Segunda, 03 de agosto de 2020
86 9 9834-2372
Receba notícias pelo WhatsApp WhatsApp
[email protected]
86 9 9834-2372
R10 Utilidade Pública

R10 Utilidade Pública

Utilidade pública Tudo sobre utilidade pública.

[email protected]

86 9 9834-2372

Saúde - Tempo indeterminado

Postada em 24/06/2020 ás 15h08 - atualizada em 24/06/2020 ás 16h12

Publicada por: Bruna Sampaio

Greve na saúde pública do Piauí começa nesta quinta-feira
O movimento grevista começa a partir das 07h30, com ato de protesto em frente ao HGV.
Greve na saúde pública do Piauí começa nesta quinta-feira

Foto: Divulgação/Sindespi

Servidores da Saúde Pública do Piauí (exceto médicos) iniciam uma greve por tempo indeterminado a partir desta quinta-feira (25).

O movimento grevista começa a partir das 07h30, com ato de protesto em frente ao Hospital Getúlio Vargas (HGV), e segue em passeata até o Palácio de Karnak, onde farão outro ato.

A greve foi deflagrada na sexta-feira passada (19/06) em assembleia do Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Saúde Pública do Piauí (SINDESPI), juntamente com o Sindicato dos Enfermeiros, Auxiliares e Técnicos de Enfermagem do Piauí (SENATEPI) com apoio do Sinfito, Sinttearpi, Crefito e Coren-PI, representando fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, enfermeiros e radiologistas.

Nesta quarta-feira (24/06) encerrou o prazo de 72 horas para o início da greve e, a partir de amanhã, os hospitais funcionarão com apenas 30% dos trabalhadores.

Entre as principais reivindicações estão o não pagamento do Adicional de Insalubridade de 40%; a baixa qualidade dos Equipamentos de Proteção Individual fornecidos pela SESAPI durante a pandemia de Covid-19; além de diversas denúncias de assédio moral que o sindicato tem recebido de diversas regiões do Estado.

“Nosso Adicional de Insalubridade está congelado desde 2007. O governo alega que não tem uma regulamentação e nós exigimos que se providencie, que regulamente a insalubridade dos servidores do Estado. O assédio moral aos servidores é generalizado e contribui para o adoecimento da categoria. Nós reconhecemos a dificuldade do momento com essa pandemia, mas o governo massacra o servidor há muito tempo e não dá mais para aguentar” desabafa a presidente do Sindespi, Geane Sousa.

O presidente do Senatepi, Erick Ricelley, defende que a greve é necessária porque tem reinvindicações urgentes.

“Essa se torna uma das ou a mais legítima greve que já aconteceu. Primeiro porque estamos lutando por coisas que sequer deveriam que ser pauta de negociação, como EPI, insalubridade, cumprimento de decisão judicial. É obrigação de todo e qualquer governo garantir isso aos profissionais. Quando os profissionais vão para ruas cobrar isso mostra como nós estamos no fundo do poço. Acho que a população está entendendo oque esta acontecendo”, defende.

A falta de transporte também é outro problema que prejudicado os servidores. “Os ônibus estão há mais de 30 dias parados, não tem transporte público. O governo não faz nada e os servidores estão tendo que pagar transporte particular, diminuindo ainda mais seus salários que já estão defasados. Praticamente estão pagando para trabalhar”, acrescenta Geane Sousa.

Fonte: Sindespi

O conteúdo divulgado aqui neste espaço através de fotos, textos, vídeos e/ou opiniões são de inteira responsabilidade de seus autores. O conteúdo divulgado não expressa e não mantém nenhuma relação com a linha editorial e a visão do PortalR10.
R10 no Facebook:
imprimir
Veja também
Jornal Portal R10
Últimas
Mais lidas da semana
TV R10
© Copyright 2020 - Portal R10 - Todos os direitos reservados
R10 TV Municípios Colunas Anuncie Fale conosco
Site desenvolvido pela Lenium