Quinta, 01 de outubro de 2020
86 9 9834-2372
Receba notícias pelo WhatsApp WhatsApp
Governo Setembro
[email protected]
86 9 9834-2372
R10 Retrô

R10 Retrô

R10 Retrô Notícias sobre as décadas de 80 e 90.

[email protected]

86 9 9834-2372

Entretenimento - Confira!

Postada em 07/07/2020 ás 12h04

Publicada por: Bruna Sampaio

Brincadeiras que marcaram sua infância
Diversão como bolinha de gude, cantigas de roda, passa o anel e amarelinha
Brincadeiras que marcaram sua infância

Igor Moura e os filhos Yann, Theo e Davi brincam de “guerra de bexigas d'água”. O pai afirma que a brincadeira é uma forma de juntar toda a família em momentos de lazer e alegria (Foto: Leone Iglesias / AT)

Já pensou em apresentar para as crianças da sua família as brincadeiras que marcaram a infância e deixaram saudades? Inclusive, tirar algum tempo para ensinar e relembrar o passado e, por que não, se divertir com elas?

Brincadeiras como amarelinha, cinco Marias, bolinha de gude, cantigas de roda, passa o anel, pião, empinar pipa, entre várias outras, são alguns exemplos que podem ser lembradas hoje, quando se comemora o Dia da Saudade. 

Para especialistas, vale a pena resgatar essas brincadeiras em casa, experimentando divertimentos que fizeram a infância de gerações, aproveitando ainda para desenvolver habilidades como consciência corporal, atenção e foco, controle de impulsos e habilidades sociais.

De acordo com o psicopedagogo Cláudio Miranda, brincadeiras antigas podem interessar muito aos filhos e afastá-los de aparelhos eletrônicos, bastando que haja um incentivo para isso. 

“Trazer as brincadeiras do passado para os filhos aumentará a qualidade do contato e do diálogo em família. Há, hoje, muitas crianças 'ilhadas' dentro de sua própria casa nos seus celulares e computadores”, explicou o psicopedagogo. 

Brincar de peteca, corrida de saco, adedonha, pular corda, cabaninha e esconde-esconde promove, além da diversão, uma série de benefícios para as crianças.

“Essas brincadeiras estimulam a criatividade, faz a criança ficar mais atenta. Se ela fica em casa parada, tem a tendência maior para doenças como a obesidade. Resgatar esses divertimentos vai estimular uma infância saudável”, salientou a psicóloga Débora Monteiro. 

O empresário Igor Moura Moreira, 33 anos, gosta de ensinar brincadeiras que marcaram sua infância para seus filhos, Theo, 8, Yann, 12 e Davi 13. Sua brincadeira favorita é guerra de bexigas d'água. 

“Essa brincadeira dá muita saudade da minha infância e eu acho muito divertida para fazer com eles nos dias de verão, nos refrescar e dar muitas risadas. Além de ser uma forma de juntar toda a família”, lembra o empresário.

1.O mestre mandou

Faixa etária indicada: acima de 04 anos

Participantes: a partir de 03

Habilidades envolvidas: Atenção e foco; Controle de impulsos; Memória auditiva de curto prazo.

Essa é uma brincadeira que pode ser realizada em qualquer ambiente – dentro de casa, no parque, na praia etc. O “mestre” emite comandos que os demais devem cumprir. Mas, atenção! O comando só é válido se antecedido da fórmula: “O mestre mandou…” Do contrário, os participantes devem ignorar a ordem. Essa é uma boa maneira de testar a atenção das crianças! Quanto mais criativo for o mestre, mais divertida será a brincadeira. Aqui vão alguns exemplos: “O mestre mandou buscar um copo de plástico vermelho, pulando em um pé só”, “O mestre mandou buscar um par de meias azuis, andando de costas”, “O mestre mandou buscar um livro de poemas, um bombom e uma colher de pau, cantando ‘Borboletinha’”.

2.Morto Vivo

Faixa etária indicada: acima de 03 anos

Participantes: a partir de 03

Habilidades envolvidas: Consciência corporal; Atenção e foco; Controle de impulsos; Memória auditiva de curto prazo

Essa é outra brincadeira para qualquer ambiente. O “mestre” deve dar os comandos de “morto” e “vivo” para os demais: ao comando de “morto”, os participantes se agacham; ao ouvirem “vivo”, ficam de pé. Pode-se variar essa brincadeira, posicionando um bambolê em frente aos participantes, ou desenhando um círculo no chão. Neste caso, ao ouvirem o comando “dentro”, pulam para dentro do círculo, e para fora do círculo ao ouvirem o comando “fora”. O mestre vai aumentando gradativamente a velocidade dos comandos e variando a seqüência: “Vivo! Vivo! Vivo! Morto! Vivo! Morto! Morto!”

