Segunda, 30 de Novembro de 2020
86 9 8877-6606

Redação

Whatsapp / Sugestôes

(86) 98877-6606

Cristina

Publicidade

(86) 98195-0154

25°

24° 35°

Teresina - PI

Últimas notícias
Radar Político
Radar Político
Últimas notícias, entrevistas, reportagens e análises sobre o que acontece na política.
Política Ministro interino
20/05/2020 15h14
Por: Bruna Sampaio

General ficará 'por muito tempo' no comando da Saúde, diz Bolsonaro

General comanda ministério de forma interina desde a saída de Nelson Teich.

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quarta-feira (20) que o general Eduardo Pazuello, que responde de forma interina pelo Ministério da Saúde, ficará “por muito tempo” à frente da pasta.

Ainda de acordo com o presidente, o general, que não tem formação na área de saúde, vai ser auxiliado no ministério por uma “equipe boa” de médicos.

Bolsonaro deu a declaração ao conversar com profissionais de limpeza urbana que trabalhavam em um trevo próximo ao Palácio da Alvorada, em Brasília.

Continua depois da publicidade

General da ativa do Exército, Pazuello foi nomeado secretário-executivo do ministério – segundo cargo na hierarquia da pasta – e está como ministro de forma interina desde a semana passada, quando Nelson Teich pediu demissão.

Nesta quarta, o presidente foi perguntado na conversa com profissionais de limpeza se já havia escolhido o novo ministro da Saúde. Bolsonaro respondeu que não, e falou sobre o futuro de Pazuello.

“Ele [Pazuello] vai ficar por muito tempo, esse que está lá. Não vai mudar não. Ele é um bom gestor, vai ter uma equipe boa de médicos abaixo dele".

Continua depois da publicidade

Pazuello foi escolhido número 2 da Saúde por sua experiência em logística, já que comandou a "Operação Acolhida", que recebe em Roraima os venezuelanos que entram no Brasil.

Cloroquina

Com Pazuello à frente da pasta, o Ministério da Saúde divulgou nesta quarta o protocolo que libera no SUS o uso da cloroquina e da hidroxicloroquina até para casos leves de Covid-19. Até então, o protocolo previa os remédios para casos graves.

Continua depois da publicidade

O documento do governo afirma que não há garantia de cura e que o medicamento pode até levar à morte; nenhuma autoridade assina protocolo.

Fonte: G1
Veja também
Desenvolvido por: Lenium®