Terça, 02 de junho de 2020
86 9 9834-2372
Receba notícias pelo WhatsApp WhatsApp
Campanha app Governo do PI
[email protected]
86 9 9834-2372
R10 Auto

R10 Auto

R10 Auto Confira todas as notícias sobre carros, motos, lançamentos, além de segredos e guia de compras.

[email protected]

86 9 9834-2372

Entretenimento - Testagem

Postada em 10/05/2020 ás 11h27 - atualizada em 10/05/2020 ás 11h36

Publicada por: Francine Dutra

Confira como a Ford usa 'cocô de pássaro' para testar pinturas de carros
Processo químico recriar as fezes para testar tinta e prolongar tintura do veículo.
Confira como a Ford usa 'cocô de pássaro' para testar pinturas de carros

Foto: Reprodução

A Ford divulgou que utiliza um método interessante para testar a resistência da pintura de seus carros. A fabricante usa fezes de pássaro para saber se a tinta dos carros está pronta para ser utilizada no mercado.

Mas não se preocupe: a montadora não mantém passarinhos em cativeiro para coletar seus dejetos e depois joga-los nos carros. A Ford conseguiu por meio de um processo químico recriar em laboratório as fezes.

O "teste de cocô de pássaro", como é chamado pela empresa, é um dos realizados com cada amostra de tinta feita, segundo explica a Ford. Trata-se de uma mistura de ácido fosfórico, sabão em pó e pólen sintético envelhecida em fornos a 60 e 80°C. Desta maneira, são desenvolvidos os revestimentos corretos para que a pintura não seja danificada.

"Com tantos carros estacionados no momento em que as pessoas ficam em casa, é provável que os pássaros estejam deixando sua marca mais do que o habitual", disse o gerente de pintura de engenharia da Ford, Andre Thierig.

"É aconselhável remover o dejeto antes que fique muito cozido, mas nossos clientes podem pelo menos se consolar no trabalho que realizamos para manter a pintura protegida".

A Ford ainda faz outros testes de pintura que reproduzem condições climáticas extremas, como temperaturas abaixo de zero e alta umidade, além de manchas de sal e combustível. Em um teste, amostras de tinta são expostas ininterruptamente a uma luz ultravioleta por até 6 mil horas (250 dias) em laboratório para simular o sol.

Fonte: UOL

O conteúdo divulgado aqui neste espaço através de fotos, textos, vídeos e/ou opiniões são de inteira responsabilidade de seus autores. O conteúdo divulgado não expressa e não mantém nenhuma relação com a linha editorial e a visão do PortalR10.
R10 no Facebook:
imprimir
Veja também
Jornal Portal R10
Últimas
Mais lidas da semana
TV R10
© Copyright 2020 - Portal R10 - Todos os direitos reservados
R10 TV Municípios Colunas Anuncie Fale conosco
Site desenvolvido pela Lenium