Terça, 28 de Junho de 2022
86 9 98219621

Redação

Whatsapp / Sugestôes

(86) 99821-9621

Cristina

Publicidade

(86) 99800-8359

25°

19° 34°

Teresina - PI

Últimas notícias
Saúde
Saúde
Encontre aqui notícias sobre saúde e bem-estar.
Saúde Boa notícia
09/05/2020 08h48 Atualizada há 2 anos
Por: Bruna Dias

Pesquisa indica que maioria dos infectados criou anticorpos

Pesquisadores americanos concluíram que quase todas as pessoas infectadas pelo novo coronavírus conseguem produzir anticorpos contra a doença.

O estudo feito por médicos do Hospital Mount Sinai acompanhou 624 pacientes que se recuperaram da Covid-19. O grupo era formado por homens, mulheres, jovens e idosos.

Foto: Reprodução| Revista Galileu
Foto: Reprodução| Revista Galileu

Alguns tiveram sintomas leves, outros contraíram a versão mais severa da doença. Depois de se recuperar, quase todos apresentaram um traço em comum: a produção de anticorpos contra o novo coronavírus.

No início da pandemia, acreditava-se que apenas os pacientes em estado grave desenvolviam anticorpos. O anticorpo é uma proteína em formato de Y, produzida no plasma, a parte branca do sangue, para combater um vírus ou uma bactéria.

Na primeira testagem, apenas 511 pacientes apresentaram níveis altos de anticorpos no sangue; 42 tinham poucos anticorpos; e 71 não tinham produzido nenhum. Uma semana depois, todos os pacientes refizeram o teste, que tem 99% de precisão. Apenas três pessoas continuavam sem defesas contra o vírus.

Se ficar comprovado que quem tem anticorpos está imune à doença, vai ficar mais fácil retomar a vida anterior à pandemia. Quem ficou imune poderia voltar a trabalhar sem correr o risco de adoecer, por exemplo.

Essas são as grandes perguntas que os cientistas querem responder agora: Quanto tempo esses anticorpos vivem no nosso organismo? E se quem teve a Covid-19 pode contrair a doença de novo?

O responsável pela pesquisa, o virologista Florian Krammer, diz que vai continuar a conduzir o estudo por pelo menos mais um ano. "Acreditamos que mais uma ou duas ondas da doença podem atingir a população. Queremos estar preparados para isso e entender o que é preciso para ficar imune ao vírus", afirma.

Fonte: Jornal Nacional
Veja também
Desenvolvido por: Lenium®
Nosso grupo do WhatsAppWhatsApp