3.Elástico

Faixa etária indicada: acima de 06 anos

Participantes: a partir de 03

Habilidades envolvidas: Consciência corporal; Coordenação motora grossa; Equilíbrio; Lateralidade

Amarre as pontas de um elástico de costura (cerca de 2 metros). Dois participantes servirão de apoio do elástico, prendendo-o atrás dos tornozelos e afastando os pés. Os participantes tomam distância, formando um retângulo entre eles. O terceiro participante fará a seqüência de movimentos no retângulo de elástico. A cada seqüência bem-sucedida, o elástico sobre um nível: dos tornozelos para os joelhos, daí para as coxas e então para os quadris. Na internet, você encontrará vídeos de várias seqüências possíveis. Se não houver duas crianças para servir de apoio para o elástico, vale a pena usar cadeiras como apoios. O que não vale é ficar parado!

4.Corrida de Saco

Faixa etária indicada: acima de 06 anos

Participantes: a partir de 02

Habilidades envolvidas: Coordenação motora grossa; Equilíbrio

Defina uma linha de partida e uma linha de chegada. Com os dois pés dentro de um saco (pode ser uma fronha velha, se a corrida for dentro de casa), os participantes disputam para ver quem chega primeiro ao destino. Se houver várias crianças, podem-se formar equipes: um parceiro esperará pelo outro na linha de chegada; quando o colega chegar, passará o saco para o companheiro, que deverá voltar pulando até a linha de partida.

Como os tombos serão inevitáveis, é bom brincar sobre um tapete, grama ou em um campo de areia.

5.Peteca

-Faixa etária indicada: acima de 07 anos

-Participantes: a partir de 02

-Habilidades envolvidas: Consciência corporal; Coordenação motora grossa; Equilíbrio; Lateralidade; Habilidades sociais

Uma brincadeira divertida que ajuda a criançada a queimar energia, a peteca pode ser praticada em vários ambientes (quintal, parque, praia, clube). Se houver uma quadra com rede, pode-se jogar de maneira semelhante ao vôlei. Se não, vale simplesmente jogar a peteca de uma criança para a outra, treinando a coordenação motora para não deixá-la cair no chão.

6.Adedonha

Faixa etária indicada: acima de 07 anos

Participantes: a partir de 02

Habilidades envolvidas: Memória; Linguagem; Atenção e foco; Habilidades sociais

Essa é uma brincadeira que testa o vocabulário e a memória das crianças. O objetivo é preencher todas as categorias com palavras que se iniciem pela letra escolhida; marca mais pontos quem conseguir preencher mais categorias e se lembrar de palavras que não sejam tão usuais.

Em uma folha de papel sulfite, os jogadores traçam colunas, uma para cada categoria. As categorias devem ser definidas no início do jogo. Além das mais comuns – fruta, cor, veículo, peça do vestuário –, vale a pena criar algumas divertidas, como “minha sogra é…”, ou “mamãe falou que eu sou…”. Há várias maneiras de definir qual será a letra escolhida: pode-se sorteá-la em pedacinhos de papel, ou um dos jogadores pode repassar mentalmente o alfabeto e, quando o outro disser “stop!”, ele diz em voz alta a última letra em que pensou.

Definida a letra, os jogadores tentarão preencher, o mais rápido possível, todas as colunas. Quem terminar primeiro diz: “stop!”, e a partir desse momento ninguém mais pode escrever.

Pontuação: itens que se repetirem na tabela de outro jogador valem 5 pontos; itens não repetidos valem 10 pontos; se o jogador for o único a preencher aquela categoria, o item vale 15 pontos.

7.Estátua

Faixa etária indicada: acima de 04 anos

Participantes: a partir de 03

Habilidades envolvidas: Consciência corporal; Equilíbrio; Atenção e foco; Controle de impulsos

Um dos participantes – o “mestre” – toca uma música enquanto os outros dançam. O “mestre” interrompe a música de repente, e as demais crianças devem manter a última posição em que estavam. Vence quem conseguir manter a posição por mais tempo. Pode-se definir se dar risada conta como “mexida” ou não, pois, quando o “mestre” começar a andar por entre as crianças, fazendo caretas e tentando desconcentrá-las, vai ser difícil não cair na risada.

 

Fonte: Tribuna Online

O conteúdo divulgado aqui neste espaço através de fotos, textos, vídeos e/ou opiniões são de inteira responsabilidade de seus autores. O conteúdo divulgado não expressa e não mantém nenhuma relação com a linha editorial e a visão do PortalR10.
R10 no Facebook:
imprimir
Veja também
Jornal Portal R10
Últimas
Mais lidas da semana
TV R10
© Copyright 2020 - Portal R10 - Todos os direitos reservados
R10 TV Municípios Colunas Anuncie Fale conosco
Site desenvolvido pela Lenium