Sexta, 05 de junho de 2020
86 9 9834-2372
Receba notícias pelo WhatsApp WhatsApp
[email protected]
86 9 9834-2372
R10 Retrô

R10 Retrô

R10 Retrô Notícias sobre as décadas de 80 e 90.

[email protected]

86 9 9834-2372

Entretenimento - Década de 80

Postada em 27/04/2020 ás 10h00

Publicada por: Marcelo Barradas

O auge do rock nacional durante a década de 1980
Os anos 80 ficaram marcados pela explosão do rock nacional
O auge do rock nacional durante a década de 1980

Foto: Divulgação

 

Os anos 80 ficaram marcados pela explosão do rock nacional, ou o BRock, como ficou conhecido o rock ‘n roll cantado em português. Mas, para entender esse fenômeno musical, é importante refletir sobre o momento que o país vivia. A década enfrentava uma transição entre ditadura e democracia, portanto tornou-se propícia para letras contestatórias, liberais e que refletiam a realidade do país naquele momento.

Em 1984, houve o Movimento Diretas Já, que reivindicava a volta das eleições diretas para Presidente da República e que levou milhares de jovens às ruas. O que acarretou, em 1985, no fim do regime militar e na eleição indireta de Tancredo Neves à presidência – que acabou morrendo antes mesmo de assumir o cargo e sendo substituído pelo, então, vice-presidente José Sarney -. Só em 1989 foi acontecer a primeira eleição direta para Presidente da República, elegendo Fernando Collor de Mello.

 

 

 

Os gêneros Punk, Pós-punk e New Wave, que possuíam características mais agressivas, influenciaram esses jovens a formar a famosa “Geração 80” do Brasil, com arranjos mais fortes, letras politizadas e que prezavam pela liberdade de expressão. Eram bandas vindas de diversas regiões do país, cada qual com suas singularidades e referências. O interessante é que grande parte delas fazem sucesso até hoje. No entanto, com o passar dos anos e a popularização do gênero no mainstream, o rock nacional acabou se incorporando à MPB (Música Popular Brasileira) e perdendo um pouco das suas características contestatórias.

 

The Cure com o estilo que representa muito os anos 80 (Foto: Reprodução)

A POPULARIZAÇÃO DO BRock

O Rio de Janeiro era o centro de repercussão nacional, era lá que estavam muitas gravadoras, além da Rede Globo de Televisão, que também ajudou a impulsionar alguns artistas da época. A emissora, que também era proprietária do selo Som Livre, aproveitava para inserir as canções de seus artistas em novelas e outros programas. Um dos destaques foi o programa Mixto Quente, que teve sua transmissão em 1986 e apresentou ao país estrelas do rock nacional, como Léo Jaime, Tokyo e Ritchie.

Foto Reprodução

Na capital carioca, destacaram-se bandas com apelo mais romântico como Blitz, com sua música teatralizada e com grande influência new wave (o hit “Você não soube me amar” chegou a fazer parte da novela Sol de Verão, de 1982); Paralamas do Sucesso, que conseguiu se destacar pelo seu rock and roll cheio de influências do reggae, ska e brasilidades, como na música “Alagados”; Barão Vermelho, com influências no rock and roll e no blues; além de Kid Abelha, Lobão, Lulu Santos, entre outros.

Já em São Paulo, a influência era o caos urbano. O destaque ficou por conta de bandas como Titãs, conseguindo mais destaque no seu terceiro álbum “Cabeça Dinossauro”, de 1986; Ultraje a Rigor, que ficou nacionalmente conhecido com o álbum “Nós Vamos Invadir sua Praia”, de 1985, que fazia uma referência às bandas cariocas; RPM, uma das bandas mais bem sucedidas nos anos 80, chegando a vender mais 5 milhões de discos em sua carreira, e Ira!, com seu som inspirado no estilo mod dos anos 60.

 

 

foto reprodução

 

O IMPULSO E O DECLÍNIO

Casas como Circo Voador, no Rio de Janeiro, e Napalm, Aeroanta e Madame Satã, em São Paulo, foram responsáveis por dar espaço para essas bandas. A Rádio Fluminense foi outro pilar que ajudou a alavancar o movimento, divulgando as novas músicas e os novos nomes da cena.

Mas foi mesmo com o Rock in Rio, criado por Roberto Medina em 1985, em que as bandas de rock nacional foram consolidadas e se profissionalizaram dentro do cenário musical. O movimento se legitimou ao lado de grupos famosos de metal, como ACDC, Iron Maiden, Ozzy Osbourne, Scorpions e Whitesnake. O festival não só impulsionou as bandas que se apresentaram, como também deixou um cenário aberto para as que estavam por vir, que também passaram a ser vistas como boas apostas.

foto reprodução

 

AS BANDAS ATUAIS QUE SE INSPIRAM NA GERAÇÃO 80

O rock nacional dos anos 80 tem uma característica muito datada e é muito singular da época. Diferente de bandas de rockabilly, por exemplo, que traduzem fielmente o som dos anos 50, hoje em dia não existe especificamente uma banda nova brasileira com característica completamente oitentistas, mas existem muitos artistas que traduzem o estilo para algumas de suas canções.

Podemos falar que o som produzido pela turma carioca, reflete no trabalho de Letrux, ex-integrante da banda Letuce, no álbum “Em Noite de Climão” lançado esse ano. A voz suave da cantora, se mescla com canções de amor e sintetizadores que trazem a sinergia dos anos 80 para 2017. O álbum conta ainda com a participação de Marina Lima – voz importante da década – na música Puro Charme.

Quem também traz as cores e os sintetizadores dos anos 80 e flerta um pouco mais com a música brasileira é Marcela Vale, conhecida como Mahmundi. A carioca também já trabalhou no Circo Voador, importante casa que ajudou a emplacar as bandas da geração 80. Assim como Letrux, que tem bastante influência de Marina Lima, Mahmundi também tem sido comparada a artista, principalmente na canção “Eterno Verão”, que traz um ar oitentista tropical.

Na música “Vícios e Verso” da banda Vespas Mandarinas lançada em 2013, fica nítida a referência de bandas como Titãs e Inocentes, a começar pelo nome do seu primeiro álbum “Animal Nacional”, composto por canções com letras que reforçam a ideia de lugar comum e questões sociais, típicos de bandas da capital paulista.

Hoje podemos ver as reflexões políticas, essência das bandas brasilienses, na cearense Selvagens À Procura da Lei na canção Brasileiro. Em um dos trechos da música, diz “Nas prisões eles traçam planos de fuga. Enquanto suas esposas puxam as rugas”, frase bastante condizente com o cenário atual em que vivemos.

Fonte: Universo Retro / Dayse Alves

O conteúdo divulgado aqui neste espaço através de fotos, textos, vídeos e/ou opiniões são de inteira responsabilidade de seus autores. O conteúdo divulgado não expressa e não mantém nenhuma relação com a linha editorial e a visão do PortalR10.
R10 no Facebook:
imprimir
Veja também
Jornal Portal R10
Últimas
Mais lidas da semana
TV R10
© Copyright 2020 - Portal R10 - Todos os direitos reservados
R10 TV Municípios Colunas Anuncie Fale conosco
Site desenvolvido pela Lenium