Terça, 23 de outubro de 2018
(86) 99915-1055
Brasil - Decisão

Postada em 01/03/2018 ás 16h38 - atualizada em 01/03/2018 ás 16h53

Publicada por: Redação

Trans poderão mudar registro civil sem necessidade de cirurgia
Ele defendeu que sejam impostos requisitos para isso, como idade mínima de 21 anos e diagnóstico médico.
Trans poderão mudar registro civil sem necessidade de cirurgia

Foto: Elza Fiuza/Agência Brasil

Supremo Tribunal Federal decidiu nesta quinta-feira (01), permitir que transexuais e transgêneros possam alterar seu nome no registro civil sem a necessidade de realização de cirurgia de mudança de sexo.

Segundo o G1, a maioria dos ministros decidiu também que não será preciso autorização judicial para que o transexual requisite a alteração no documento, que poderá ser feita em cartório.

O julgamento havia sido iniciado nesta quarta, mas foi interrompido após o voto de seis ministros – Marco Aurélio Mello (relator da ação), Alexandre de Moraes, Edson Fachin, Luis Roberto Barroso, Rosa Weber e Luiz Fux –, todos favoráveis à permissão.

Nesta quinta, também votaram nessa direção os ministros Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski, Celso de Mello e Cármen Lúcia – Dias Toffoli não participou do julgamento.

Em seu voto, proferido nesta quarta, o relator do caso, ministro Marco Aurélio Mello, afirmou que é favorável à alteração de nome no registro.

Ele defendeu que sejam impostos requisitos para isso, como idade mínima de 21 anos e diagnóstico médico por equipe multidiplinar, após no mínimo dois anos de acompanhamento conjunto.

“É inaceitável no estado democrático de direito inviabilizar a alguém a escolha do caminho a ser percorrido, obstando-lhe o protagonismo pleno e feliz da própria jornada”, afirmou o ministro.

O ministro Luís Roberto Barroso, que também votou na quarta, defendeu que a mudança de nome no registro civil seja autorizada mesmo sem a necessidade de autorização judicial.

“A identidade de gênero não se prova”, disse o ministro, citando decisão da Corte Interamericana de Direitos Humanos. “Estou me manifestando no sentido de desnecessidade de decisão judicial”, complementou.

Última ministra a votar, já nesta quinta, a presidente da Corte, Cármen Lúcia, afirmou que "não se respeita a honra de alguém se não se respeita a imagem que [essa pessoa] tem".

“Somos iguais, sim, na nossa dignidade, mas temos o direito de ser diferentes em nossa pluralidade e nossa forma de ser”, disse a presidente do STF antes de proferir o resultado.

R10 no Facebook:
imprimir
Veja também
TV R10

»

Revista ADV

»

Capitão de Campos Por Celso Oliveira

Prefeito reúne bolsistas e propõe parceria

Água Branca-PI Por Lenno Oliveira

Forró Sacode vai fazer a festa no 2º ano do B-Day do Josué

São João da Serra Por Cosme Jales

Em São João da Serra estradas são realizadas pela Prefeitura

Gilbués-PI Por Henrique Guerra

Sinserpim realiza grande festa de confraternização

São Pedro do Piauí Por Mário Paiva

Prefeitura de São Pedro do Piauí faz alerta sobre gagueira

Mais lidas da semana

»

Municípios
© Copyright 2018 - Portal R10 - Todos os direitos reservados
R10 TV Municípios Colunas Anuncie Fale conosco
Site desenvolvido pela Lenium