Sábado, 11 de julho de 2020
86 9 9834-2372
Receba notícias pelo WhatsApp WhatsApp
Banner Governo Junho
[email protected]
86 9 9834-2372
R10 LGBT

R10 LGBT

R10 LGBT Últimas e principais notícias sobre LGBT.

[email protected]

86 9 9834-2372

Geral - Cuide-se

Postada em 11/05/2020 ás 16h34 - atualizada em 11/05/2020 ás 17h05

Publicada por: Francine Dutra

Psiquiatra dá dicas para LGBTs enfrentarem lockdown sem surtar
Rotina pode dificultar convivência em casa com pais e famílias que não os aceitam.
Psiquiatra dá dicas para LGBTs enfrentarem lockdown sem surtar

Foto: Reprodução

Jonny Benjamin foi convidado pelo site Pink News para dar 10 dicas para LGBTs enfrentarem o lockdown sem surtar em casa com questões de solidão, ansiedade, pânico, tristeza, medo e sentimento de improdutividade.

“Para mim, são extremos de emoção. Sinto-me muito otimista às vezes e depois me sinto muito deprimido outras vezes. É apenas uma mistura completa de pensamentos e sentimentos”, diz Jonny sobre seu isolamento.

A pandemia também apresenta desafios particulares para a comunidade LGBT+. Estudos têm demonstrado repetidamente que as pessoas queer sofrem maiores taxas de problemas de saúde mental do que seus pares heterossexuais e cisgêneros. No momento, as pessoas LGBT+ em todo o mundo estão presas em casa, às vezes com pais e famílias que não os aceitam.

Abaixo, Benjamin oferece 10 dicas para LGBTs que estão com problemas de saúde mental:

1 Evite excesso de notícias

Evite ler e assistir a muitas notícias relacionadas ao coronavírus. É importante manter-se atualizado com os desenvolvimentos relacionados ao coronavírus, mas também é importante definir limites.

Benjamin diz que assistir aos resumos diários da imprensa o fazia se sentir “inquieto”, então decidiu priorizar sua saúde mental e parar de vê-los. “As notícias são principalmente negativas, há um foco constante em doenças e morte e muita especulação”, diz ele.

“Tente saber o que é importante para você e sua segurança apenas. Não se envolva nos assuntos se isso o deixar mais ansioso. Embora esse tempo possa parecer sombrio, também existem acontecimentos positivos acontecendo no mundo”, explica.

2 Redes sociais – os dois lados da moeda

As mídias sociais podem ser uma tábua de salvação, mas também podem ser tóxicas. Apesar de serem um alívio inestimável no momento e ajudarem a nos conectar com outras pessoas enquanto estamos impossibilitados de fazê-lo pessoalmente, as redes podem aumentar a ansiedade.

“Eu tive que desligar o Twitter com mais frequência porque há muita especulação sobre os fatos”, diz Benjamin. “É inútil consumir informação sem fonte e opinião sem embasamento, que é o que as pessoas fazem nas fredes sociais”, diz Jonny. O que “pode” acontecer ne, sempre é o que “vai” acontecer.

3 Terapia digital

Se você estiver com problemas durante a pandemia de coronavírus, poderá consultar um terapeuta digitalmente. A terapia ajudou inúmeras pessoas em todo o mundo a manterem-se em dia com a sua saúde mental.

A terapia geralmente é feita pessoalmente, mas isso não significa que você não pode procurar apoio durante o bloqueio. Muitos terapeutas adotaram alternativas digitais durante a pandemia, com muitas sessões via Zoom, Skype ou por telefone.

Terapia pode ser cara, mas uma rápida busca nas redes sociais vai apontar centenas de profissionais que estão oferecendo sessões gratuitamente, inclusive a pessoas LGBT+, então o foco é se conectar a quem tem a oferecer.

4 Concentre-se em amar seu corpo

Uma rápida olhada nas mídias sociais mostrará que muitas pessoas estão preocupadas com o ganho de peso durante esta pandemia. Mas pensamentos como esses podem ser destrutivos, visto que engordar ou emagrecer pode ocorrer em qualquer fase da vida e pode até ser saudável.

A pesquisa nos diz que a comunidade LGBT + é desproporcionalmente afetada por distúrbios alimentares, por isso é essencial que pensemos em nosso corpo de uma maneira compassiva e amorosa – especialmente durante o confinamento. Essa é a hora, também de se livrar de preconceitos acerca do corpo e da beleza padrão.

