Segunda, 06 de julho de 2020
86 9 9834-2372
Receba notícias pelo WhatsApp WhatsApp
Banner Governo Junho
[email protected]
86 9 9834-2372
R10 Mulher

R10 Mulher

R10 Mulher Tudo sobre a mulher moderna.

[email protected]

86 9 9834-2372

Saúde - Mito e verdades

Postada em 11/05/2020 ás 13h04 - atualizada em 11/05/2020 ás 13h20

Publicada por: Marina Sousa

Endometriose: o que é e como afeta as mulheres
Confira tudo o que você precisa saber sobre a doença
Endometriose: o que é e como afeta as mulheres

Foto: Reprodução

A endometriose é uma doença tão dolorosa como desconhecida. Afeta cerca de 176 milhões de mulheres em todo o mundo – calcula-se que uma em uma cada dez sofra com os seus sintomas. É uma das principais causas de infertilidade. Consiste no aparecimento e crescimento do tecido endometrial fora do útero. Caracteriza-se por provocar fortes dores pélvicas durante a menstruação ou dor pélvica crônica, que pode chegar a ser invalidante.

A endometriose é simplesmente uma cólica menstrual forte?

Não.

A cólica é apenas um dos sintomas da endometriose, embora que algumas pessoas não tenham qualquer dor, muitas mulheres com endometriose tem cólicas intensas antes, durante e depois da menstruação. A endometriose é uma condição em que um tecido parecido com o endométrio (camada de revestimento interno do útero), é encontrado fora do útero. Esse tecido “deslocado” induz uma resposta inflamatória que pode resultar em dores intensas e cicatrizes. Além das cólicas, a endometriose pode causar dor para urinar, dor pélvica crônica, dor nas costas, nas pernas e nos ombros. Em alguns casos, a dor pode ser tão intensa que impede as atividades diárias como sentar e caminhar

A endometriose é rara?

Não. 

A endometriose é umas das doenças ginecológicas das mais comuns, afetando aproximadamente 176 milhões de pessoas no mundo (2). Como algumas pessoas não apresentam sintomas, o diagnóstico pode ser complexo, sendo necessário cirurgia para confirmação. Outras pessoas podem ter sintomas por anos e visitar vários médicos antes de serem diagnosticadas (3).

A endometriose afeta apenas pessoas entre 30 e 40 anos?

Não.

Em 2011, o estudo Global Study of Women’s Health, conduzido em 10 países, mostrou que dois terços das pessoas diagnosticadas com endometriose tinham procurado ajuda para alívio dos sintomas antes dos 30 anos, muitas dessas pessoas apresentaram sintomas desde os primeiros ciclos menstruais (4).

É possível pegar endometriose?

Não. 

A endometriose não é contagiosa, tampouco causada por algo que a pessoa tenha feito. Embora não haja causa conhecida para esta condição, há suspeita de que a genética tenha um peso importante no desenvolvimento da doença (5). Importante lembrar, contudo, que endometriose é diferente de endometrite. A endometrite é uma inflamação do endométrio que pode ser causada por micro-organismos sexualmente transmissíveis ou por outros tipos de bactérias.

Tratamentos hormonais curam a endometriose?

Não. 

Medicamentos hormonais sintéticos como pílula, progestagênios, Danazol e análogos de GnRH têm sido usados ​​por muitos anos para “tratar” a endometriose. No entanto, esses tratamentos hormonais não têm efeito a longo prazo. Eles reduzem temporariamente os sintomas, mas apenas enquanto as drogas estão sendo tomadas. Uma vez interrompidos os medicamentos, os sintomas voltam.

E a gravidez, cura endometriose?

Não. 

A gravidez – como os tratamentos hormonais - pode suspender temporariamente os sintomas da endometriose, mas não a elimina. Os sintomas geralmente retornam após o parto. Às vezes, a amamentação também pode aliviar os sintomas, mas apenas enquanto a frequência das mamadas é suficiente para interromper o ciclo menstrual. Um estudo com 345 mulheres com endometriose descobriu que os sintomas na verdade aumentaram após o parto em mães que tiveram filhos a primeira vez (6).

A histerectomia (retirada do útero) é a cura para a endometriose?

Não necessariamente. 

É possível ter endometriose sem útero desde que o tecido semelhante ao endométrio por ser encontrado em outros lugares da região pélvica, (dentro da cavidade abdominal ou no intestino, por exemplo). A remoção do útero (e às vezes dos ovários) é geralmente vista como um último recurso, depois que outros tratamentos mais conservadores não tenham funcionado. A histerectomia tem mais riscos que uma cirurgia laparoscópica (com pequenos cortes e menos invasiva). Podem ocorrer complicações como a perda da fertilidade ou menopausa precoce (se os ovários forem retirados também).

Um benefício da histerectomia (especialmente quando se retira os ovários) é a menor chance de novas cirurgias futuras (7, 8). Vale lembrar que a histerectomia pode oferecer alívio da dor, mas isso não é garantido para sempre.

Posso engravidar se tiver endometriose?

Talvez.

Infertilidade ou subfertilidade é um sintoma comum da endometriose. A cada 10 pessoas com endometriose, de 2 a 5 têm algum tipo de problema para engravidar (9, 10, 11). Analisando a questão por outra perspectiva, até 2 em cada 5 mulheres com dificuldades para a gestação têm endometriose (12).

Por que a endometriose está relacionada à infertilidade? A inflamação, as alterações anatômicas e cicatrizes associadas à condição causam danos aos óvulos e espermatozoides (12). No entanto, isso não significa que engravidar seja impossível. Alguns tratamentos melhoram as chances de concepção (13, 14, 15).

Como saber se você tem endometriose?

Se você tiver uma menstruação muito difícil e dolorosa, consulte seu médico, busque por informações e se aprofunde em artigos sobre os sintomas da endometriose, diagnóstico e tratamento.

Fonte: Hello Clue

O conteúdo divulgado aqui neste espaço através de fotos, textos, vídeos e/ou opiniões são de inteira responsabilidade de seus autores. O conteúdo divulgado não expressa e não mantém nenhuma relação com a linha editorial e a visão do PortalR10.
R10 no Facebook:
imprimir
Veja também
Jornal Portal R10
Últimas
Mais lidas da semana
TV R10
© Copyright 2020 - Portal R10 - Todos os direitos reservados
R10 TV Municípios Colunas Anuncie Fale conosco
Site desenvolvido pela Lenium