou hoje a pandemia de covid-19 à chamada "gripe espanhola" que há um século matou 100 milhões de pessoas mas disse que "desastre" idêntico pode ser evitado. 

Falando numa coletiva de imprensa na sede da organização, em Genebra, Tedros Adhanom Ghebreyesus referiu-se à epidemia de covid-19 como "o inimigo público número um", que combina a capacidade de contágio de uma gripe com a letalidade das epidemias de MERS e SARS (síndromes respiratórios agudos provocados igualmente por coronavírus).

É uma "combinação muito perigosa" que está acontecendo, como aconteceu há cem anos (1918/19) e que matou 100 milhões de pessoas, mas hoje temos "uma situação diferente", temos tecnologias e podemos "evitar essa catástrofe", afirmou.

Tedros Adhanom insistiu na periculosidade do vírus, admitiu que o pior ainda possa estar por vir, mas salientou que é preciso acreditar que é possível lutar contra a doença, que requer, insistiu, solidariedade nacional e mundial. Porque sem isso "será pior".

"Dissemos que o vírus iria surpreender os países mais desenvolvidos, e isso está acontecendo", acrescentou, em tom dramático.

O diretor insistiu igualmente na necessidade de se olhar para as estatísticas vendo os números mas também as pessoas que eles representam, para que a pandemia de covid-19 não se transforme em quadros com números."Pensem nas vítimas de covid-19 como pessoas e não como números", pediu.

Antes o diretor-geral já tinha alertado que flexibilizar as medidas de contenção não quer dizer que a doença acabou e sublinhou que os confinamentos ajudam a refrear a epidemia, mas não põem fim.

Tedros Adhanom Ghebreyesus referiu ainda que a OMS está trabalhando com várias entidades para desenvolver testes à covid-19.

A epidemiologista Maria Van Kerkhove, responsável técnica máxima na resposta da OMS à Covid-19, também presente na coletiva de imprensa online, afirmou que também há muitos estudos sobre esta matéria e disse que um deles, em pré-publicação, sugere que até 14% da população tenha anticorpos. Mas disse desconhecer que métodos foram usados para esses estudos.

Mas ela afirmou que há uma percentagem da população infectada mais baixa do que a OMS estimava, o que por outro lado quer dizer que há grande parte da população mundial que ainda se pode infectar.

Kerkhove também disse que há mais de 10 mil sequências de genoma do vírus postas à disposição dos cientistas, o que permite perceber como o vírus se está se modificando, e acrescentou que não há muitas diferenças, "o que é positivo".

Fonte: Notícias ao Minuto

O conteúdo divulgado aqui neste espaço através de fotos, textos, vídeos e/ou opiniões são de inteira responsabilidade de seus autores. O conteúdo divulgado não expressa e não mantém nenhuma relação com a linha editorial e a visão do PortalR10.
R10 no Facebook:
imprimir
Veja também
Jornal Portal R10
Últimas
Mais lidas da semana
TV R10
© Copyright 2020 - Portal R10 - Todos os direitos reservados
R10 TV Municípios Colunas Anuncie Fale conosco
Site desenvolvido pela Lenium