5 Mantenha-se engajado em causas

É vital que as pessoas permaneçam socialmente engajadas durante esse período. Benjamin recomenda que as pessoas usem a plataforma da comunidade MeetUp para socializar com outras pessoas de maneiras inovadoras, mesmo quando não podem vê-las cara a cara.

Além disso, digitalmente qualquer pessoa pode se engajar em ONGs ou grupos de apoio a minorias que fazem trabalhos como vaquinhas, coletas de material higiênico e alimentos, portanto, juntar-se a uma causa nesse momento, além de necessário, pode ajudar a controlar suas emoções em momentos de estresse.

6 Não seja duro consigo mesmo se estiver tendo um dia ruim

Atualmente, a maioria das pessoas está se adaptando ao que foi chamado de “novo normal” e isso inclui trabalhar ou estudar em casa ou se acostumar com o desemprego. Não é um ajuste fácil, e haverá solavancos ao longo do caminho.

Benjamin diz que é importante que as pessoas sejam gentis consigo mesmas nesses dias ruins. “Particularmente, nos dias em que me sinto sobrecarregado, deixo minha mesa mais cedo e tiro o resto do dia, e não é todo dia, são apenas os dias em que sinto que estou lutando”, diz ele.

Embora isso não seja possível para todos e alguns esteja sofrendo do problema contrário, no caso, o desemprego, é importante ter calma consigo mesmo quando a culpa e desespero quando estiver com dificuldades.

7 Tente criar um ‘espaço seguro’ para você em casa

Todo mundo tem diferentes situações de vida. Algumas pessoas terão um quarto, outras terão um apartamento inteiro e outras terão uma casa inteira. Comoventemente, algumas pessoas não têm nada disso.

Então, se você tiver algum espaço, tente criar um santuário para si mesmo, onde possa relaxar e descontrair quando estiver com dificuldades, um local sem computador, e que você não leve o celular, de preferência que bata sol, como uma janela.

“Eu moro sozinho, então é mais fácil me dar espaço”, observa ele. “Uso minha sala de estar como espaço de meditação, espaço de yoga, espaço de exercícios. Tente criar um espaço seguro onde quer que esteja em sua casa.

8 Pratique a autocompaixão fazendo uma lista de gratidão

Sentir-se agradecido nem sempre é fácil durante a pandemia de coronavírus, mas focar nas boas partes de nossas vidas pode elevar nosso ânimo quando nos sentimos deprimidos. Benjamin recomenda que as pessoas tirem alguns minutos do dia para escrever uma pequena lista de coisas pelas quais são gratas.

“Todos os dias, anote apenas algumas coisas, apenas três pelas quais você é grato pelo seu dia”, explica ele. “Escrevo seis coisas, três pelas quais sou grato pelo dia e três pelas quais gostei de mim durante esse dia”.

9 Lembre-se de que a pandemia de coronavírus não durará para sempre

Uma das coisas estressantes sobre a pandemia de coronavírus é a incerteza de tudo. Ninguém sabe quando isso vai acabar, ou se poderá ressurgir mais tarde. Mas uma coisa é certa: a pandemia de coronavírus chegará ao fim em algum momento.

Benjamin recomenda que as pessoas se concentrem no futuro e façam planos. “Acho que às vezes é difícil ver o fim, ou um momento em que não viveremos com distanciamento social, mas isso terminará e será uma memória distante um dia”, diz ele.

10 Existem serviços de suporte por aí, se você estiver com dificuldades

Essa pandemia provou ser um momento solitário e difícil para muitas pessoas. Se você está tendo um momento particularmente difícil e precisa de ajuda urgente, há suporte na internet e por telefone. Neste link você pode encontrar alguns sites de ajuda durante a pandemia. Buscar ajuda é o primeiro passo.

Fonte: UOL

O conteúdo divulgado aqui neste espaço através de fotos, textos, vídeos e/ou opiniões são de inteira responsabilidade de seus autores. O conteúdo divulgado não expressa e não mantém nenhuma relação com a linha editorial e a visão do PortalR10.
R10 no Facebook:
imprimir
Veja também
Jornal Portal R10
Últimas
Mais lidas da semana
TV R10
© Copyright 2020 - Portal R10 - Todos os direitos reservados
R10 TV Municípios Colunas Anuncie Fale conosco
Site desenvolvido pela Lenium